Rosto de Seicho

 

ROSTO DE SEICHO

 

 


O Senhor Deus me deu a língua de erudito, para que eu saiba levar uma palavra ao que está cansado. Ele desperta-me todas as manhãs, desperta-me o ouvido para que eu o ouça como discípulo. E o Senhor Deus abriu-me os ouvidos e eu não fui rebelde, nem me retirei para trás. Ofereci as minhas costas para os que me feriam e a minha face para os que me arrancavam a barba. Não escondi meu rosto dos que me afrontavam e me cuspiam, pois o Senhor Deus me ajuda. Portanto, não me sinto confundido, por isso pus o meu rosto como seicho e sei que não serei envergonhado. (Isaías 50:4-7)

 

 

INTRODUÇÃO

 


Eu chamo a sua atenção para essa frase do verso 7, onde o profeta diz que colocou o seu rosto como um “seicho”.

Também chamo a sua atenção para o verso 4, onde temos duas figuras bem importantes para nossa reflexão nesta oportunidade. A primeira é aquela em que ele disse que Deus lhe havia dado língua de erudito, ou seja, dos instruídos, para que ele pudesse levar uma boa palavra para o cansado, uma palavra capaz de sustentar aquele que estivesse cansado. Numa segunda situação, o profeta testemunha que Deus o havia despertado em todas as manhãs, para que ele pudesse ouvir como aquele que quer aprender. Observe que esse “seicho” propõe essas três coisas que destacamos aqui nos versos 4 e 7.

O texto nos faz uma proposta de três realidades espirituais, na nossa vida. A primeira, é aquela em que Deus dá uma língua de instrução para os Seus filhos, uma espécie de erudição para aqueles que O buscam com sinceridade. A segunda situação é que Deus desperta os Seus filhos, como disse o profeta, referindo-se às manhãs e isso fala de uma constância, fala de um modo planejado, repetitivo e objetivo de Deus trabalhar na vida dos Seus filhos que pretendem uma vida de crescimento espiritual”.

Observe o seguinte: “Desperta-me todas as manhãs, desperta-me os ouvidos para que eu ouça como aqueles que querem aprender”, ou “Desperta-me o ouvido para que eu ouça como discípulo.” Aqui a gente começa a ver, irmãos, que o crescimento não acontece de forma aleatória. A nossa maturidade espiritual não se dá por osmose. O desenvolvimento da nossa espiritualidade obedece a critérios previamente estabelecidos pelo Senhor. Aqui, você pode observar que nós precisamos aprender a nos aproximar de Deus com o coração disposto a aprender, pois Deus quer que tenhamos ouvidos de discípulos, o que pressupõe uma organização que parta da nossa disciplina interior.

 

 

Como temos ensinado, não basta apenas ouvir a Palavra, pois nós precisamos, além de ouvir, compreender e conservar essa Palavra num coração honesto, como ensina Nosso Senhor Jesus Cristo, na parábola do semeador.

Veja que quando os três evangelistas registram o mesmo episódio, cada um deles usa uma palavra diferente que estabeleça uma progressão, no sentido de que a Palavra de Deus só vai fazer efeito e só vai frutificar, produzir nas nossas vidas, se nós conseguirmos passar dessa dimensão, desse patamar de simplesmente ouvir. Não basta só ouvir. Nós precisamos compreender o que nós ouvimos. Por outro lado, não basta apenas compreender, pois nós precisamos receber e crer naquilo que estamos ouvindo, e já compreendendo.

Lucas, explicando uma parábola, disse que a semente, que é a Palavra de Deus que cai em boa terra [o coração do homem] é uma semente que só vai frutificar se essa terra for fértil, ou seja, se esse coração for honesto, for sincero. Neste caso, o que está dizendo é que a palavra vai ser conservada nesse coração sincero. Como resultado essa semente da Palavra vai produzir a 100, a 60 e a 30 por um.

