Uma palavra às noras

 UMA PALAVRA ÀS NORAS

 

  Depois de refletirmos um pouco sobre como as sogras deveriam cumprir o chamado de Deus em suas vidas, está na hora de falarmos um pouco sobre como as noras podem ser agentes santificadores nos relacionamentos familiares. Você, jovem nora, está disposta a ser bênção na vida de sua sogra? Está disposta a romper com este preconceito que existe em torno desta relação e ser diferente? 

Talvez algumas sugestões te ajudem a caminhar nesta direção. Podemos começar reconhecendo que, talvez, a sua sogra não seja nenhum modelo de santidade. Na verdade, ela pode até te causar problemas. Quem sabe até, ela seja o problema principal do seu casamento. Talvez sua sogra seja mestre em jogar seu marido contra você. Não interessa muito o patamar de problemas que este relacionamento já atingiu, o que importa é a sua atitude em relação a isso. Como você tem reagido é a questão. Como seu coração está diante de Deus, não importando o tipo de sogra que você tenha, é a pergunta que desejo te fazer.

A Palavra de Deus nos ensina que precisamos amar ao próximo como a nós mesmas. Como se já não fosse difícil o bastante, também somos convocadas a amar os nossos inimigos. Por isso, se seu relacionamento com sua sogra já atingiu este status, está na hora de rever o que a Palavra te ensina e mudar radicalmente em obediência ao seu Senhor. 

 

Ouvistes o que foi dito: Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo. Eu, porém, vos digo: Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem; para que vos torneis filhos do vosso Pai celeste […] (Mateus 5:44-45)

 

Se o seu relacionamento com sua sogra está um pouco arranhado, ou se vocês já se tornaram inimigas declaradas, não importa. O que importa é que você precisa redesenhar sua vida pelo padrão da Palavra. Gostaria, então, de analisar alguns pontos que merecem reflexão.

 

E SE SUA SOGRA NÃO QUISER SER SUA AMIGA?

 

Eu sei que este seria o melhor dos mundos: sogras e noras se amando, se encorajando, sendo amigas... Muitas mulheres sonham em ter sogras que sejam como uma segunda mãe, confidentes, que ajudem com as crianças e sejam alguém de irrestrita confiança, com quem se possa contar. Toda mulher gostaria que sua sogra fosse uma boa amiga. 

Mas existem casos em que isso nunca vai acontecer e você não pode ficar se lamentando eternamente por isso. Talvez você tenha que reconhecer que, no seu caso, isto não será possível. A boa notícia é que o mundo não vai acabar por causa disso. Não é exigido de você que seja a melhor amiga da sua sogra. Você precisa respeitá-la, amá-la, ajudá-la, mas daí a ser íntima, há uma grande diferença. 

Não há nada errado em manter um relacionamento não tão profundo com as pessoas de sua família. Por vezes vejo crentes se lamentando e dando murros em ponta de faca, forçando uma intimidade que não existe. Provérbios nos ensina que há amigos que são mais chegados que um irmão. 

Muitas vezes é impossível manter um relacionamento muito próximo com a família. Limite-se, então, a conviver o mínimo necessário, caso esta relação esteja trazendo prejuízo ao seu casamento. Alguns casais precisam deixar de ter tanta proximidade com pais que boicotam seus casamentos. Lembre-se: sua nova prioridade agora é sua família. Se você já tentou e não conseguiu ter um relacionamento mais próximo com sua sogra, faça de tudo para que esse relacionamento seja, pelo menos, pautado no respeito.

 

E SE SUA SOGRA FOR SUA IRMÃ EM CRISTO?

 

Neste caso as coisas podem ser mais fáceis. Apele para a Palavra de Deus, que deve ser o árbitro para toda e qualquer situação. Se não resolver, continue amando-a, pois vocês fazem parte do mesmo corpo.

 

 

HONRE A MULHER QUE CRIOU SEU MARIDO

 

Seja sua sogra do jeito que for, você tem a obrigação de amá-la, não apenas pelo fato de você ser filha de Deus, mas porque esta mulher amou e cuidou de seu marido até entregá-lo a você! Leve isso em consideração, e tenha mais paciência com ela quando se lembrar deste detalhe.

 

NÃO FALE MAL DE SUA SOGRA

 

Na verdade, nós não podemos falar mal de ninguém, especialmente de nossa sogra! Faça isso por amor ao seu marido e por respeito a ele.

