Glutonaria: o que é e como vencê-la

 GLUTONARIA

O QUE É E COMO VENCÊ-LA
 
 
 
 
 
INTRODUÇÃO
 
 
 
Quando se fala em glutonaria, logo lembramos daquela relação católico-romana sobre os Sete Pecados Capitais, especificamente quando se refere a um deles: a GULA.
 
Trata-se de uma atitude de descontrole ou vício pela comida, atitude que pode ser vencida pela fé em Jesus Cristo e pelo conhecimento da Palavra de Deus. O ato de comer descontroladamente é um pecado que deve ser confessado e deixado pelo cristão que toma consciência da sua condição.
 
Faça uma autoanálise e descubra se esse é um problema para você. Através deste estudo você compreenderá melhor esse vício para conseguir evitá-lo e vencê-lo, de uma vez por todas, através da Bíblia Sagrada.
 
 
 
1. QUANDO A ALIMENTAÇÃO SE TORNA UM PECADO
 
 
 
O ato de comer se torna em vício quando ultrapassa o limite da "normalidade", gerando um desejo exagerado pela comida. Os alimentos são bons e foram feitos por Deus para suprir às necessidades fundamentais do homem, mas quando fazemos da comida um tipo de prazer desmedido, ela se torna glutonaria
 
Veja a seguir algumas características típicas das formas de alimentação irregulares ou desregradas:
 
 
•  Comer mais que o necessário passa a ser uma rotina;
 
•  Servir-se avidamente, sempre antes dos outros;
 
•  Estar sempre  "beliscando" alguma coisa;
 
•  Comer escondido, talvez por sentimento de culpa;  
 
•  Não se lembrar que os outros também necessitam se alimentar;
 
•  Comer para "descarregar" a ansiedade do dia a dia;
 
•  Comer todo tipo de comidas finas, exóticas ou requintadas, só
    pelo prazer de ostentar tal hábito;
 
•  Fazer da comida uma prioridade para o seu dia.
 
 
 
 
Além dessas, há outras formas de refletir sobre a alimentação. Por exemplo, pense sinceramente se a comida tem se tornado um conforto diário para você. Vale lembrar que não é errado gostar de se alimentar nem querer comer boa comida. Deus nos criou com essa necessidade e nos deu o paladar para desfrutarmos dos diferentes sabores e alimentos que Ele fez. A alimentação é uma benção quando a fazemos para a glória de Deus. O problema é quando fazemos o MAL com o bem que Deus nos dá.
 
 
Assim, quer vocês comam, quer bebam, quer façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus. (1 Co 10:31)     
 
 
 
2. TENTANDO PREENCHER O VAZIO COM COMIDA
 
 
 
Sempre que não buscamos a satisfação plena em Deus, todos os outros recursos como comida, bebida, drogas, prazeres, dinheiro, sexo, etc., passam a governar o nosso modo de ser e agir. Eles tornam-se aliciantes, dando a falsa sensação de preenchimento. 
 
Esses pecados de estimação passam a controlar atitudes e comportamentos, sem que sejam notados. Disfarçados de coisas boas, ou assumindo o lugar daquele "agrado" merecido, eles passam a fazer parte das nossas vidas.
 
 
 
 
 
3. COMER DEMAIS... ISSO É UM PROBLEMA?
 
 
 
Sim, isso reforça uma tendência natural de extravasar, compensar-se e buscar preenchimento. Há pessoas que comem como se não houvesse um amanhã. Em encontros, jantares e confraternizações, muitos tratam com ar de brincadeira esse mau hábito, mas sempre um ou outro são destacados negativamente por comerem muito. Contudo, mais do que um problema de "bom senso" ou educação, muitos cristãos têm dado mal testemunho no modo com que se relacionam com a comida.
 
Infelizmente, para muitos não se trata de um excesso acidental, mas de um costume recorrente de comer com exagero. Podemos enumerar diversas causas para o crescimentos de "gulosos" no mundo todo. Nas últimas décadas vemos:
 
 
•  O crescimento dos meios de produção agrícolas e expansão da
    indústria alimentícia;
 
•  Propagandas de incentivo ao consumo de alimentos;
 
•  Uma maior facilidade e melhor acesso à comida.
 
 
Se por um lado, esses aspectos tem beneficiado a muitos (acesso por países mais pobres, p.ex.), por outro, tem sido um incentivo para que mais pessoas ingressem no exagero. Consequentemente, começamos a desenvolver uma relação nada sadia com a comida, fazendo dela o nosso meio de satisfação principal. Isso além de se tornar uma mania doentia (obesidade, doenças cardiovasculares, diabetes e outros) é também um modo de pecado.
 

