Parábola das Coisas Perdidas

 

PARÁBOLA DAS COISAS PERDIDAS

 
 
Chegavam-se a Ele todos os cobradores de impostos e pecadores para O ouvir. Mas os fariseus e os escribas murmuravam: “Este recebe pecadores, e come com eles.” Então Jesus lhes propôs em parábola: “Que homem dentre vós, tendo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa no deserto as noventa e nove e não vai após a perdida até achá-la?  E quando a encontra, põe-na sobre os ombros, cheio de alegria, e vai para casa.  Então convoca os amigos e vizinhos, e lhes diz:  Alegrai-vos comigo; achei a minha ovelha perdida.  Digo-vos que do mesmo jeito haverá alegria no céu por um pecador que se arrepende, mais do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento. Ou qual a mulher que, tendo dez dracmas, se perder uma, não acende a candeia, varre a casa e a busca com diligência até achá-la?  E quando a encontra, convoca as amigas e vizinhas, dizendo:  Alegrai-vos comigo, achei a dracma perdida. Assim vos digo que há alegria diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende.” Jesus continuou: “Certo homem tinha dois filhos. O mais moço deles disse ao pai: Pai, dá-me a parte dos bens que me pertence. E o pai repartiu os bens entre os dois. Poucos dias depois, o filho mais novo, ajuntando tudo, partiu para uma terra longínqua, e ali desperdiçou os seus bens, vivendo dissolutamente. Tendo ele gastado tudo, houve naquela terra uma grande fome, e começou a padecer necessidades.  Então ele foi e se chegou a um dos cidadãos daquela terra, o qual o mandou para os seus campos a apascentar porcos.  Ele desejava encher o seu estômago com as alfarrobas que os porcos comiam, mas ninguém lhe dava nada. Então, caindo em si, disse: Quantos trabalhadores de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome!  Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei:  Pai, pequei contra o céu e perante ti.  Já não sou mais digno de ser chamado teu filho; faze-me como a um dos teus trabalhadores.  Então, levantando-se foi para seu pai. Quando ainda estava longe, viu-o seu pai, e se moveu de íntima compaixão e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou. O filho lhe disse:  Pai, pequei contra o céu e perante ti, já não sou digno de ser chamado teu filho. Mas o pai disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor túnica e vesti-o com ela, e põe-lhe um anel na mão, e sandálias nos pés.  Trazei o bezerro cevado, e matai-o. Comamos, e alegremo-nos. Pois este meu filho estava morto, e reviveu, tinha-se perdido, e foi achado. E começaram a alegrar-se. O filho mais velho estava no campo. Quando voltou, e chegou mais perto da casa, ouviu a música e as danças. Chamando um dos criados, perguntou-lhe o que era aquilo.  Ele lhe disse: Veio teu irmão, e teu pai matou o bezerro cevado, porque o recebeu são o salvo. Mas ele se indignou, e não queria entrar.  Então, saindo o pai, instava com ele.  Mas ele respondeu ao pai: Olha, sirvo-te há tantos anos, sem nunca transgredir o teu mandamento, e nunca me deste um cabrito para alegrar-me com os meus amigos. Vindo, porém, este teu filho, que desperdiçou os teus bens com meretrizes, tu mandaste matar para ele o bezerro cevado.  Respondeu-lhe o pai: Filho, tu sempre estás comigo, e todas as minhas coisas são tuas.  Mas era justo alegrarmo-nos e folgarmos, porque esse teu irmão estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado. (Lucas 15)
 
 
Os estudiosos da Bíblia costumam dizer que este é o capítulo das coisas perdidas, pois traz as parábolas da ovelha perdida, da dracma perdida e do filho perdido. Muitos de nós poderiam perguntar por que três parábolas num só capítulo, num só ensino, quando Jesus costumava contar uma parábola para ensinar uma coisa apenas. E parecem ser três lições iguais.
 
Algumas pessoas já pregaram sobre este tema, observando pelo Espírito Santo que a ovelha perdida representa 1% do total, que a dracma perdida representa 10% e que o filho perdido representa 50%, ou seja, a metade do total de filhos, mostrando, assim, que Deus se importa com as almas, não importando sua quantidade, e assim por diante.
 