Então, eu queria como introdução colocar essa realidade diante de vocês. Diante da Palavra de Deus, num culto como estamos, na sua devocional, quando você lê as Escrituras, quando você está diante de alguém que está ensinando a Palavra, você precisa ter essa consciência de que não basta só ouvir, mas que precisa ter ouvido de discípulo, como diz o profeta Isaías, que testificou de que o Senhor o despertava a cada manhã e pedia que o Senhor despertasse o seu ouvido como aquele que deseja alinhamento das disposições em nosso íntimo diante da Palavra de Deus. É por isso que às vezes a gente escuta, escuta, escuta e não apresenta nenhum tipo de evolução. Parece que a gente está aprendendo, mas no sentido da realidade do dia a dia testemunhal, a gente vai ficar sempre devendo. É porque estamos ouvindo, mas não é com os ouvidos disciplinados de quem quer aprender.

Essas três propostas no texto de Isaías estão se colocando como a situação sine qua non, ou seja: se não tivermos bem claro isso dentro de nós, não teremos, consequentemente, a língua de erudito e rosto como de um “seicho”, porque essas outras duas realidades são decorrentes da primeira. Uma, é a causa, enquanto que as outras duas são consequências. Uma dessas realidades é a fonte, enquanto que as outras duas são resultados.

 

 

Isaías diz que o Senhor o está despertando todas as manhãs, como que trabalhando na vida dele durante uma vida inteira, tentando inculcar nele, produzir nele, estabelecer nele essa disposição interior que é mental, é emocional, e eminentemente espiritual, que venha através de motivações e de propósitos afirmados.

Deus nos desperta a cada manhã para produzir esse fruto maravilhoso, para que o nosso íntimo esteja totalmente controlado, projetado, motivado e determinado a ouvir e compreender, ouvir e receber, ouvir e conservar num coração honesto todo o ensino da Palavra de Deus.

Isso posto, estabelecido e cumprido, abre a porta para que as outras duas realidades aconteçam em nossas vidas, que é a língua do erudito e o rosto de seicho. Vamos aprender o que é isso, na prática do dia a dia.


A INSTRUÇÃO QUE VEM DO ALTO

 


A primeira coisa que me chama a atenção aqui é que o Senhor nos dá erudição não para que a gente a use como madeira para queimar na fogueira das vaidades humanas: porque eu sei, porque eu entendo, porque eu estudei, porque Deus me deu inteligência, porque eu domino, porque eu conheço... E aí o homem se locupleta e usa sua sabedoria adquirida, sua erudição recebida, seu conhecimento armazenado como madeira para queimar na fogueira da sua vaidade pessoal.

O texto de Isaías passa longe disso. Deus não vai nos abençoar se tivermos tais propósitos como alvo, pois ninguém duvida que toda sabedoria só pode vir do alto.

No primeiro capítulo de sua carta, Tiago diz o seguinte: Se alguém tem falta de sabedoria peça a Deus, que a todos dá liberalmente e não lança ao rosto o fato de ter dado. Porém, esse tal homem terá que ser constante, perseverante e não tenha atitude dúbia e vacilante como as ondas do mar que são agitadas de um lado para outro pelo vento, que uma hora estão calmas e em outras horas estão encapeladas. Tiago diz que a nossa postura tem que ser constante, permanente, persistente e perseverante, entendendo como Deus age e o que Ele pretende das nossas vidas.

Segundo o texto de Isaías que estamos estudando, essa promessa de Deus é para todos os Seus filhos, e não apenas para o profeta. É para todos aqueles que querem aprender do Senhor, e é por isso que Tiago aconselha a todos que peçam a Deus, quando se sentirem sem sabedoria, pedindo com fé e em nada duvidando, pois se assim agirem estarão sendo comparados com as onda do mar, que são levadas para lá e para cá, pela força do vento.

 

 

É uma promessa para os filhos de Deus, embora, em contrapartida, estejamos condicionados a essa atitude interior, essa disposição do coração, lembrando que o Senhor vem em todas as manhãs. É um processo. Assim, nosso ouvido precisa estar atento a tudo o que ouvir, para poder entender. Temos que manifestar fome e sede do conhecimento de Deus, das coisas profundas de Deus, da mesma forma como Paulo orou a Deus pelos efésios, para que o Espírito do Senhor iluminasse os olhos do entendimento de cada um de nós.

