Psicografia: os escrevedores do Além

 PSICOGRAFIA

OS ESCREVEDORES DO ALÉM
 
 
 

 
INTRODUÇÃO
 
 
 
Psicografia, segundo o vocabulário espírita, é a capacidade atribuída a certos médiuns de escrever mensagens ditadas por “espíritos”. Objeto de estudo da pseudociência da Parapsicologia, o consenso científico atual não suporta as alegações deste e de outros supostos fenômenos paranormais.
 
A psicografia é a técnica utilizada pelos médiuns para que estes escrevam um texto sob a influência de um espírito desencarnado, utilizando para isso sua própria mão, o que deu origem à "psicografia direta" ou "psicografia manual". Para os espíritas, de todas as formas de comunicação, a escrita manual é a mais simples e a mais completa porque permite estabelecer relações permanentes e regulares com os espíritos.
 
 
 
MÉDIUNS PSICÓGRAFOS
 
 
 
Ao pesquisarem sobre algumas práticas espíritas, algumas pessoas normalmente querem saber como os espíritas explicam alguns médiuns operarem com psicografia e outros não. Uma publicação espírita que abrimos explica que não há nenhum meio de diagnosticar a faculdade mediúnica, a não ser através do treino e, por isso a melhor maneira de se saber se uma pessoa tem ou não capacidade para escrever sob a influência dos espíritos é submetê-la à experiência.
 
Segundo, ainda, certas publicações do ramo, quando alguém escreve um texto psicografado sua mente consciente busca as ideias no inconsciente. Assim, garantem que o médium fica consciente o tempo inteiro.
 

TIPOS DE MÉDIUNS PSICÓGRAFOS
 
 
 
Segundo a doutrina espírita, estes são os quatro tipos de práticas psicográficas: 
 
 
a)  Mecânicos
 
 
Esse tipo se caracteriza pelo fato de movimentar a mão, escrevendo sob a influência direta do espírito, com uma impulsão completamente independente da sua vontade, que avança sem interrupção enquanto o espírito tiver alguma coisa a dizer. O médium fica totalmente passivo. O trabalho mais comentado no Brasil, foi o de Francisco Cândido Xavier, que atendia na cidade mineira de Uberaba. Ele era mais conhecido como “Chico Xavier”.
 

 b)  Intuitivos
 
 
O médium intuitivo age como um intérprete para transmitir o pensamento do espírito. Para que isso aconteça, o médium precisa conhecer, compreender o espírito, a fim de traduzi-lo fielmente. Assim, esse pensamento não é dele (do médium), pois simplesmente passa as ideias através do seu cérebro. É exatamente esse o papel do médium intuitivo: ser um instrumento.
 
 
c)  Semi-mecânicos 
 
 
O médium sente a mão impulsionada, sem que esta seja sua vontade, mas ao mesmo tempo tem consciência do que está escrevendo, à medida que as palavras vão sendo grafadas. O pensamento aparece antes ou após a escrita, podendo também ocorrer ao mesmo tempo. Esses médiuns são os mais numerosos e comuns.
 
 
d)  Inspirados
 
 
É o tipo de médium que recebe mensagens em estado de êxtase, comunicações mentais estranhas às suas ideias. O que mais os caracteriza é, sobretudo, a espontaneidade e o caráter rico de informações, que acontecem como uma sinfonia, um livro, tornando-se desnecessário que o médium seja um músico ou um escritor, na sua vida normal.
 
 

A BUSCA PELOS MÉDIUNS PSICÓGRAFOS
 
 
 
As pessoas que mais procuram por esses locais espiritualizados são aquelas que nunca tiveram uma vivência cristã verdadeira, aquelas que desconhecem as doutrinas bíblicas, que não sabem o que é permitido e o que é condenado por Deus.  
 
Nos momentos de decepções, de dissabores, é normal que essas pessoas procurem pelos segmentos espirituais mais atraentes, aqueles que aparentemente “resolvem” o problema, amenizam as dores, etc. Os “escrevedores do além” trazem mensagens que normalmente satisfazem com rapidez. 
 
Vamos ser um pouco mais concretos. Imagine as pessoas se sentindo fragilizadas por acontecimentos inesperados na sua vida, acontecimentos que não permitem um entendimento, que não dão tempo para se entender ou aceitar. Estamos falando de morte de um filho (acidente automobilístico), fato que não permitiu uma preparação, uma despedida, descobrir o motivo...  Imagine um parente próximo tirar sua vida por enforcamento, sem deixar qualquer explicação aos familiares; uma mulher que trai o marido e abandona a casa, fugindo com outra pessoa. Tudo sem motivo aparente.
 