Hoje, porém, enfocaremos este texto sob outro prisma que o Espírito Santo está nos mostrando. Deus apresentou o ensino em três parábolas porque Ele é triúno, três em um, é uma trindade que se une para nos resgatar.
 
 
PARÁBOLA DA OVELHA
 
 
Nessa parábola, Jesus está representado. Quando o pastor acha a ovelha perdida, chama os amigos para festejar. É Jesus quem faz isso!  Ele é o bom pastor, sempre buscando aquele que se perde.  Onde houver uma ovelha sem direção, perdida, Jesus está perto dela, querendo trazê-la de volta.
 
 
 
PARÁBOLA DA DRACMA
 
 
Nela, vemos a mulher acendendo a candeia para poder procurar a dracma perdida.  Achando-a, convoca amigas e vizinhas para compartilhar da sua alegria.  Vemos ali o Espírito Santo representado, que é o único espírito de luz.  Ele esclarece, nos dá discernimento das coisas de Deus, para que voltemos para os braços do Pai.
 
 
 
 
PARÁBOLA DO FILHO PRÓDIGO
 
 
Nesta última parábola, vemos Deus, nosso Pai, ali representado. É ele quem está sempre à porta, esperando que voltemos arrependidos para os Seus braços.  O detalhe é que Deus espera que o filho tome a iniciativa, quando isso acontece, Ele espera com os braços abertos.  Segundo a Bíblia, o pai foi ao encontro do filho, o abraçou e beijou, promovendo grande festa pelo filho que estava morto e sobreviveu.
 
 
Estas três parábolas, repetimos, representam a Trindade: Jesus é o Bom Pastor, O Espírito Santo é a luz que ilumina nosso caminho para Cristo e Deus é o pai que sempre recebe bem o pecador arrependido.
 
Cada uma dessas parábolas nos deixa uma lição diferenciada. Não são três lições iguais, como muitos o dizem. Vamos refletir sobre elas:
 
 
1ª LIÇÃO: DESORIENTAÇÃO
 
 
Vale comentar aqui alguma coisa sobre o tipo de animal que são as ovelhas. Moramos alguns anos na fronteira do Rio Grande do Sul com o Uruguai, e nos acostumamos a ver as ovelhas criadas lá em larga escala.
 
As ovelhas costumam desviar-se do bando, porque elas não têm sentido de direção. Elas se perdem com muita facilidade.  Quando uma ovelha se desvia, e cai num precipício, é muito comum as outras a seguirem e também caírem no mesmo precipício. Vão andando como bebês que desconhecem o perigo, sem senso de direção.
 
Assim são os crentes.  Precisam estar juntos, se consagrando na casa de Deus, que é o grande aprisco.  Ali é o lugar das ovelhas, E é por isso que as ovelhas precisam de pastor.  Para olhar por elas, e não deixar que se arrisquem por caminhos perigosos, que talvez impossibilitem sua volta.
 
Assim somos nós quando nos apartamos de Jesus, quando nos desviamos d’Ele.  Sem Esse pastor para cuidar de nós, ficamos indefesos, à mercê dos perigos do mundo.  As coisas fáceis nos atraem para o erro.  Não sigamos a ovelha perdida, não sigamos quem não tem orientação. Busquemos a orientação de Jesus.
 
 
2ª LIÇÃO:  NEGLIGÊNCIA
 
 
Na parábola da dracma, vemos que ela se perdeu por falta de cuidado, por negligência. Sempre que nos tornamos negligentes, nos perdemos.  Estivemos conversando, dias atrás, com uma pessoa que reclamava não receber mais visitas como costumava receber no tempo em que se convertera.  Que responsabilidade daqueles que estão à frente da obra! Temos que buscar as ovelhas cansadas!  Não podemos negligenciar com essas ovelhas valiosas!  Todos temos que cuidar das almas da Igreja que podem estar se perdendo.
 
