Ocultismo da Mídia Moderna

OCULTISMO
NA MÍDIA MODERNA

 


Existem dezenas de práticas e fenômenos ocultistas em nossos dias. Espiritismo, (mediunidade, clarividência, clariaudiência, operações psíquicas), Satanismo (magia branca e magia negra, pactos satânicos), Adivinhação (significando que a informação recebida provém de deuses) e as Práticas ocultistas (cartomancia, quiromancia, pêndulos, mandala, hidroscopia, búzios, tarô, runas, numerologia, bolas de cristal, etc.). Também aparecem os Poderes Extra-Sensoriais (premonição, psicometria, telepatia, levitação); muitos casos de Medicina Holística (terapia com Florais, aromaterapia, cromoterapia, Reiki, Controle mental, fitoterapia, ioga, cristalterapia, meditação transcendental), Talismãs (magia de encantamento), Amuletos (anéis, figas, patuás, trevo de quatro folhas), além das crenças em ufologia, gnomos, duendes, xamanismo, anjos cabalísticos, fantasmas, benzimentos, etc.

Uma prática de ocultismo que costuma vir de encontro aos interesse dos jovens e adolescentes são as telas de cinema e também o tipo de música chamada “metaleira” ou de “Black Metal”, etc., pertencentes aos estilos pesados de rock’n roll.

 


1. CINEMA E OCULTISMO

 


Uma série de filmes começaram a ser lançados nas décadas de 60 e 70 do século passado incluindo efeitos extraordinários que atingem a mente dos expectadores, sugerindo-lhes sensações que uma visão pura e simples não causariam. Para cooperar com o sucesso desses efeitos, os temas abordados passaram a ser recheados de cenas fortes, picantes, macabras, formando uma salada bastante interessante.

Veremos, a seguir, alguns dos lançamentos mais conhecidos dessa época:

 

1.1  O Exorcista

 

O primeiro filme que comentaremos é “O exorcista”, cuja produção foi apimentada com muito satanismo e efeitos sonoros subliminares, segundo Fridkin, o responsável. Vamos relacionar alguns desses efeitos sincronizados na mixagem do filme:

a) Abelhas furiosas:  O som do enxame de abelhas utilizou 16 frequências diferentes, sendo que o nosso consciente só consegue ouvi-lo como se fosse um único som. A condensação desse som, em ondas crescentes, provoca pavor, vontade de fugir, medo de sentir dores, esconder-se, entre outras sensações.

b)    Porcos degolados: O som dos gritos desses porcos fez com que a menina Regan fosse possuída por um demônio, e sua fisionomia fosse se assemelhando cada vez mais com a figura de um porco. Subliminarmente podia-se ouvir, nos fundo, esses gritos angustiantes.

c) Gemidos de orgasmo: Gemidos de um casal transando foram inseridos como fundo sonoro no momento em que acontecia o exorcismo, cena onde só apareciam a moça e o padre no ambiente.

d)  Som no silêncio:  Até nas pausas silenciosas do filme produziram um silêncio eletrônico, efeito composto por uma inaudível baixa frequência, uma espécie de zumbido. Esses “silêncios” oscilavam seu volume para cima e para baixo, sempre com o propósito de produzir tensão emocional.

e)  Dublagem: A voz de Regan foi cuidadosamente sintetizada e mixada até o momento em que foi dublada por Mercedes McCambridge, uma atriz possuidora de voz profunda e sensual.

O filme “O exorcista” foi produzido em 1976, sendo que atualmente, tais tecnologias sofisticaram-se demais, sendo chamadas de “engenharia de emoções”, um ramo de atividade que objetiva alterar involuntariamente o comportamento, logicamente sem a consciência dos receptores, do público que é manipulado subliminarmente por sons e cores.

 

Além do “exorcista”, existe um grande número de outros filmes diabólicos, como “O bebê de Rosemary” (1968) e “O profeta” (1976), que estão entre os mais assustadores já realizados nesse tipo de produção cinematográfica, produção que foi acelerada com a chegada do ano 2000, com outros filmes sobre o tema Apocalipse. Vejamos:

 

1.2  O advogado do diabo

 

Escrito por Jonathan Lenkin (1996), esse filme trata de um advogado de prestígio e sem escrúpulos, interpretado por Kenu Reeves. Esse advogado, que nunca havia perdido um caso, foi contratado pelo maior escritório de advogados do mundo, com sede em New York para defender algo inescrupuloso.

 

1.3  Fim dos dias(1999) e Dominação (2000)

 


“Fim dos dias” foi estrelado por Arnold Schwarzenegger, mostrando o Maligno planejando o seu retorno num estilo espantoso.

Já o filme “Dominação” mostra Winoma Ryder como um dos membros de uma equipe de exorcistas da Igreja Católica Romana, descobrindo que o anticristo estava para ser revelado a qualquer momento.


 

1.4  Spawn, o soldado do inferno (1997) e Endiabrado (2001)

 

Esses dois filmes representam Deus e o Mal em termos dualistas próximos ao zoroastrismo, quando dois poderes quase idênticos se digladiam, assim como Yin e Yang, e o resultado disso ainda é uma incógnita. Satanás é visto como o supervisor do inferno, cujo poder lhe permite punir as pessoas com as chamas.

O que falta nessa batalha de forças espirituais é a presença da revelação bíblica de que Satanás não exerce poder no inferno e que não cabe a ele punir as pessoas. Precisa-se lembrar também que Deus está no controle de tudo e de todos, e por isso punirá Satanás e o próprio inferno (Ap 20:10,15)

 

1.5  Hellraiser, o renascido do inferno (1986)

 

A produção desse filme usa o inferno como desculpa para explorar imagens violentas e malignas, ao invés de mostrar o alerta moral.