Além de não falar mal da sua sogra para as outras pessoas, não fale mal dela para seu marido! Muitas mulheres, quando se sentem ofendidas por suas sogras, despejam toda a amargura gerada por esta situação no marido. Nunca faça isso! Por mais que ele saiba dos defeitos da mãe, e embora ele mesmo comente essas coisas com você, é diferente quando é você quem fala dela!  “Só quem pode falar mal da minha mãe sou eu!”  

Por isso, muito cuidado quando for falar da sogra para ele. Tenha muito tato, muita delicadeza e certifique-se sempre da intenção do seu coração. Você está apenas alertando-o, ou está se sentindo num jogo, onde quanto pior sua sogra for, melhor você será? Olhar bem para o nosso próprio coração e intenções, sempre nos ajudará a cuidar de nossa língua.

 

NÃO TENHA CIÚMES DE SUA SOGRA

 

Este é um sentimento pecaminoso e você deve tratá-lo como tal. Não se coloque numa disputa pelo amor de seu marido, pois ele pode amar as duas ao mesmo tempo, embora de forma diferente! Não se interponha entre eles, não desencoraje a amizade e não impeça o cuidado que ele tem, pois esse é um dever bíblico que ele deve aos pais. 

Ao contrário disso, mesmo que você tenha sido duramente ferida por sua sogra, e tenha sido obrigada pelas circunstâncias a não ter um relacionamento de amizade profunda, no dia em que ela precisar de sua ajuda, você deve correr em seu auxílio. Paulo nos ensina isso de forma muito clara no livro de  Romanos:

 

Não torneis a ninguém mal por mal; esforçai-vos por fazer o bem perante todos os homens; se possível, quanto depender de vós, tende paz com todos os homens; não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira; porque está escrito: A mim me pertence a vingança; eu é que retribuirei, diz o Senhor. Pelo contrário, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas vivas sobre a sua cabeça. Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem. (Romanos 12:17-21)

 

Esteja ciente das responsabilidades que seu marido tem como filho, no auxílio aos pais, não fazendo disso um cavalo de batalhas.

 

SE HOUVER CONFLITOS, DEIXE QUE ELE RESOLVA

 

Pode ser que vocês enfrentem situações difíceis, em que sua sogra não tenha noção do lugar que ela ocupa e do papel que deve exercer. Muitas vezes ela vai querer se meter na criação das crianças, vai tentar resolver a vida financeira de vocês ou vai ficar mandando indiretas e piadas sarcásticas. Não se exaspere, e não se apresse em colocar sua ira para fora. Sua ira não produz a justiça de Deus. Primeiro, trate do seu coração e depois converse com seu marido sobre que atitudes devem ser tomadas pela família, para que o problema seja sanado, ou, pelo menos, minimizado.

Outro conselho precioso seria que você não tente resolver este tipo de problema pessoalmente, sozinha. Deixe que seu marido lide com essas situações. A mãe é dele, e por isso, fica muito mais fácil que ele resolva essas pendengas! Já ouviu aquele ditado: “Eles que são brancos, que se entendam”?  

 

SOFRA COMO UMA MULHER JUSTA

 

Se este relacionamento vem causado dor e sofrimento, que não seja por sua culpa, pois a Bíblia ensina que “No que depender de vós, tende paz com todos os homens”. Faça tudo que estiver ao seu alcance para promover a paz. A Palavra de Deus nos ensina que, se tivermos que sofrer, que seja por praticar o que é bom, e que isso é grato diante de Deus. Veja o que Pedro nos ensina: 

 

Ora, quem é que vos há de maltratar, se fordes zelosos do que é bom? Mas, ainda que venhais a sofrer por causa da justiça, bem-aventurados sois. Não vos amedronteis, portanto, com as suas ameaças, nem fiqueis alarmados; antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração, estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós, fazendo-o, todavia, com mansidão e temor, com boa consciência, de modo que, naquilo em que falam contra vós outros, fiquem envergonhados os que difamam o vosso bom procedimento em Cristo, porque, se for da vontade de Deus, é melhor que sofrais por praticardes o que é bom do que praticando o mal.”  (I Pedro 3:13-17)

 

Portanto, querida irmã, se sua sogra tem pecado contra você, não se sinta no direito de revidar. Também não seja você a razão das contendas. Se estiver sofrendo, que seja sem “culpa no cartório”, que seja injustamente. Certifique-se de que você está limpa diante de Deus.

