Seis razões pelas quais o inferno é real

 

SEIS RAZÕES PELAS QUAIS 

O INFERNO É REAL

 

 

O inferno não é um lugar divertido para estar. Se é real, isso é. Na Idade Média as pessoas acreditavam que o inferno era um lugar embaixo da terra, onde as pessoas seriam atormentadas de acordo com a gravidade de seus pecados. A ideia popular do inferno foi amplamente moldada pelo famoso Inferno de Dante. Mas, como a humanidade descobriu que o universo não é nem plano nem o centro do universo (e muito mais), a noção de inferno ficou sob fogo. Também pretendido.

Não é apenas a localização do inferno, mas também o crescente desconforto com toda a ideia de pessoas torturadas pelos demônios como algo que faz parte de contos de fadas e mitos. Os tempos modernos provocaram um encantamento do mundo e com ele ideias de um lugar real de tormento chamado inferno. Além disso, as pessoas têm dificuldade com a ideia de que as pessoas serão eternamente atormentadas. Como um deus amoroso, que manda Jesus para salvar o mundo, realmente acabou tolerando, ou mesmo executando, o tormento eterno de seres humanos reais?

Neste artigo, eu me esforçarei para representar o caso em favor do inferno (não que o inferno precise de favor, mas se é real, é melhor saber disso), mas também o caso contra o inferno (é claro que todos estão contra o inferno, mas eu estou falando aqui sobre a negação de sua existência). Em um terceiro artigo, vou discutir várias maneiras pelas quais os cristãos podem pensar de forma significativa sobre a vida após a morte. Vamos primeiro apresentar a posição de que o inferno é um lugar real.

 

1. A PALAVRA DE DEUS FALA MUITO SOBRE O INFERNO

 

Talvez o Antigo Testamento não seja muito claro sobre o inferno, mas no momento em que você chega no Novo Testamento, exatamente onde e quando Jesus, o salvador do mundo, aparece no palco do mundo, o idioma sobre o inferno explode. O público dos livros do Novo Testamento é claramente advertido de forma estrita e severa de que o inferno é real e que aqueles que não se arrependem e não seguem o Senhor, vão acabar no inferno. Jesus chega a nos dizer para cortar nossos membros e arrancar o olho se os membros e o olho nos mandarem pecar (Mateus 5:29-30). Paulo até fornece uma lista completa de pessoas que não herdarão o Reino de Deus (1 Coríntios 6:10). Quando chegamos ao Apocalipse, as pessoas são convidadas a beber da água viva da graça de Deus (Apocalipse 22:14-17) ou então enfrentar o terrível destino dos incrédulos: o lago de fogo (Apocalipse 20:14-15). Aqueles cujo nome não está escrito no Livro da Vida, não participarão da ressurreição.

Em resumo, qualquer pessoa que leve a Bíblia a sério como a Palavra de Deus, não pode, de boa-fé, defender a posição de que o inferno não seria real ou que os cristãos não seriam obrigados a entender a Bíblia como real de acordo com a Palavra de Deus. Você não pode ser um cristão que acredita na Bíblia e não acreditar que o inferno seja real, quer queira ou não, seja isso politicamente correto ou não.

 

2. JESUS ENSINOU A REALIDADE DO INFERNO

 

Não podemos ignorar o ensino de Jesus a este respeito. Este Deus-homem, a Palavra encarnada, que veio para salvar o mundo, advertiu muitas vezes com muitas palavras e com muitos exemplos, sobre a grande chance de se acabar no inferno (Marcos 9:48; Mateus 23:33). Largo é o caminho que leva à perdição e estreito o caminho que leva à vida; largo é o portão para o inferno, mas estreita a entrada para a vida eterna (Mateus 7:13). A ameaça era tão real para Jesus que Ele pediu aos crentes para cortar os membros e cortar os olhos, se isso é o que é preciso para não pecar (Mateus 5:29-30). Ele, muitas vezes, mencionou que haverão aqueles atirados para fora, onde haverá um ranger de dentes, que eles desejarão a morte, mas nunca morrerão, pois o fogo nunca será extinguido (Marcos 9:48). Jesus ensinou pouco sobre o céu ou paraíso, mas muito mais do que ninguém na Escritura sobre o inferno.

