João Crisóstemo

 

JOÃO CRISÓSTOMO

 

 

João Crisóstomo é mais um personagem da primeira fase Igreja Primitiva, considerado um dos maiores pregadores de todos os tempos na História da Igreja. É digno de ser estudado e conhecido. 

Nasceu em 347 na cidade de Antioquia da Síria, pertencendo a uma família nobre e rica, de origem greco-síria. Era apenas um menino quando seu pai morreu e sua mãe tinha apenas 20 anos de idade.  Mulher virtuosa, Antusa assumiu a criação e educação do seu filho. 

 

 

VOCAÇÃO PELA ORATÓRIA

 

 

Como desde cedo mostrava talento para a oratória e a pregação, aos 16 anos começou a frequentar os centros de ensino, aprendendo filosofia com Andragácio, e recebendo aulas de retórica do famoso sofista Libânio, que antes de morrer o nomeou como seu sucessor. 

 

 

A BUSCA PELAS ESCRITURAS

 

 

Aos 18 anos aborreceu-se da educação geral que recebia, percebendo um grande vazio nas artes que estudava, encantando-se com os ensinos da doutrina sagrada. Alternou momentos mais espirituais e menos espirituais, chegando a organizar sua vida no estilo monástico (restrito à sua própria casa), esquecendo-se da vida social, dedicando-se ao jejum, passava as noites lendo as Escrituras, à luz de uma pequena lamparina.

Por volta de 374, após a morte de sua mãe, João Crisóstomo resolveu colocar em prática seu projeto guardado há muito tempo, que seria retirar-se para o deserto, vivendo uma vida monástica. Vendeu todas as suas propriedades e foi para as montanhas, onde juntou-se aos cenóbios, particularmente com um eremita de nome Syro, mestre veterano de santidade, com quem compartilhou sua vida durante 4 anos. Depois morou numa caverna por 2 anos, onde pode dedicar-se a um estudo mais profundo das Escrituras.

Em 381, já com mais de 30 anos, e enfraquecido fisicamente pelo tipo de vida que levara ultimamente, Crisóstomo teve que voltar para o seio da Igreja de Antioquia, quando foi ordenado diácono. Durante cinco anos, enquanto se recuperava dos males físicos, aproveitou para enriquecer as letras cristãs com mais alguns livros, que ao se espalharem foram dando reconhecimento e fama ao seu nome.

 

 

MINISTÉRIO

 

 

Em 397, já com 40 anos, resolve iniciar seu ministério efetivo, quando foi ordenado presbítero em Antioquia da Síria e pregador oficial da região, nomeado pelo bispo Melécio. Foi durante os 12 anos que se seguiram que João assegurou para si o título de maior orador sagrado da cristandade.

 

 

 

UM CRÍTICO SOCIAL

 

 

Além de ser um cristão sincero e um pregador eloquente, Crisóstomo adotava como missão denunciar os vícios e a corrupção dos líderes políticos e eclesiásticos em sua volta, postura que acabou por irritar os governantes. Na verdade, a sociedade a que pertencia era muito sequiosa por festas, espetáculos e prazeres, fazendo com que ele a exortasse seguidamente a voltar-se para os caminhos da virtude e aos mandamentos divinos. 

Em 387, o Imperador Teodósio implantou um novo sistema de impostos, baseado no cadastramento de propriedades, animais, de pessoas, de modo que ninguém conseguia fugir às pressões governamentais. Isso provocou violentas manifestações públicas, inclusive quebrando estátuas do Imperador. 

Apesar do ânimo abrasado de Teodósio, sua reação em Constantinopla foi apenas de fechamento de todos os centros de lazer e diversões em Antioquia, além de outras retaliações à cidade, pelo menos enquanto tentaria descobrir quais eram as lideranças locais que incitaram o povo a tais manifestações de lesa-majestade.