 
 
 
4. GULA: UM PECADINHO DE ESTIMAÇÃO?
 
 
 
 
Se pudessem ser listados os pecados "preferidos" entre os cristãos, muito provavelmente a glutonaria seria um dos principais. Embora seja ignorado por muitos como pecado, devemos registrar que nenhum tipo de descontrole ou excesso agrada a Deus. Para muitos, a glutonaria é um "pecadinho" aceito, disfarçado e estimado diariamente.
 
Os alcoólatras ou dependentes químicos são claramente vistos como carentes da graça de Deus e necessitam ser libertos dos seus vícios. Mas, e o pecado da devoção à comida? Será que não necessita também ser eliminado?  Infelizmente, muitos escondem-no fielmente nos seus esconderijos, longe dos olhos dos outros, mas não dos de Deus.
 
Vícios "aceitáveis" como o da gula (até do café ou refrigerantes, p. ex.) entram de mansinho em nossa vida. Não nos importamos, pois são desejos pequenos e agradáveis, que vão se acomodando e estimulando a nossa rotina, tornando-se hábitos. Esses, porém, tornam-se vícios quando perdemos o controle e cometemos exageros constantemente.
 
 
 
 
5. GLUTONARIA, EGOÍSMO E IDOLATRIA:
    INGREDIENTES DE UM MESMO PRATO
 
 
 
 
O glutão, ou seja, aquele que comete a glutonaria, é uma pessoa que tem um ídolo pessoal: a comida. Ele pensa em si mesmo de forma egoísta e alimenta-se de forma extraordinária, não se importando com os problemas causados pelos seus excessos. Mais que problemas físicos e sociais, há um problema espiritual associado ao mau hábito da gula, que é o problema dos desejos carnais (Gálatas 5:19-21).
 
 
5.1 Deus x Ídolos do coração
 
 
A ambição, o egoísmo, a ganância e a libertinagem são males do coração e estão diretamente relacionados à glutonaria. Além desses, a idolatria é outro grave pecado também associado à gula. Isso se dá porque a comida passa a exercer tal controle, domínio e satisfação sobre o glutão, que ele passa a adorá-la, literalmente. Deus e a Sua Palavra passam a ficar em segundo plano.
 
Pode parecer exagero, mas a cobiça pelas coisas secundárias da vida cria um altar para pequenos ídolos em nossa vida. Esses prazeres tomam o primeiro lugar no dia, nos sonhos, no tempo, pensamentos, recursos, vontade, gratificação, enfim, em tudo.
 
Usando o exemplo do povo de Israel no deserto, o apóstolo Paulo alertou sobre o perigo da idolatria: 
 
 
Essas coisas ocorreram como exemplos para nós, para que não cobicemos coisas más, como eles fizeram. Não sejam idólatras, como alguns deles foram, conforme está escrito: "O povo se assentou para comer e beber, e levantou-se para se entregar à farra".  (1 Co 10:6-7)
 
O povo de Deus cometeu pecado de adorar outros deuses e entregou-se aos prazeres da carne (comida, bebida, sensualidade e prostituição) (Confira em Êx 32:6, Dt 9:16, Nm 25:1-2)
 
 
5.2 O seu deus é a barriga?
 
 
Se você pensa somente em si e no prazer que pode extrair das coisas deste mundo, incorrerá no risco de adotar um estilo de vida fútil e egoísta, onde o seu ego será o seu próprio deus.
 
Nós buscamos saciar a vontade do nosso "ídolo" interno quando:
 
 
•  contrariamos o equilíbrio e domínio próprio (Gl 5:22-23);
 
•  buscamos uma falsa sensação de segurança carnal (Lc 12:19);
 
•  o prazer mundano nos contenta e satisfaz (Isaías
 
 
Assim, passamos a viver como os inimigos de Cristo, olhando para o nosso próprio "umbigo". Paulo de novo nos alerta enfaticamente:
 
 
Pois, como já disse repetidas vezes, e agora repito com lágrimas, há muitos que vivem como inimigos da cruz de Cristo. O destino deles é a perdição, o seu deus é o estômago, e eles têm orgulho do que é vergonhoso; só pensam nas coisas terrenas.  (Fl 3:18-19)
 
 
 
6. A GLUTONARIA E A BÍBLIA
 
 
 
No Antigo e Novo Testamento vemos algumas histórias que envolvem a comida e algum tipo de problema.
 
