Epístola de Judas

 
JUDAS

 

 

AUTORIA 

 

O autor deste livro da Bíblia, logicamente, não é o Judas Iscariotis. Era outro, pois era um nome muito comum na época. A maioria dos estudiosos acham que este Judas aqui é um dos irmãos de Jesus, citados em Marcos 6:3, os filhos de Maria com José.

Por algum tempo, Judas e os demais irmãos de Jesus não acreditaram que Ele era o Filho de Deus. Desconhecemos como ele e Tiago vieram a se tornar crentes em Jesus, passando a assumir parte da liderança da nascente Igreja Cristã. Observemos já no capitulo 1, que Judas se apresenta como servo de Jesus, e como irmão de Tiago. Ao apresentar-se com “servo”, ele mostra amplamente que não procurava destaque por ser irmão do Mestre, o que poderia ser até natural. Preferiu dizer que era irmão de Tiago, muito mais conhecido do que ele.

Ele deve ter sido um líder proeminente no cristianismo original, no século primeiro, ao legar esta Carta, que veio a fazer parte do cânon, ou seja reconhecida como inspirada por Deus, por causa da sua associação apostólica. Sempre fez parte da lista de livros inspirados dos primeiros séculos.

 

ENDEREÇAMENTO

 

Judas não colocou como destino da carta um endereço bem específico, como era costume de Paulo, mas preferiu endereça-la de maneira bem geral, o que deixa claro que ele não estava escrevendo a uma Igreja de maneira especial, mas a várias comunidades de uma região, igrejas que estivessem passando pelo mesmo problema, que é o motivo desta carta.

 

MOTIVO DA CARTA

 

Veja que logo no início ele mostra gostar de comunicar-se com “chamados”, “amados” e “guardados”.  Isso já mostra a preocupação dele com os seus destinatários, e a sua preocupação maior era que as igrejas estavam sofrendo infiltração de falsos profetas, falsos mestres, pessoas que apresentavam uma doutrina diferente da doutrina apostólica. De imediato, ele nomeia seus destinatários como salvos por Deus, amados por Deus e que são guardados na verdadeira fé em Jesus Cristo.  Vejam que ele já inicia a carta passando tranquilidade a todos.

Assim, imediatamente já se pode detectar qual a razão de ele ter escrito essa carta, que apresenta uma advertência sobre os tais falsos mestres

 

DIVISÕES DA CARTA

 

Uma primeira divisão da carta vai do verso 3 até o verso 19, onde ele fala diretamente dos falsos mestres, dizendo que eles precisam ser confrontados, pois já estão condenados pelo seu caráter reprovado, sendo um grupo já conhecido desde a Antiguidade.

Do verso 20 ao 25 ele muda de tom, passa a outra parte da carta, quando para de condenar os falsos mestres e volta-se para os membros da igrejas, aconselhando-os a cuidarem-se dessas pessoas, terem compaixão daqueles que estão sendo atingidos, enganados, confiando sempre que Deus há de continuar guardando-os.

 

 

AUTOR DO RESUMO

Rev. Augustus Nicodemus Lopes

Por: Augustus Nicodemus

Publicado em 18/12/2015

Todos os direitos reservados ©elevados.com.br 2013 - 2020