Enquanto aguardava-se alguma ação mais violenta do Imperador, tal a distância entre Antioquia e Constantinopla, João Crisóstomo aproveitava para incitar os fiéis à pratica das virtudes cristãs, animando-os de todas as maneiras. Além disso, tentava convencer o bispo Flaviano a deslocar-se para Constantinopla para que intercedesse junto ao Imperador.

João apressou-se em formar uma comissão de pessoas selecionadas para deslocar-se até a sede do Império, de modo a dissuadir Teodósio de possível retaliações sobre o povo de Antioquia, levando presentes e agrados ao mandatário maior do Império. Porém, antes de colocarem em ação o plano, chegaram juízes investigadores a Antioquia, enchendo os calabouços, detentos iam sendo torturados e logo a cidade começava a se cobrir de luto por todos os lados. Um quadro desolador.

João Crisóstomo viu-se na obrigação de pedir ajuda aos seus amigos eremitas das montanhas, pessoas simples mas de aparência assustadoramente agressiva, barbas crescidas, etc.  Um tal de Macedônio interpelou autoritariamente os juízes numa estrada, exigindo que se parasse com a perseguição aos cidadãos antioquenos, pois apesar de terem errados em ridicularizar as estátuas imperiais, não mereciam receber um castigo da forma como estava acontecendo. 

Junto a esses monges eremitas juntaram-se os membros o clero de Antioquia e cidades vizinhas, oferecendo-se a morrer no lugar dos cidadãos locais. Todo esse processo não durou mais de 24 horas, mas foi o suficiente para que os juízes retornassem a Constantinopla para relatar o que estava acontecendo e receberem novas ordens imperiais.

O bispo Flaviano foi, então, ver o Imperador, leu um discurso (escrito por João) que falava muito em perdão, e o resultado foi a devolução a Antioquia de todos os seus privilégios anteriores, e “passou-se uma borracha” em cima de tudo o que havia acontecido.

 

 

BISPO DE CONTANTINOPLA

 

 

Em 398 faleceu Nectário, o bispo da sede de Constantinopla, fato que exigiu a escolha de uma outra pessoa bem preparada para o cargo. A grande fama de João Crisóstomo como pregador oportunizou o convite e consequente ordenação para o cargo.

Constantinopla tinha se tornado a mais faustosa e desenvolvida cidade de todo o Império, cercada pelos espetáculos e deleites mundanos. Teodósio havia morrido há pouco tempo, deixando no poder Arcádio, um filho totalmente despreparado para assumir o importante cargo do seu pai. Foi esse o ambiente político em que o cândido João Crisóstomo se metera.

Assim que assumiu o cargo, João começou a se utilizar de todos os meios possíveis para restaurar a ordem no seu patriarcado. Começou retirando todos os luxos e faustos profanos acumulados pelo seu predecessor, mandou vender os tesouros acumulados, distribuindo o rendimento com os pobres. Com o dinheiro da venda da tapeçaria, móveis, sedas e veludos, mandou construir um hospital, mantendo com ele apenas um cobertor para enfrentar o frio.

O ano de 401 trouxe o ápice de revolta do clero, quando foram depostos 6 bispos e também de Eutrópio, homem que ocupava um cargo semelhante ao de primeiro-ministro no Império, manipulador de ocupação de cargos e negócios escusos dentro do governo.

 

 

 

INIMIGOS

 

 

Todo esse processo desencadeado por João Crisóstomo custou-lhe um alto preço. Eudóxia, a Imperatriz, saturada das investidas de João contra o luxo que desfrutavam, juntou-se ao Bispo Teófilo (Alexandria), enciumado pela projeção do patriarca, que convocou uma reunião com 36 bispos também descontentes.

Como foi convocado três vezes para comparecer a essas reuniões e se negado, o grupo o declarou como deposto em 403, ato aprovado pelo Imperador Arcádio. Como castigo, Crisóstomo foi exilado para a Bitínia, mas a revolta do povo fez com que a Imperatriz Eudóxia revogasse a decisão do seu marido.