No primeiro capítulo da sua carta aos efésios, Paulo disse que por aquela causa ele estava se colocando de joelhos, pois eles pertenciam a uma Igreja abençoada, que ele ouvia falar do amor deles, e que tinham um potencial enorme. Foi por isso que o apóstolo se tornara intercessor deles, para que Deus os abençoasse com espírito de sabedoria e de revelação, tendo iluminado os olhos do seu entendimento, dando-lhes condições de compreender quais sejam a profundidade das revelações de Deus, que tenham a ver com a nossa herança, com a nossa vocação e com o escopo total da nossa vida espiritual. Ele quer nos revelar isso.

 

 

A CONTRAPARTIDA DE DEUS

 

 

Antes, porém, de recebermos essa erudição e sabedoria de Deus, torna-se necessário que saibamos aplicar os nossos corações sincera e honestamente para aprender como aquele que deseja aprender. A nossa oração deve ser aquela que pede ouvido de discípulo, motivação para aprender como aqueles que desejam verdadeiramente aprender.

Quando nos colocamos na presença do Senhor com essa postura, com essa fé, o Senhor começa a armazenar dentro de nós os Seus conceitos, as Suas percepções, Ele começa a produzir aberturas no nosso interior, a iluminar os olhos do nosso entendimento, a trazer toda a Sua riqueza mediante a Sua graça misericordiosa, porque o Senhor estará vendo que nós desejamos de coração.

É nesse momento que Deus vai nos dar a Sua instrução, que é para a vida, essa sabedoria divina que é de grande valor para esses dias que estamos vivendo, pois nós, a Igreja do Senhor, precisamos ser inteligentes, espiritualmente falando. A Igreja do Senhor vive atualmente esses momentos difíceis, extremamente difíceis, capciosos, pois este mundo está a cada dia mais rendido e vendido à corrupção.

O mundo atual está extremamente corrupto e corruptor, cheio de ciladas e ardis do Maligno, e é por isso que nós, os filhos de Deus, precisamos ser inteligentes, espiritualmente falando, ser sábios, ter a sabedoria de Deus para discernir, para compreender, para fazer as opções, boas escolhas, tomar as decisões corretas. Precisamos estar preparados para que não tenhamos que nos arrepender mais tarde das nossas inconsequências e ignorâncias.

Urge, mais do que em qualquer tempo da História, nestes nossos dias, que a Igreja cresça, que os filhos de Deus cresçam, que nós recebamos de Deus a Sua graça e a Sua sabedoria para que possamos enfrentar os desafios deste mundo tão mau, deste mundo que jaz no Maligno.

Uma vez possuidores dessa erudição espiritual, como consequência da nossa atitude de receber, que a gente possa entender que todo esse cabedal de conhecimento que Deus nos dá não é para a nossa vaidade pessoal. Há um objetivo em tudo o que Deus faz e dá, pois Ele é um Deus de propósito, um Deus sábio e inteligente, determinado, visionário, apaixonado por todas as pessoas, desejando que elas sejam alcançadas pela Sua graça, e de modo especial aqueles filhos treinados, que quando abrem a sua boca, possuem a sabedoria do céu para revelar. Ele deseja alcançar as pessoas deste mundo através dos Seus filhos que têm ouvidos de aprendiz, que têm ouvidos sinceros, daqueles que desejam aprender, que tenham ouvidos de discípulo, que sejam perseverantes e sabem que o Senhor vem em todas as manhãs. São esses que poderão levar uma palavra boa para os cansados.

Este é o propósito, o princípio de Deus. Esta é a ética de Deus, e não a nossa vaidade pessoal, a nossa utilidade nas Suas mãos. Ele não quer a nossa presunção, mas a nossa eficácia, uma vez colocados sob essa sabedoria de Deus, para poder levar uma boa palavra aos oprimidos, uma palavra que tenha capacidade de “sustentar o cansado”, como diz o texto.

