Vaso rachado, azeite vazando

 VASO RACHADO, AZEITE VAZANDO

Vai, porque este é para mim um vaso escolhido para levar o meu nome.” (Atos 9:15) 
 
 
INTRODUÇÃO
 
 
Hoje em dia muitos querem fazer grandes coisas em nome do Senhor. Âs vezes O buscam de coração e se enchem do Espírito Santo, porém um pequeno descuido e lá está ela, a brecha, deixando vazar o azeite do vaso e deixando de alcançar os seus objetivos.
 
Esta narrativa tem como objetivo ilustrar certos momentos em que um homem cheio do Espírito Santo pode ficar vazio. Para começar, precisamos espiritualizar as expressões usadas, dizendo que vaso corresponde ao nosso coração, e que brecha seria um acidente, às vezes despercebido, e dá lugar para acontecerem as ações do Inimigo de nossas almas. Quando se fala em azeite, figurativamente estamos indicando a presença do Espírito Santo, Sua unção e a Palavra de Deus.
 
Certa vez, Jeremias recebeu um convite especial para descer até onde estava a casa do oleiro (Jeremias 18:1), local onde ele teria a chance de conhecer como somos nas mãos de Deus, e se algo de nós (que somos vasos) está quebrando em nossa vida, Deus sempre está disposto a refazer, reconstruir.
 
O problema é que a brecha no vaso passa muitas vezes quase que despercebida. Neemias era um homem que não tolerava a presença de qualquer tipo de brecha (Neemias 6:1). É neste mesmo exemplo que devemos estar vigilantes para não perdermos o azeite.
 
 
BRECHA DA MURMURAÇÃO
 
 
Por causa da murmuração o povo de Israel não pôde ver a Terra Prometida (Êxodo 17.3), e a murmuração às vezes nos impede de permanecer com o azeite em nosso vaso. Se analisarmos a história da viúva (II Rs 4.1-7), veremos uma mulher que, embora tivesse acabado o seu sustento, não deixou que o azeite se acabasse na sua vasilha. Ainda havia azeite (talvez pouco), mas tinha, e sua necessidade da mulher era que aquele azeite se multiplicasse.
 
Se pararmos para analisar, encontraremos uma lição importante nesta questão, pois uma das maiores serventias do azeite naquela época era para fornecer luz. Veja o que está escrito no Salmos 119:105:  “Lâmpada para os meus pés é a tua palavra, e luz para o meu caminho.”  Pode ter faltado o feijão, a carne, o arroz, o trigo, mas não faltou a luz na casa dela.
 
Seus filhos não se esbarravam uns com os outros, nem tropeçavam, pois naquela casa havia luz, uma necessidade como a de todo crente que se sente fraco pelas tribulações: multiplicar o azeite. Apesar de sentir-se fraca, a mulher não deixou de edificar sua casa, pois era sábia (Provérbios 14.1).
 
Ainda que o crente passe necessidades, não deve deixar que a brecha da murmuração rache o seu vaso. Nós devemos repetir o que disse o Profeta Habacuque: "Ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide, que o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento, que as ovelhas da malhada sejam arrebatados, e nos currais não haja vacas, todavia eu me alegrarei no Senhor, exultarei no Deus da minha vida" (Habacuque 3.17,18), ou como Paulo: "Sei passar necessidade, pois posso tudo naquele que me fortalece" (Filipenses 4.12,13). O crente de hoje poderia dizer assim: "Ainda que não tenha trabalho, o fruto da geladeira minta, a panela sem gás e panela esteja vazia, Deus proverá e continuaremos dando graças a Deus em tudo" (I Tessalonicenses 5.18).
 
 
BRECHA DO SONO
 
 
Vamos falar agora um pouco sobre Sansão, que era um vaso forte, pois sua força através do Espírito Santo era impressionante (Juízes 14.6). Porém, ele foi deixando que um abismo chamasse outro em sua vida. Observe as brechas que ele deixou: 
 
—  Procurou mulher no meio dos filisteus (Juízes 14:1);
— Como Nazireu, não lhe era permitido comer carne de animal já       morto, carne considerada amaldiçoada, mas ele desobedeceu. 
     (Juízes 14:8)
—  Esteve com uma prostituta. (Juízes 16:1)
—  Dormiu com uma mulher endemoninhada. (Juízes 16:17-21).
 
Assim, o azeite foi vazando, pois o vaso forte estava rachando. Sansão abriu uma brecha de sono. Enquanto tosquenejava, pensava que ainda estava cheio (Juízes 16:20). Como resultado, perdeu sua força, a visão, virou motivo de risadas e finalmente morreu. (Juízes 16:21-30)
 
São várias as vezes em que a Bíblia nos desperta para sairmos da sonolência (Isaías 52:1 e Efésios 5:14), procurando impedir que a brecha do sono não nos assole. No caso do jovem Êutico (Atos 20:9), esse rapaz abriu essa tal brecha do sono na sua vida. Ele estava sentado na janela, não estando nem dentro e nem fora do templo, viajando entre um pensamento e outro. Trazendo para o nosso tempo, seria o caso daqueles que não sabem se ficam no mundo ou se vêm para a igreja.
 