A verdade é que o Espiritismo promete a essas pessoas fragilizadas um contato com o seu ente querido, através declarações entrecortadas, recados escritos, entre outras coisas. A tendência das pessoas “acreditarem” que estarão se comunicando com o seu filho, o seu pai, marido, etc., é enorme. A fé naquilo que estão procurando as faz acreditarem em tudo que acontecer nessas reuniões.
 
 
 
 
 
O QUE A DOUTRINA CRISTÃ PENSA DISSO
 
 
 
 
Vamos começar, afirmando que a Psicografia é um disfarce usado pelo diabo. O médium se transforma num boneco, nas garras do diabo, repetindo tudo o que o “seu mestre” mandar. O diabo manipula o médium como se fosse um ventríloquo.
 
Todo cristão sabe e, se não sabe deveria saber, que Satanás pode se apresentar como um anjo de luz  (2 Coríntios 11:13-15 e 11:3). Como ele anda em derredor, fica fácil para ele falar de coisas da intimidade da pessoa que morreu, quando ainda morava com seus familiares. 
 
Assim, imitar certos trejeitos dessa pessoa, enquanto falava, enquanto gesticulava, torna-se uma tarefa fácil. Não esqueça que Satanás é um ilusionista (1 Pedro 5:8).  Já tivemos contato com pessoas que passaram por essas sessões, e que o médium chegou a convencer aos presentes que ele estava “esverdeando” seus olhos para ficarem mais parecidos com os olhos da pessoa que morreu!
 
 
 
 
 
ALGUM EXEMPLO NA BÍBLIA?
 
 
 
 
Nós sugerimos uma leitura bíblica para aqueles que, lendo este artigo, ainda não acreditaram nas nossas palavras. Ele está localizado no capítulo 28 do primeiro livro de Samuel.
 
O rei Saul, após ter feito um monte de bobagens no seu reinado, apesar da sua vivência com o profeta Samuel, estava apavorado diante da iminente invasão dos exércitos filisteus. Ele não teria a menor chance de vencer os inimigos. 
 
Como o profeta Samuel já havia morrido e o rei não tinha mais a quem apelar, também pelo fato de viver afastado de Deus, ele resolve consultar uma necromante nas terras vizinhas. Não vamos dizer mais nada. Leia todo o capítulo 28 do Primeiro livro de Samuel e veja o que acontece com quem se desvia de Deus e procura solução em videntes, necromantes, adivinhos, etc. 
 
Só podemos dizer aqui, que o palco montado por Satanás para que o rei “acreditasse” em tudo o que acontecia ali, é exatamente o que acontece nos terreiros e centros espíritas espalhados por aí até os dias atuais: um verdadeiro circo. Tem de tudo ali, menos a presença de Deus.
 
 
 
CONCLUSÃO
 
 
 
Não podemos procurar consolo onde não existe. Só o Espírito Santo de Deus traz paz para as nossas vidas, conforto, consolo e disposição para o futuro. 
 
Os textos bíblicos funcionam como um verdadeiro bálsamo para os nossos sofrimentos. Experimente ler os salmos 23, 46 e 91, para não nos alongarmos muito. Ali aprendemos o que Deus faz com aqueles que O buscam.
 
Para encerar, ilustramos alguns casos de mortes bruscas recentes acontecidas no nosso país, onde o Espiritismo apressou-se em providenciar “contatos” entre as vítimas e seus familiares. Conforme já mencionamos anteriormente, tais “contatos” são famosos pelo consolo que trazem às pessoas que sofrem a ausência dos seus entes queridos que lhes foram arrancado abruptamente.
 
        

FONTES PESQUISADAS
 
 
 
FILHO, Caio Fábio D’Araújo. Espiritismo segundo o evangelho. São Paulo,SP:  Editora Abba Press
 
MILTON, S.V. Conhecendo o esoterismo e ocultismo. Curitiba,PR: Editora A.D.S., 2001
 
OLIVEIRA, Raimundo F. Seitas e heresias, um sinal dos tempos. Rio de Janeiro,RJ: Editora CPAD
 
 
 
 
AUTOR DA PESQUISA 
Walmir Damiani Corrêa
www.elevados.com.br
 

 

Por: Walmir Damiani Corrêa

Publicado em 18/03/2020

Procedência - Rede Social

Todos os direitos reservados ©elevados.com.br 2013 - 2020