Será que há coisa mais extraordinária do que essa, de você ser capaz de levar uma palavra de Deus, cujo teor, cujo conteúdo seja capaz de sustentar uma pessoa cansada, de levantar uma pessoa oprimida, de ajudar uma pessoa necessitada? Há coisa mais extraordinária do que essa, no abrir de nossos lábios a gente ser capaz de destilar a sabedoria do Alto, alcançando corações necessitados, e eles entendendo e compreendendo o sentido daquilo que estamos falando, pois previamente nós entendemos o chamado de Deus, quando nos colocamos diante d’Ele todos os dias? Afinal, todos os dias Ele veio até nós, nos despertando, e ao nosso ouvido, para que pudéssemos ouvi-Lo como aquele que deseja aprender.

É... Agora nós temos essa graça como resultado, podendo de maneira eficiente alcançar os necessitados para serem tremendamente ajudados pelo Senhor, e tudo isso através da nossa instrumentalidade.

Coloque isso no seu coração nesta oportunidade! Tome posse desta palavra no seu coração a partir de hoje! Creia ser esse instrumento que Deus quer usar, e você logrará esse objetivo, com certeza, em nome de Jesus!

 

 

ROSTO DE SEICHO

 


Finalmente, irmãos há outra produção que vem em decorrência do nosso aprendizado disciplinado de todos os dias. É que o Senhor nos dará um rosto de seicho. Foi essa palavra que chocou o meu coração na tarde de hoje, enquanto me preparava para trazer essa mensagem para vocês. Estou terminando uma semana muito cansativa, de mudança de domicílio, em meio a participações em seminários em outras cidades. Junto a tudo isso adquiri o vírus de uma gripe, uma cura prejudicada pela poeira das nossas atividades que mencionei.

Na manhã de hoje, tive muita dificuldade de dar aula, pois o excesso de tosse me impedia de falar como desejava. Chegando em casa, resolvi tomar um banho, me deitar e descansar um pouco, mas não consegui dormir. Foi quando comecei a orar por esta reunião que estamos tendo, e pedi que Deus me desse uma palavra para os nossos irmãos, quando senti que o Senhor atentou para a minha fragilidade, e ouvi dentro de mim exatamente essa expressão: “Rosto de Seicho”. 

“Rosto de Seicho”...  Foi quando eu disse: Meu Deus, o que é isso? Aí mesmo é que não consegui dormir, nem descansar. Fiquei me perguntando o que seria isso, e confesso que não me lembrava   desse versículo. Fui ao dicionário, pesquisei até mesmo no dicionário bíblico, pois Deus falou comigo e isso não deve ser uma expressão secular: “Rosto de Seicho”, “Rosto de Seicho”... E finalmente encontrei. Essa palavra passou a ser lembrada, e agora estou ministrando para vocês. Deus me deu entendimento a respeito da expressão “Rosto de Seicho”, a partir de como o seicho é formado.

Veja o que Deus faz! Primeiro Ele nos desperta para a percepção de que nós podemos crescer, que nós podemos receber de Deus as Suas riquezas, e que precisamos ter essa disposição interior, que é mental, emocional e espiritual e nos disciplinarmos para poder ouvir como quem deseja realmente aprender. Quando você já aprendeu, aí Ele dá a Sua sabedoria que agirá de maneira benéfica para nós mesmos, no sentido do nosso dia a dia, na nossa vida, nos ajudando a enfrentar as dificuldades, problemas, infortúnios, as tribulações e as provações desta vida.

Essa sabedoria vem dessa disciplina de realmente ouvir como quem deseja ouvir a Deus!  Isso vai trazer elementos, compreensões para a gente se adequar às dificuldades do nosso dia a dia, para que a gente desenvolva não só a sabedoria espiritual, mas também a tal qualidade de rosto do seicho.

Os seichos se formam pelos atritos das corredeiras dos rios. Você vai encontrar um seicho em qualquer corredeira ou riacho, segura-o nas suas mãos, e descobre a sua beleza. Ele foi burilado através dos anos, das décadas. O seicho não é uma pedra comum, tem uma forma arredondada, alguns se assemelhando a um ovo, outros parecem ser uma bola, mas todos são lisos, polidos, e garantimos que não foi nenhum artesão quem fez isso, pois trata-se de obra da natureza. Como já dissemos, sua bela aparência é resultado dos atritos com as corredeiras de água, e com um deles nas mãos a gente não imagina o caminho que esse seicho percorreu até chegar aqui.

