Baralho: o jogo de cartas

 

BARALHO

O JOGO DE CARTAS

 

 

INTRODUÇÃO

 

É notória a discussão que sempre houve na sociedade sobre as cartas de baralho, seu uso em jogos de azar, realidade que destruiu e continua destruindo financeiramente muitas famílias deste mundo. Muitos países, inclusive o Brasil, não permite a existência dos famosos cassinos, luxuosos locais de diversão, cuja atividade principal foca-se nos mais diversos tipos de jogos existentes, como baralho, roletas, máquinas de aposta, dados, etc.

Quando pesquisamos artigos escritos pelo Pr. Wim Malgo, nos deparamos com fortes declarações sobre a criação das cartas de baralho, alegando sua relação com práticas satânicas, com esconjurações, etc.

Pr. Wim Malgo

Fundador da “Chamada da Meia-noite”

 

ORIGEM DAS CARTAS DE BARALHO

 

Segundo pesquisas do próprio autor Wim Malgo, as cartas foram criadas no ano de 1392 para distrair o rei Carlos, da França, que passava por profundas crises de depressão, encaminhando-se rapidamente para debilidade mental. 

Na opinião da maioria das pessoas, esse é o objetivo das cartas de baralho: distrair os cansados, servir de passatempo e diversão. Assim, é normal vermos amigos e familiares reunirem-se para joguinhos de “Canastra”, “Buraco”, “Pif”, “Pontinho” e outros jogos com cartas, não havendo nenhuma aposta de valores e, realmente, parece ser uma forma de reunir as pessoas e distraí-las dos problemas que normalmente enfrentam.

Por outro lado, vêm as declarações de Wim Malgo.  Segundo ele, um homem foi encarregado de inventar uma forma de distração para o rei, optando por esse conjunto de carta contendo figuras ilustrativas e uma forma de jogar. Esse homem, ainda segundo Malgo, era uma pessoa degenerada, que escarnecia das coisas de Deus, como os Dez Mandamentos, etc.

Assim, ele escolheu personagens bíblicos para ilustrarem as cartas de baralho, tudo com um objetivo tendencioso de demonizar aquele jogo. A figura que representa o REI, por exemplo, era o diabo, DAMA representava Maria, a mãe do Senhor Jesus, e o VALETE representava o próprio Senhor Jesus.   De forma fortemente blasfema, teria sugerido que Jesus era filho de uma união sexual entre Satanás e Maria. 

Outro simbolismo desse homem, segundo nosso autor pesquisado, teria sido a cor vermelha dos naipes OURO e COPAS que estariam representando o sangue de Jesus e o naipe de PAUS representariam a perseguição e destruição de todos os santos.  Seu desprezo pelos Dez Mandamentos estaria sugerido no número 10, que é o mais alto de todos, no baralho. 

 

UTILIZAÇÃO DO BARALHO

 

É do conhecimento popular que as “cartas” são o instrumento utilizado para a prática do ocultismo, como em adivinhações, profecias mundanas, embora o tipo de cartas utilizadas variem, não sendo a mesma inventada pelo “amigo” do rei Carlos da França. 

Também existe o “Tarot”, cartas utilizadas exclusivamente para adivinhações, e não para jogar, só que essas cartas são diferentes, com outras ilustrações, outras tendências.

 

OS CRISTÃOS E O BARALHO

 

Em cima dessa premissa de que as cartas de baralho são uma criação dos demônios, fica fácil acharmos citações bíblicas que condenem o seu uso.  Veja o que diz Levíticos 19:25-31 sobre a utilização de métodos de adivinhação: “Não praticareis adivinhações nem a magia. Não vos dirijais aos adivinhos, (cartomantes), não os consulteis, para que não sejais contaminados por eles. Eu sou o Senhor Vosso Deus.”

Nosso autor Wim Malgo continua em sua empreitada contra as cartas de baralho, dizendo que, “Como filhos de Deus, devemos abominar o jogo de cartas. Nem por brincadeira, pois não se brinca com Satanás.  Cresce a cada dia a ação do Maligno em nossa sociedade, usando os mais variados recursos. Devemos vigiar aquilo que nos é oferecido, seja em diversões, programas e até alimentação.” 

Malgo também se utiliza de outras passagens bíblicas, nessa sua intenção de rotular as cartas de baralho com as adivinhações e outras estratégias demoníacas denunciadas pela Bíblia. Para isso, pede que vigiemos as investidas de Satanás, pois “Ele anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar”.

 

 CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

Se tudo que o Pr. Mago afirmou é verdadeiro, os cristãos não deveriam brincar com cartas de baralho, pois existem outras formas de se divertir. 

Por outro lado, se as cartas de baralho não representarem nada disso que o Pr. Malgo afirma, e que suas opiniões são exageradas como muitas outras coisas que estamos acostumados a ver por aí, então não haveria nenhum problema em que os cristãos se distraíssem jogando cartas.

Deixamos para os leitores um entendimento mais racional sobre esse assunto, pois, sinceramente, não conseguimos encontrar mais nada que aprofundasse uma pesquisa sobre esse assunto.

 

FONTES

Jornal “Folha Cristã” (Mar/2001)

MALGO, Wim.  Ministério “Chamada da Meia-noite”. 

 

AUTOR

Walmir Damiani Corrêa

www.elevados.com.br

 

 

Por: Walmir Damiani Corrêa

Publicado em 21/03/2014

Todos os direitos reservados ©elevados.com.br 2013 - 2018