 

 

2. MÚSICA SATANISTA

 


De acordo com Carl Rasheke, diretor do Instituto de Humanidade da Universidade de Denver, Estados Unidos, o estilo de rock’n roll chamado Black Metal representa para o satanismo o que a música gospel representa para o cristianismo (2 Pe 2:12-14).


2.1  Slayer


Uma das canções de Slayer, chamada “Altar e Sacrifício”, diz que devemos aprender as palavras sagradas de louvor a Satanás. Esse grupo satanista possui como logotipo o pentagrama e os álbuns “Show no Mercy” (Não mostre misericórdia), “Hell Awaits” (O inferno espera) incluem demônios assombrando igrejas, e sexo com cadáveres (Ef 5:12).

 

2.2  King Diamond

 


King Diamond. Num de seus shows, já ungiu o público com sangue humano e encheu um boneco com entranhas de porco e o sacrifica em público. Nega a Cristo e afirma crer em Satã. No álbum “Them” (Eles), que mostra seu modo de pensar, Diamond fala da avó demente, atormentada por demônios. Fala também que matou de forma sangrenta a mãe de Diamond e a irmã dele, chamada Missey. Ela tenta matar Diamond, mas ele, cheio de outros demônios, mata a avó antes de ser morto. Que tipo de música “agradável” para ser ouvida!  (Fl 3:19)

 

2.3  Led Zappelin

 


Jime Page, o guitarrista deste grupo já extinto reverenciava o satanista Aleister Crowley, chegando a comprar a antiga mansão dele, onde passaram a ser realizadas cerimônias sacrificiais.

 

2.4  Ozzy Osbourne

 


Este satanista coloca cruzes invertidas nas capas de alguns de seus álbuns e fala abertamente de demônios na música “The Devil’s daughters” (As filhas do diabo). Apesar de negar, uma vez Ozzy quis construir uma catedral negra em seu quintal, para desenvolver um novo tipo de louvor.

 

2.5  Venon 

 


Este grupo satanista de Black Metal, chamado “Veneno”, canta assim numa de suas canções: “Exigimos a morte de seu Deus / Cuspimos na virgem que você adora, / nos assentamos à esquerda do Senhor Satanás.”  Em outra música, intitulada “Possuído”, eles declaram: “Saúdo Satanás como meu senhor encarnado! / Louvado seja meu maligno anfitrião!”


 


3. SATANISMO CAMUFLADO

 


Existem outros grupos que transmitem mensagens de idolatria ocultista (axé), imoralidades e misticismo através das suas músicas, apesar da forma camuflada (2 Pe 2:12-14; Pv 21:17; Is 22:13; 1 Tm 5:6).

 

3.1 Pactos com o Inimigo

 


Robert Johnson foi um artista de Blues na década de 1930, homem de carreira muito influente, apesar de curta. Gravou pouco mais de 20 músicas antes de ser morto por um marido ciumento, mas influenciou todo o Blues e Rock’n roll que se fez desde sua época.
Johnson nunca escondeu ter feito um pacto com demônios. Sua história estilizada é abordada no filme “Crossroads” (A encruzilhada).


 

 

3.2  Músicas com mensagens subliminares

 


Segundo pesquisadores como João Paulo Andrade, esse tipo de músicas são chamadas de “backwards messages” ou mais simplesmente de “backmaskings”, possuindo na sua produção mensagens gravadas inversamente, ou seja, que só podem ser ouvidas quando tocadas ao contrário do som original.

Em meados da década de 1970 tornou-se relativamente comum o uso da inversão sonora como mais um truque de estúdio. Pessoas que não gostavam dos Beatles afirmam que essa banda foi a precursora em gravar instrumentos e vozes ao inverso, com o objetivo de gerar novos efeitos sonoros.

Posteriormente, o truque também teria sido aproveitado por dezenas de bandas famosas como Pink Floyd, Prince, Iron Maiden, etc. Aleister Crowley, o famoso bruxo inglês do século XIX já recomendava no seu tempo que seus aprendizes tentassem pensar e falar na forma inversa. Por sinal, existem registros de que na Idade Média uma das maneiras de se reconhecer feiticeiras era pela capacidade de elas amaldiçoarem de trás para a frente (1 Ts 5:22).


 

 

3.3 Satanismo subliminar

 


Uma das bandas mais acusadas de satanismo de todos os tempos foi o Led Zappelin, e é no seu disco, na música “Stairway to Heaven” que se dizem ouvir a maior quantidade de mensagens de louvor maligno. Nessa música, o trecho “Your stairway lies on the whispering Wind” ouvido ao inverso faz surgir a mensagem “I will sing because I live with Satan” (Eu vou cantar porque vivo com Satã).


É... Tome muito cuidado com o que você anda ouvindo por aí! (Fl 4:8; 1 Ts5:22)


AUTOR DA PESQUISA

Walmir Damiani Corrêa
www.elevados.com.com

 

LIVROS PESQUISADOS


CAVALCANTE, Flávio. Propaganda Subliminar Multimídia. São Paulo/SP: Summus Editora, 1992.

GODAWA, Brian. Cinema e Fé Cristã. Belo Horizonte/MG: Ultimato, 2004.

MELLO, Edino. A Bíblia: Religiões, Seitas e heresias. Vol. IV. Campinas/SP. Editora Transcultural.

OLIVEIRA, Raimundo F. de. Seitas e Heresias. Rio de Janeiro/RJ: CPAD, 2001.
 

Por: Walmir Damiani Corrêa

Publicado em 28/10/2019

Procedência - Rede Social

Todos os direitos reservados ©elevados.com.br 2013 - 2019