 

BUSQUE CONSELHOS

 

Este é um meio de os filhos de Deus se abençoarem mutuamente! A Bíblia nos exorta a que nos aconselhemos e encontremos uns nos outros apoio e ensino. “Habite, ricamente, em vós a palavra de Cristo; instruí-vos e aconselhai-vos mutuamente em toda a sabedoria…” (Colossenses 3:16) Se você tem tido problemas nesta área de sua vida, procure uma irmã mais experiente da igreja, converse com ela, ouça seus conselhos e certifique-se que você tem agido piedosamente para com sua sogra. Se for necessário, procure seu pastor.

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

Não se esqueça que, no tocante a relacionamentos entre duas pessoas, você só pode cuidar das suas atitudes! Não espere que sua sogra mude para que você mude também. Este pode ser um processo unilateral e Deus quer mudar o seu coração, as suas atitudes.

Considere seriamente a possibilidade de Deus estar tratando com você especificamente, usando os conflitos com sua sogra para um fim proveitoso. 

Quero terminar este texto, compartilhando com você, que tem sofrido com essas questões familiares, um trecho das Institutas de João Calvino, onde ele trata sobre os benefícios do sofrimento em nossas vidas:

[…]  como somos por demais inclinados por natureza a nos exaltar e a atribuir tudo a nós mesmos, se a nossa fraqueza não for demonstrada de maneira patente, depressa avaliaremos exageradamente o nosso poder e virtude e não duvidaremos de que vamos permanecer invencíveis frente a todas as dificuldades que se nos anteponham. Daí sucede de nos elevamos firmados numa vã e estulta confiança na carne, o que a seguir nos incita a orgulhar-nos contra Deus, como se a nossa capacidade fosse suficiente para nós, sem a graça. Não há melhor meio pelo qual Ele põe abaixo a nossa arrogância do que mostrar-nos experimentalmente como somos fracos e frágeis. Por isso ele nos aflige, quer nos ocasionando afrontas vergonhosas, quer pela pobreza, ou doença, ou perda de parentes, quer por outras calamidades, de tal modo que logo sucumbimos, visto que não temos forças para resistir. Então, humilhados e agora humildes, aprendemos a implorar seu poder, a única forma que nos habilita a subsistir e manter-nos firmes sob o peso desses tão pesados fardos. Temos ai, pois, a maneira pela qual os santos são advertidos de sua fraqueza por tais provações, para que aprendam a humilhar-se e despojar-se de toda confiança na carne e se rendam totalmente à graça de Deus. Então, havendo-se rendido, sentem a presença do poder de Deus, no qual encontram satisfatório refúgio e fortaleza […]  (Pág. 198 e 199)

[...] Certo é que convinha que a generosidade de Deus nos levasse a considerar e a amar sua bondade. Mas, visto que a nossa ingratidão é tão grande que, ao sermos beneficiados pela indulgência de Deus, somos mais corrompidos do que estimulados à pratica do bem, é mais que necessário que ele nos freie com rédeas firmes e sempre nos mantenha sob algum tipo de disciplina para que não deixemos extravasar a nossa petulância. Por essa causa, para que não fiquemos orgulhosos por uma grande abundancia de bens, para que as honras não nos tornem arrogantes, e para que os ornamentos do corpo e da alma não gerem em nós alguma forma de atrevimento insolente, o Senhor intervém e impõe ordem, refreando e dominando, com o remédio da cruz, a loucura da nossa carne. E isso ocorre de diversas maneiras conforme Deus considere benéfico e salutar em cada caso. (As Institutas da Religião Cristã, Vol. 4 – João Calvino, pág. 202 e 203)

 

AUTORA

 Simone Quaresma (2013)

PEQUENA BIOGRAFIA

Simone Quaresma é casada há 23 anos com o Rev. Orebe Quaresma, pastor da Igreja Presbiteriana de Icaraí e da Congregação Presbiteriana de Ponta da Areia em Niterói, Rio de Janeiro. Professora de educação infantil, deixou a profissão para ser mãe em tempo integral de quatro preciosidades: Lucas (21 anos), Israel (19 anos), Davi (17 anos) e Júlia (15 anos). Ela mantém o blog “Se Eu Gostasse de Ler…” de leituras diárias para os jovens da Congregação pastoreada por meu marido; é professora da classe de jovens e trabalha com a SAF da Igreja onde ele é pastor auxiliar.

 

Por: Simone Quaresma

Publicado em 21/07/2019

Procedência - Rede Social

Todos os direitos reservados ©elevados.com.br 2013 - 2019