 

3. O HOMEM RICO SE ENCONTROU NO INFERNO

 

Depois, há esta história notável sobre Lázaro e o homem rico (sem nome) no Evangelho de Lucas (Lucas 16:19-31). Não há indicação de que esta seja uma parábola. Pelo menos, não é mencionado aqui. Isso deve nos dar uma pausa. Pode muito bem ser que Jesus contou esta história como uma das suas parábolas, mas que realmente aconteceu, ou que, pelo menos, Jesus considerou o conteúdo desta história como um cenário realista da vida após a morte.

Em qualquer caso, nesta história, Lázaro, pobre e destituído, sempre implorando na frente da casa do homem rico, morre. O homem rico também morre e quando ele abre os olhos, ele se encontra no inferno com a garganta seca e nenhuma gota de água para diminuir sua sede. Então ele vê Lázaro na presença de Abraão e deseja que Abraão deixe Lázaro trazer-lhe uma gota de água para matar a sua sede. Quanto mais real queremos que seja?

 

4. NO APOCALIPSE, O INFERNO É

    MOSTRADO COMO ALGO REAL

 

O livro do Apocalipse nos mostra o panorama chocante do fim do mundo, como os que são do mal estão ficando ainda mais maus e como a verdade de Deus se mostra triunfante, desafiando o diabo e suas hordas. O mal será superado e aqueles que se juntaram ao mal, contra o Cordeiro de Deus, encontrar-se-ão atirados no lago de fogo (Apocalipse 20). Eles terminam no conjunto de fogo juntamente com o Anticristo e Satanás, bem como o reino dos mortos.

À medida que o livro chega ao fim, é claro que existe uma linha estreita que divide os maldosos dos justificados. Aqueles cujo nome não está escrito no Livro da Vida sofrerão uma perda eterna. Eles perderão suas vidas e encontrarão seu destino eterno no inferno.

 

5. JUSTIÇA EXIGE PUNIÇÃO POR ERROS

 

Não é só porque a Bíblia ensina a realidade do inferno que devemos acreditar. Existem também razões teológicas. Uma delas é que há tanta maldade no mundo, tanta maldade que os seres humanos perpetram contra Deus e outro ser humano, que simplesmente fica impune (cf. Apocalipse 6:10-11).

Hitler, por exemplo, conseguiu fugir, por assim dizer, de ser responsável pelo assassinato de milhões e milhões de pessoas, através de um simples ato de suicídio.

Os extremistas muçulmanos dificilmente sofrem quando detonam as bombas amarradas ao redor de seus corpos, matando e mutilando inúmeros espectadores inocentes.

Estupradores, traficantes de drogas, aqueles que cometem fraude… tantas pessoas cometem crimes hediondos sem serem pegos enquanto eles ainda causaram tanto dano, dor e destruição na vida de outras pessoas.

Se não há inferno, não há justiça! Se essas pessoas não recebem o pagamento pelo que fizeram, simplesmente não é justo. A justiça exige consequências! A justiça exige que o Deus dos céus e da Terra exija castigos aos que cometem o mal.

 

6. UM DEUS SANTO NÃO SUPORTA

    COEXISTIR COM O PECADO

 

O mal e o pecado não são apenas cometidos por seres humanos contra outros seres humanos. Em última análise, o pecado é rebelião e ódio contra Deus (cf. Êxodo 10:16; Jeremias 14:20; 2 Samuel 12:13; Salmo 51: 4; Daniel 9:8). A honra de Deus é violada, pois o pecado é um ataque contra Deus. Isso não é tudo. Deus é santo. Deus é sem pecado e sem culpa. Deus habita na luz mais pura, como Deus é a Divindade mais pura que a luz, Deus é também a mais pura beleza e do amor mais puro. Simplesmente não há maneira de que os pecadores não arrependidos possam habitar na presença de tal Deus ou que tal Deus possa tolerar a presença de pessoas tão pecaminosas (Pense na parábola sobre o homem sem roupas de casamento no banquete de casamento, (Mateus 22:11-13).

E, após a morte, há apenas duas opções: (a) Você vai morar na presença de Deus (que é o céu) ou não habita na presença de Deus (que é o inferno). Não há um termo intermediário do modo como nossa vida terrena é vivida em um grau de incerteza sobre se Deus existe ou não.

 

AUTOR

JOSH DE KEIJZER

Portal Padom

 

 

Por: Josh Keijzer

Publicado em 29/11/2017

Procedência - Rede Social

Todos os direitos reservados ©elevados.com.br 2013 - 2017