Caso um dia você venha a encontrar um seicho por aí, lembre-se que você não é capaz de imaginar o caminho que esse seicho fez, os anos que se passaram para ele chegar a ser o que ele é, exibindo aquela formatação, aquela configuração, aquela textura, aquele brilho...  Antes, ele era apenas uma pedra comum, com todas as suas protuberâncias, sabe-se lá por quantos anos, décadas, séculos...

Veja bem que não estamos falando apenas de uma questão de anos, mas podem ser séculos, talvez milênios! Quem sabe já fazem milênios que eles foram jogados ali, nas correntezas dos riachos, dos rios, percorrendo um caminho longo, uma estrada quase sem fim. A gravidade os foi atraindo, as águas os carregando, eles foram se chocando nas encostas, nas pedras maiores... Ele foram se transformando numa figura muito mais bonita.

Daqui a pouco serão águas tranquilas, que mal têm força para empurrar esses seichos para o futuro. Às vezes chove, e às vezes acontecem enxurradas, quando as pedrinhas vão sendo atiradas umas contra as outras. Esse é o processo para que essas pedras ganhem essa configuração, essa textura, essa polidez, essa lisura.

Eu tenho em casa um seicho que certa vez encontrei num riacho perto do Rio Uruguai, no interior do Uruguai. Carrego ele comigo há uns 30 anos, e ele continua com a aparência de novo: branquinho, lisinho...

Deus esta tarde me confrontou apenas com essa expressão "Rosro de Secho", me dando entendimento de que minhas lutas obedecem a um plano divino, para desenvolver em nós essa textura, essa ousadia, essa coragem, essa valentia, essa determinação, essa fé, essa determinação de buscá-Lo, de servi-Lo custe o que custar. Não é por acaso que o rosto de seicho fala dessa configuração que os filhos de Deus ganham quando aprendem a se adequar a Deus, em meio às provações, sabendo que nada é aleatório, e que Deus não se esqueceu de Seus filhos.

Em Mateus 6:30 vemos Jesus nos ensinando a respeito dessas coisas: “Se Deus cuida da erva do campo que hoje existe e amanhã é pisada pelos homens e jogada fora, não vai cuidar de você, homem de pequena fé?”  As nossas contingências, as nossas circunstâncias estão debaixo da soberania do Deus Todo Poderoso, que não perdeu o controle da nossa existência. Ele é o Deus da tua vida!

Se Ele está permitindo isso, é para que você ganhe configuração, desenvolva maturidade, desenvolva valores, para que haja dentro de você geração de frutos maravilhosos que glorifiquem a Deus.

Por outro lado, irmãos, esse tal rosto de seicho tem outro viés, porque no contexto em que o profeta colocou aqui, ele disse: “Dei a minha face aos que me feriam, não fugi daqueles que me afligiam pelas costas”, então esse rosto de seicho aqui está neste contexto também, de você não se acovardar, não temer os inimigos, de enfrentar os desafios do seu dia a dia, de desenvolver textura emocional e espiritual, fibras de qualidade e fortaleza, não ter medo dos inimigos, não ter medo do diabo, nem dos demônios, nem dos homens, nem de nada e de ninguém!

Leia o contexto de Isaías 50 e você vai entender como há uma ligação estreita entre o rosto de seicho e essa situação da vida em que você tem que enfrentar a oposição. O rosto de seicho configura ausência de medo e covardia, muita fé e muita coragem n’Aquele que nos ensinou durante dias e anos a fio, despertando-nos a cada manhã para nos ensinar os Seus segredos e nos revelar a Sua riqueza e a Sua glória, de modo que cheguemos a esse ponto de enfrentarmos os desafios com coragem e galhardia. Sem fraquezas.