 
6.1 Esaú 
 
 
O caso de Esaú e Jacó ilustram uma dessas situações. Esses irmãos gêmeos passaram por um drama familiar, envolvendo a fome e a vontade de comer. Por causa da ânsia pela comida, Esaú desprezou os benefícios da sua primogenitura (um direito familiar concedido aos primeiros filhos) inclusive a benção do legado deixado pelo pai. Jacó aproveitou a oportunidade e trocou isso tudo por um simples prato de lentilhas. O irmão esfomeado, vendeu o direito de filho mais velho por um mísero prato de comida.
 
 
Certa vez, quando Jacó preparava um ensopado, Esaú chegou faminto, voltando do campo, e pediu-lhe:  Dê-me um pouco desse ensopado vermelho! Estou faminto!  Por isso também foi chamado de Edom. 
Respondeu-lhe Jacó: Venda-me primeiro o seu direito de filho mais velho. Disse Esaú:  Estou quase morrendo. De que me vale esse direito? Jacó, porém, insistiu:  Jure primeiro. Ele fez um juramento, vendendo o seu direito de filho mais velho a Jacó. Então Jacó serviu a Esaú pão com o ensopado de lentilhas. Ele comeu e bebeu, levantou-se e se foi. Assim Esaú desprezou o seu direito de filho mais velho.  (Gn 25:29-34)
 
 
 
 
 
6.2 Israel
 
 
Muitas vezes o povo de Deus entristeceu-O por causa do pecado. Quando Israel saiu liberto do Egito seguiu pelo deserto mais tempo do que o necessário, pois a murmuração, ingratidão e idolatria faziam parte de seu estilo de vida. Numa ocasião, o estômago também falou mais alto. Várias pessoas reclamavam desejando comer as comidas do seu tempo de escravidão no Egito (Números 11:4-6). Desprezaram o maná, o alimento enviado por Deus diariamente para seu sustento, e queixavam-se pedindo carne (Nm 11:18-20).
 
 
Por isso o lugar foi chamado Quibrote-Hataavá (em hebraico significa: "covas de avidez"), porque ali foram enterrados os que tinham sido dominados pela gula.  (Nm 11:34)
 

6.3 Filhos de Eli
 
 
Outro mau exemplo envolvendo a comida é visto na atitude dos filhos do profeta Eli. Os sacerdotes, de acordo com a lei e os costumes em Israel, tinham direito de receber parte da oferta de sacrifícios que o povo consagrava no templo. Contudo, Hofni e Finéias desprezavam a Deus e as ofertas dedicadas, pois retiravam à força a carne antes que ela fosse consagrada — antes da gordura ser queimada (1 Samuel 2:12-17). O seu deus era o próprio estômago, eles eram incontroláveis no seu carácter corrupto com a gula, prostituição e desobediência (1 Samuel 2:22-25). Conforme anunciado por Deus, tiveram um triste fim.
 
 
6.4  Rei Belsazar
 
 
Este rei babilônico deu um grande banquete a mais de mil convidados (Daniel 5:1-3). Em festas pagãs como essa, era comum esbanjarem em muita comida e finas iguarias regadas com muita bebida, imoralidade sexual e idolatria. Foi provavelmente o que aconteceu nesta festa, mas além disso, o altivo rei mandou trazer os utensílios do templo de Deus. Beberam neles e louvaram seus deuses, desprezando ao Senhor, por meio daqueles objetos consagrados em meio à sua libertinagem. Apareceu, então, uma mão escrevendo na parede: “Mene, Mene, Tequel e Parsim.” Daniel interpretou, que era o veredicto dado por Deus: o império seria dividido e o reino seria dado aos medos e persas. Naquela mesma noite Belsazar foi morto (Daniel 5:23, Daniel 5:30-31).
 
 
Ao contrário, te exaltaste acima do Senhor dos céus. Mandaste trazer as taças do templo do Senhor para que nelas bebessem tu e as tuas concubinas. Louvaste os deuses de prata, de ouro, de bronze, de ferro, de madeira e de pedra, que não podem ver nem ouvir nem entender. Mas não glorificaste o Deus que sustenta em suas mãos a tua vida e todos os teus caminhos.(Dn 5:23)
 
 
 
 
 
 
6.5 Os coríntios e a ceia do Senhor
 
 
Paulo precisou advertir a igreja de Corinto acerca da forma errada de participar da Santa Ceia. Naquele tempo, provavelmente, as celebrações da Ceia eram realizadas com refeições completas, trazidas pela congregação. Mas, enquanto uns se apressavam para comer o que tinham trazido, sem partilhar, outros que não tinham nada ficavam com fome (1 Coríntios 11:20-22). Paulo explicou o fundamento da Santa Ceia e mostrou que os irmãos deveriam agir com cortesia e sabedoria (1 Coríntios 11:31-34).
 