Observe que Êutivo não devia estar prestando muita atenção à Palavra que o apóstolo Paulo estava pregando. Muitos não ouvem a Palavra e acabam caindo e morrendo. No caso de Êutico, ele obteve a graça de reviver pelo poder de Deus. Muitos têm essa chance e não querem.
 
 
BRECHA NO FALAR
 
 
A Bíblia diz que nosso falar deve ser sim, sim ou não, não (Mateus 5.37). Também diz que devemos ser tardios no falar (Tiago 1.19), pois a língua pode incendiar uma floresta (Tiago 3.5).  Uma palavra fora do sim e do não do Senhor pode abrir a tal brecha no nosso vaso, pois a boca fala daquilo que o coração está cheio (Mateus 15.18). Quando tomamos o hábito de falar palavras torpes (Efésio 4.29), é porque o azeite já vazou de nós há muito tempo.
 
O apóstolo Pedro era um homem cheio de defeitos, porém em certo momento da sua vida conseguiu encher-se de azeite, quando declarou para Jesus: “Tu és o Messias.”  Prontamente Jesus lhe respondeu: “Foi o Pai que te revelou isso.”  Mas, como ele em seguida voltou a errar, Jesus repreendeu nele um demônio. 
 
 
VASO ESCOLHIDO 
 
 
Para ser um vaso escolhido, não basta somente ter-se uma chamada, pois como diz a Palavra, muitos serão chamados, mas poucos os escolhidos (Mateus 22.14).
 
É necessário pagar o preço para obter o azeite. Na passagem das dez virgens, por exemplo, cinco delas não quiseram pagar o preço de ir comprá-lo e, ao invés disso, ficaram contando com o azeite das outras (Mateus 25.1-13). Isso é igual ao crente que não lê a bíblia, não ora e só vive correndo atrás de “revelamentos e visagens”. 
 
Ao analisarmos a vida de Paulo, que era um vaso escolhido (Atos 9.15), encontramos o exemplo de alguém que soube pagar pelo preço do azeite. Veja o resultado: até em seus lenços e aventais tinha azeite (Atos 19.12).
 
Podemos citar três tipos de vasos, cada um com sua característica própria de uso:
 
Vaso de flores: Belo exteriormente, porém, no seu interior, só tem barro e raiz. Seria o crente que exteriormente é uma benção, mas no seu interior tem o barro que enterra a morte espiritual e a raiz da amargura e do rancor.
 
Vaso Sanitário: Pode-se lavá-lo, colocar produtos de cheiro agradável, porém o seu propósito é somente receber em seu interior as piores coisas. Seria o caso do crente que por mais que lave o seu interior com palavras bonitas, só quer receber pecado.
 
Vaso de azeite: Este vaso é de aparência simples e o seu forte está no conteúdo que armazena (o azeite). Seria o crente que embora pouco valorizado pelos outros, está sempre cheio do Espírito Santo.
 
 
VASO ENGANADO
 
 
Em Mateus 7:21-23, encontramos um povo que é pentecostal, expulsa demônios, mas vive na iniquidade. Houve um jovem que semelhante a eles estava assim (Marcos 10.21), que era rico e cumpria os mandamentos, mas não amava o seu próximo; amava mais a riqueza e a glória deste mundo.
 
Porém, está escrito que “Quem ama a sua vida, perde-la-á, e quem, neste mundo. aborrece a sua vida, guarda-la-á para a vida eterna. (João 12:25)
 
Que sejamos vasos de honra para guardar o azeite precioso que recebemos!  (II Timóteo 2:21 e Apocalipse 3:11)
 
 
BRECHA DA IRA
 
 
Ira é desejo de vingança, e o pecado está perto dela, pois está escrito: "Irai-vos e não pequeis; não se ponha o sol sobre a vossa ira. Não dês lugar ao diabo" (Efésios 4:26,27).
 
Em Números 20:7-13 vemos como Moisés perdeu seu controle emocional ao irar-se. Como conclusão, não lhe foi permitido entrar na Terra Prometida. (Deuteronômio 34:4)
 
 
CONCLUSÃO
 
 
Em Eclesiastes 9:8 está escrito: “Em todo tempo sejam alvas as tuas vestes, e nunca falte óleo sobre a tua cabeça.”  
 
Concluímos que se resistirmos ao pecado (que mancha nossa roupa) e nos purificarmos no sangue de Jesus (Apocalipse 22:14), o azeite nunca vai vazar, não acontecerá brecha no nosso coração e seremos cheios do Espírito Santo. 
 
“E foram cheios do Espírito Santo.” (Atos 2:4)
 

AUTOR
Pr. Tales Teodoro Garcia
Assembleia de Deus de Campinas
 

 

Por: Pr. Tales Teodoro Garcia

Publicado em 17/07/2018

Procedência - Rede Social

Todos os direitos reservados ©elevados.com.br 2013 - 2018