Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a Terra

 BEM-AVENTURADOS OS MANSOS,

PORQUE HERDARÃO A TERRA
(Mateus 5:5)
 
 
“Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra.”  Eles, exclusivamente eles. Mais uma vez estamos vendo que o crente é alguém inteiramente diferente das pessoas do mundo.
 
A ideia dos judeus sobre o Reino dos Céus era materialista, como também militarista. Porém, o propósito de Jesus Cristo não era nada disso, e nem o Seu Reino se reveste de natureza tal.
 
Seria bom se observássemos a lógica entre as bem-aventuranças. Elas não tratam de atitudes e tendências e nem são proferidas ao acaso. Em primeiro lugar há aquela necessidade de sermos “humildes de espírito”, e que é fundamental. Em seguida, essa atitude primária, por sua vez, conduz à condição do espírito lamentoso, quando temos a consciência de nossa pecaminosidade; e então isso nos ao espírito de mansidão.
 
Esta atitude de ser manso é a mais difícil, mais rebaixadora e mais humilhante. Quem é o indivíduo manso? Com quem ele se assemelha? Temos na Bíblia Sagrada exemplos e ilustrações de homens e mulheres considerados mansos. Abraão, na sua atitude em relação a Ló, permitiu ao jovem sobrinho fazer a escolha sem reclamar; Moisés, que foi descrito como ”o homem mais manso da terra”; Davi, mais especificamente, no seu relacionamento com Saul; Estêvão, exemplo de atitude mansa diante das acusações; Nosso Senhor Jesus Cristo (Mateus 11:29; Isaías 42:3) sofreu perseguições e escárnio, sarcasmo e menosprezo.
 
A atitude de Cristo para com Seus inimigos, e mais precisamente para com o Pai, foi Sua completa submissão, uma demonstração de mansidão.
 
Pois bem, o que é mansidão? Em primeiro lugar, faço questão de repetir que essa atitude não se trata de alguma qualidade natural nem as demais. Todo crente, sem se importar com o seu temperamento natural ou psicológico, deve possuir essas virtudes.
 
Não está em pauta aqui a indolência, a gentileza, a fraqueza, o caráter de personalidade ou pensar em uma atitude de compromisso de “paz a qualquer preço”, ou quaisquer outra coisa semelhante. O manso, é aquele que acredita em defender a verdade com tal empenho e que se dispõe até a morrer por ela, se for necessário. 
 
Que Deus nos livre de alguma vez confundirmos essa nobre qualidade com algo meramente animal, físico ou natural! Mansidão consiste em uma atitude interior. É necessário controlarmos os lábios e a boca, não dizendo todas as coisas que tivermos vontade de dizer. Também a mansidão consiste em nos relacionar com outras pessoas. A partir deste ponto, podemos perceber que a mansidão deriva-se das qualidades de humildade de espírito e de lamentação.
 
O homem manso não permanece em atitude defensiva (1 Pedro 2:22,23). Ser manso é usar de paciência e longanimidade, mesmo quando sofremos injustiça. Significa também estarmos dispostos a ouvir e aprender, principalmente pelo Espírito Santo e pelo próprio Senhor Jesus Cristo. É o caso e a própria experiência de Nosso Senhor Jesus Cristo. Embora fosse a segunda pessoa da Trindade, Ele tornou-se homem, humilhando-se deliberadamente ao ponto de depender inteiramente de Deus. É isso o que se deve entender por mansidão.
 
Gostaria de expressar aqui a seguinte questão: é necessário que deixemos tudo, nós mesmos, os nossos direitos, a nossa causa, o nosso futuro, tudo nas mãos de Deus, e especialmente quando sentirmos que estamos sofrendo injustamente.
 
“Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra.”  O homem realmente manso é aquele que sempre vive satisfeito, é o homem que se sente contente. Finalmente, devemos humilhar-nos e confessarmos a nossa vergonha, a nossa pequenez, estatura espiritual, e sobretudo a nossa completa imperfeição. Em último lugar, temos a obrigação de pôr um ponto final em nosso próprio “eu”, a fim de que aquele que nos adquiriu a um preço tão elevado, possa vir a possuir-nos por inteiro.
 
 
AUTOR
Pr. Estevam Hernandes Filho
 

Por: Estevam Hernandes Filho

Publicado em 16/07/2018

Procedência - Rede Social

Todos os direitos reservados ©elevados.com.br 2013 - 2020