Porém, meses depois João pronunciou um sermão onde criticou a colocação de estátuas da Imperatriz, próximas à Catedral, fato que desencadeou outras vinganças contra ele, sendo que o Imperador não teve outra alternativa a não ser a exoneração completa de qualquer cerimônia eclesiástica, e que ficasse recluso ao ambiente da igreja. 

Como João desobedeceu essas ordens, o Imperador mandou mensageiros para interromperem o culto em que João estava pregando. O ano era 404 e João Crisóstomo foi imediatamente exilado para a Armênia, onde permaneceu por 3 anos.   

Como os fiéis de Antioquia estavam indo à Armênia para recebem alimento espiritual de seu pastor, João foi exilado para mais longe, sendo enviado a Pitio, uma região selvagem às margens do Mar Negro. 

Mesmo longe da pátria, João Crisóstomo continuou a pregar o Evangelho, convencendo grandes proprietários a cederem terras para a edificação de capelas, o que facilitaria a conversão dos camponeses.

Essas viagens a pé e os maus tratos foram debilitando a saúde de João, culminando com sua morte na região de Comana, no dia 14 de setembro de 407, com sessenta anos de idade.

 

 

LITERATURA

 

 

De todos os importantes patronos do cristianismo primitivo, ninguém deixou uma herança literária copiosa como João Crisóstomo, inclusive pelo fato de serem conservadas até hoje a quase totalidade de sua obra. 

Pelos seus talentos, alguns o chamavam de “Mestre pregador da Igreja”, outros o intitulavam o “Boca de Ouro”, e outros ainda o consideraram o maior pregador cristão da história. 

A parte principal das suas variadas obras está nos sermões pronunciados por ele, tanto na Igreja de Antioquia da Síria, como em Constantinopla. Entre os comentários exegéticos podem ser destacados aqueles sobre o Antigo Testamento, Novo Testamento, Salmos, Isaías, Evangelhos de Mateus e João, Atos dos Apóstolos, Epístolas Paulinas.

Suas obras mais conhecida são  “Sobre o sacerdócio”  (6 livros)  e “Sobre a vida monástica”, uma série de escritos apologéticos em defesa da vida monástica, entre os quais se destacam ”Paraeneses ad Theodorum lapsum”, duas exortações ao amigo, mais tarde Bispo de Mupsuéstia, que encontrava-se enfastiado com a vida monástica, e cedera às seduções de uma mulher.

 

 

 

 

FRASES DE JOÃO CRISÓSTOMO

 

 

Se não custasse ser virtuoso, que mérito haveria em sê-lo?

Nada se compara à paciência nas aflições. A pac|ência é a rainha das demais virtudes.

O queixume do pobre é a vergonha do rico.

Pecar é humano, mas perseverar no pecado é diabólico.

Chegamos mais seguramente à virtude pela pobreza do que péla riqueza.

A virgindade está tão acima do matrimônio como o céu acima da terra.

Homens cuulados de fortuna são como os barcos muito carregados que ameaçam soçobrar a todo instante.

A abelha é mais estimada que outros seres, não por trabalhar, mas por trabalhar para outros.

 

 

FONTES DE PESQUISA

 

 

WIKIPEDIA, A ENCICLOPÉDIA LIVRE. João Crisóstomo. Pesquisado em 20/08/2014.

GARCIA, Lucas. João Crisóstomo, o maior orador da história. Pesquisado em http://academico.arautos.org/2013/09/sao-joao-crisostomo, em 05 de setembro de 2014.

NOVAS EDIÇÕES LÍDERES EVANGÉLICOS. História da Igreja. 04 ed. São Paulo: IBETE, 1987.

 

 

AUTOR DA PESQUISA

Walmir Damiani Corrêa

Por: Walmir Damiani Corrêa

Publicado em 19/09/2014

Todos os direitos reservados ©elevados.com.br 2013 - 2018