 
6.6 Jesus cristo foi falsamente acusado de glutão
 
 
Em Mateus 11:18-19 Jesus Cristo foi falsamente acusado de glutão. Muitos religiosos da época de Jesus costumavam apelar para a calúnia. Desprezavam a Jesus e por isso queriam difamar o Seu ministério, caluniando-o como "comilão e beberrão". Eles O odiavam pela Verdade que anunciava (pois confrontava seu legalismo e hipocrisia) e pelo amor que demonstrava, se importando com pecadores e cobradores de impostos.  
 
Mas não era a primeira vez que desabonaram ao Senhor (Lc 23:2), tentando dizer mentiras ao Seu respeito, que Ele se corrompia com os que estavam a Sua volta, mas Jesus, incorruptível, era a cura para os que estavam doentes (Lc 5:31). Todos sabiam a realidade de Jesus, pois o Seu verdadeiro caráter se comprovava pelas Suas ações.
 
 

7. COMO VENCER A GLUTONARIA?
 
 
 
Avalie-se! Você precisa ser honesto com Deus e consigo mesmo. Será que você tem um desejo descontrolado pela comida, mesmo depois de já estar alimentado? Talvez seja preciso reconhecer que algo não está bem. Pode ser que haja um "bichinho de estimação" secreto, sendo alimentado e crescendo, mas que precisa ser extinto (Colossenses 3:5). Comer demais, assim como outras dependências exerce controle e tem se tornado um vício para muitos cristãos.
 
 
Tudo me é permitido, mas nem tudo me convém. Tudo me é permitido, mas eu não deixarei que nada me domine. (1 Co 6:12)
 
 
7.1 O que fazer, então?
 
 
Se agora você  tomou consciência que tem problemas com a alimentação, e que pode estar pecando nessa área, você precisa tomar uma atitude que implica em três passos simples:
 
 
•  Arrependa-se. Reconheça humildemente que tem falhado nessa área;
 
•  Confesse, ore e peça perdão ao Senhor;
 
•  Abandone a prática deste pecado e peça a Deus que o ajude a vencer
    a tentação do exagero.
 
 
Lembre-se: Comer não é pecado! O erro está no exagero e nos impulsos descontrolados.
 
Procure ajuda médica, se necessário, e faça um check-up! Há alterações hormonais ou estados psicológicos que costumam afetar o apetite, gerando distúrbios alimentares. Acompanhe sua saúde regularmente.
 
Faça uma auto-análise e tente identificar o problema interiormente. É natural que, à primeira vista, não consigamos enxergar nossos pequenos problemas. Notamos e reagimos melhor perante grandes montanhas e não diante de pequenas pedras. Mas são nessas "pedrinhas" que tropeçamos constantemente.
 
Assuma o erro e busque o equilíbrio em Deus. Quando as coisas não estão bem, precisamos nos voltar com fé para Jesus e para a Sua Palavra.
 
A Bíblia tem todas as respostas que precisa para saber como agir melhor. Jesus disse que não viveríamos somente de pão, mas da Palavra de Deus (Mateus 4:4). Confira algumas dicas que encontramos lá:
 
 
•  Coloque Deus como o primeiro na sua vida. (Mt 6:32-33)
 
•  Peça que Ele te governe e controle teus impulsos. (Sl 51:10)
 
•  Não dê ouvidos ao tentador. (Tg 4:7)
 
•  Ore contra a tentação. (Mt 6:13)
 
•  Não se coloque sob a mira da sua dificuldade. (Ef 4:27)
 
•  Limite-se perante a mesa. (Pv 23:2)
 
•  Mantenha uma relação saudável com a comida, não permita
    que ela te domine! (Mt 5:29)
 
•  Confira o bom exemplo de Daniel e seus amigos. (Dn 1:8)
 
•  Pratique o jejum mas partilhe o pão com o faminto. (Jl 2:12, Is 58:6-7)
 
•  Coma para a glória de Deus (1 Co 10:31)
 
 
 
AUTORIA DESTE TRABALHO
 
SITE “RESPOSTAS BÍBLICAS”
www.respostas.com.br/glutonaria-o-que-significa-e-como-vence-la
 
 
“Respostas Bíblicas” é um site com perguntas e respostas sobre os mais diversos temas, dadas à luz da Bíblia e da fé cristã evangélica. Procura dar respostas aos questionamentos dos leitores.
 

 

Por: Respostas Bíblicas

Publicado em 21/07/2020

Procedência - Internet

Todos os direitos reservados ©elevados.com.br 2013 - 2020