Essa configuração do seicho não é exclusiva para esse texto de Isaías que estamos refletindo neste momento, pois também pode ser citado em Jesus e também pode ser visto em Paulo. Faltaria tempo para ficar citando homens e mulheres de Deus, na Bíblia, pessoas que desenvolveram o “rosto de seicho”.

Como exemplo disso, vemos em Lucas 9:51 o Espírito Santo registrando que Jesus, num determinado momento, desenvolveu uma aparência de que estava determinado a ir para Jerusalém. Passam dois versículos daí e vemos que os discípulos não queriam mais continuar com Ele, porque Ele tinha o rosto de alguém que estava decidido a ir para Jerusalém. Vocês sabem o que esperava Jesus naquela cidade? A traição, o martírio, a cruz e a morte. A Bíblia, no entanto, registra que Seu rosto tinha a configuração determinada de quem está resolvido a não fugir da luta. Com certeza, Jesus estava ostentando um rosto de seicho. Ao contínuo, Jesus se dirigiu a Jerusalém. Louvado seja Deus!

Tem um outro texto no Evangelho que me ocorreu agora, em que o rei Herodes mandou mensageiros de maneira sutil e enganosa para controlar a vida de Jesus, fazendo-Lhe perguntas capciosas. Jesus, entendendo essas espertezas, e a sedução maquiavélica daquele homem chamado Herodes, disse para os emissários do rei o seguinte: “Ide e dizei àquela raposa que hoje eu prego o evangelho aos pobres, amanhã eu levantarei os paralíticos, no terceiro dia eu ressuscitarei mortos e depois Eu mesmo ressuscitarei.”  Não havia medo em Jesus, nem sombra de dúvidas. Mais uma vez, o que podia ser visto no rosto de Jesus era a imagem do seicho, da coragem e da determinação de quem tem confiança no Deus Altíssimo.

Indo até o capítulo 21 de Atos dos Apóstolos, veremos a mesma atitude de seicho que vimos em Jesus, mas agora no rosto de Paulo, quando os profetas o preveniram do que poderia sofrer se fosse a Jerusalém, aliás, a mesma cidade da história anterior de Jesus. Por sinal, é para essa mesma Jerusalém que muitos de nós iremos, onde Deus vai querer ver em nós essa coragem e ousadia. Eles diziam a Paulo: Vão te prender e vão te matar. Sabem o que ele lhes respondeu em Atos 21:13? “Eu não estou apenas disposto a sofrer por Jesus. Eu irei a Jerusalém porque em mim há disposição não apenas para sofrer por Ele, mas até em morrer por Ele.” Ato contínuo, ele se levantou a foi para Jerusalém.

 

 

CONCLUSÃO

 

 


Pois bem, irmãos, é para essa atitude que Deus nos chama. Você não precisa ter medo dos homens, da dor e do sofrimento.  Também não precisa ter medo do futuro ou das ameaças. Não tenha medo de nada, nem de ninguém. Antes, pelo contrário, tenha fé em Deus, confie no Senhor Jesus, sabendo que Ele não abandona nenhum dos Seus filhos, nenhum dos Seus amigos e nenhum dos Seus discípulos.

Que você seja, nesta oportunidade, esta pessoa a entender e receber a Palavra de Deus! Termino dizendo o mesmo que disse no início: Compreenda esta palavra, receba esta palavra e a conserve num coração honesto e bom. Esta Palavra de Deus é semente de vida, que quando cai na boa terra do seu coração produz na sua vida frutos a 100 por um, 60 por um e 30 por um, que haverão de modificar a sua vida. Isso irá restaurar suas emoções, haverá de transformar toda a sua existência e lhe colocar num outro patamar, a posição daqueles filhos de Deus que foram despertados no ouvido para serem discípulos do Senhor, que aprendem e que crescem e que manifestam sabedoria e a configuração do seicho na sua alma, no seu espírito e às vezes até no seu próprio rosto.


PREGADOR

Pr. Bartolomeu de Andrade
2 0 1 9

Por: Pr. Bartolomeu de Andrade

Publicado em 11/05/2020

Procedência - www.elevados.com.br

Todos os direitos reservados ©elevados.com.br 2013 - 2020