Às vezes, porém, a negligência é da própria pessoa. Mesmo merecendo cuidados dos ministros da Igreja, pouco adianta.  Deixa de orar hoje, deixa de orar dois dias, até que não ora mais.  É muito cômodo, nessa hora, culpar os outros pela nossa própria negligência.
 
 
3ª LIÇÃO:  PRECIPITAÇÃO
 
 
O filho precipitou-se, quando procurou pelo pai para reclamar sua parte na herança, objetivando ir embora, pois herança não se recebe em vida.  Ele antecipou-se, precipitou-se!  Quis ter direitos antes da hora! Mas o pai lhe deu, e ele foi embora buscar o desconhecido, tudo que estivesse por trás dos horizontes. Precipitou-se pelos caminhos da vida.
 
Nós, hoje em dia, também temos esses impulsos de querer experimentar o desconhecido. Não corra esse risco! Não perca a sua alma!  Não se precipite!  Tem gente se desviando só por precipitação, não esperando o curso normal dos acontecimentos, segundo a vontade de Deus. E logo estarão caindo, amargando longos dias por causa desses erros. 
 
O filho logo viu seu dinheiro desaparecer, e com ele os amigos e as amigas. Veio uma grande fome e ele não tinha nem o que comer!  O único emprego conseguido foi o de cuidar de porcos, na lama, que era o trabalho mais degradante daquela época. Veja que Bíblia mostra ele tentando comer os alimentos dos porcos!  Parece, irmãos, que alguns têm que descer ao mais baixo nível para poderem se acordar!
 
Foi nesse momento de despertamento que o filho pensou em levantar-se da lama, e ir ter com seu pai, pedir o seu perdão e voltar à maravilhosa vida que tinha e que não costumava valorizar. Pensou no fato de que o mais humilde dos empregados de seu pai comia melhor do que ele.
 
E seu pai o estava esperando.  Assim é com você, em relação a Deus.  O pai fez o melhor que pôde para dar vazão à sua alegria, e procurar ver o filho contente, recuperado.  Assim é com Deus. Dê um passo para Deus, que Ele dará dez na sua direção! 
 
Um fato idêntico, real, aconteceu com um rapaz do interior da Inglaterra. Na hora de querer voltar, temendo a reação do pai, resolveu escrever-lhe uma carta, expondo sua mudança de comportamento, seu arrependimento.  Propôs que o pai colocasse, no dia marcado, um lenço branco pendurado na árvore que ficava ao lado da casa, local que poderia ser visto por ele quando chegasse de trem. Seria um sinal de que tudo estaria bem, ou seja, que o pai o aceitava de volta para viver com ele.
 
Quando o rapaz chegou à cidadezinha, no dia marcado, e o trem ia passando pela sua casa, o rapaz não enxergou um lenço branco pendurado na árvore, mas um festival de toalhas, camisas, vestidos, etc, nas cores branca, vermelha, verde, azul, pendurados por toda a propriedade do seu pai. O rapaz caiu em prantos ainda dentro do trem, não conseguindo esconder a alegria que lhe ia na alma.
 
 
CONCLUSÃO
 
 
É isso que Deus faz com nossas almas. Você está sem direção? Comunique-se com Deus, busque ao Senhor agora!  Está em trevas?  Venha a Jesus, que a luz vai raiar na sua vida!  Você não quer mais seguir por conta própria? Chegou à conclusão de que não está preparado para tomar as próprias decisões?  Então, volte para o seu criador, que Ele estará de braços abertos, e lhe dará de volta tudo aquilo que você perdeu na ausência d’Ele, sem a orientação d’Ele.  Volte !!!
 
 
 
AUTOR
 
 
 
Pr. Bartolomeu Severino de Andrade
 
 
Esta pregação aconteceu em 03/05/1992, tendo por local a Igreja ADI, em Tubarão/SC. Os trabalhos de gravação, formatação e edição foram produzidos por Walmir Damiani Corrêa  —  www.elevados.com.br.
 

Por: Bartolomeu de Andrade

Publicado em 24/03/2014

Procedência - www.elevados.com.br

Todos os direitos reservados ©elevados.com.br 2013 - 2020