Os 4 animais diante do trono

 

OS 4 ANIMAIS

DIANTE DO TRONO

 

 

Depois dessas coisas, olhei, e vi que estava uma porta aberta no céu, e a primeira voz que ouvi, como de som de trombeta falando comigo, disse: Sobe para aqui, e te mostrarei as coisas que depois destas devem acontecer. Imediatamente fui arrebatado em espírito, e um trono estava posto no céu, e alguém assentado sobre o trono. E o que estava assentado era, na aparência, semelhante a uma pedra de jaspe e de sardônico, e ao redor do trono havia um arco-íris semelhante, na aparência, à esmeralda. Ao redor do trono também havia vinte e quatro tronos, e vi assentados sobre os tronos vinte e quatro anciãos, vestidos de branco, que tinham nas suas cabeças coroas de ouro. Do trono saíam relâmpagos, vozes e trovões. Diante do trono ardiam 7 lâmpadas de fogo, as quais são os 7 espíritos de Deus. 

Também havia diante do trono como que um mar de vidro, semelhante ao cristal, e ao redor do trono, um ao meio de cada lado, quatros seres viventes cheios de olhos por diante e por detrás. O primeiro era semelhante a um leão, o segundo semelhante a um novilho, o terceiro tinha o rosto como de homem, e o quarto era semelhante a uma águia voando. Os quatros seres viventes tinham, cada um, seis asas, e ao redor, e por dentro, estavam cheios de olhos. Não descansam nem de dia nem de noite, dizendo: Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso, aquele que era, e que é, e que há de vir. (Apocalipse 4:1-8)
 
 
 
AS VISÕES DE DANIEL
 
 
 
Lemos no capítulo 12 do livro de Daniel, a conhecida profecia de que Deus faria uma obra dupla na vida de todos aqueles que O amam, e que isso só aconteceria nos últimos dias. Ali, Daniel profetizou que Deus, nos últimos dias, tiraria o selo dessa Palavra, ou seja, desvendaria o mistério contido nela. O profeta tentou entender qual seria o fim dessas coisas que tomava contanto através das visões, mas Deus ordenou que selasse o livro com esse mistério, pois os acontecimentos ali descritos estavam marcados para muitos dias, ou seja, para os últimos dias.
 
Quanto à obra dupla de Deus, que falamos anteriormente, refere-se, em primeiro lugar, que estamos vivendo esse tempo profetizado por Daniel: Deus está desvendando o selo da Palavra, e ao mesmo tempo está tirando as escamas dos nossos olhos, renovando-os, para um completo entendimento das coisas espirituais.
 
Obra dupla. O tempo do fim é agora, então é necessário que aqueles que têm o Espírito de Deus exercitem o seu entendimento, o seu discernimento, para que os mistérios consigam se revelar dentro de nós.
 
A primeira parte da profecia não depende de nós, não depende de consagração, de santificação, não depende da nossa vontade. É profecia, e nenhuma Palavra volta para Ele vazia. Seu cumprimento independe da santificação da Igreja.
 
Deus está revelando à Sua Igreja, está desvendando os selos da Sua Palavra. Aqueles que atentam para isso estão desfrutando dos segredos, enquanto que outros continuam por aí sem ver nada, sem entender nada. 
 
É flagrante que em algumas Igrejas a Palavra de Deus não flui. Estamos no tempo do fim, no tempo em que Deus está levantando o véu, e aqueles cujas mentes estão renovadas — os consagrados os que estão aguardando o momento de ver Deus — estão enxergando o que outros não estão conseguindo.
 
Durante a revelação, o Espírito de Deus está restaurando as mentes das pessoas que estão pregando a Palavra de Deus, e essas pessoas estão captando essas mensagens. Isso só depende do obreiro, só depende da Igreja.
 
Voltamos a perguntar: Por que palavras tão profundas em alguns lugares e em outros não se entende nada do que dizem as Sagradas Escrituras? Respondemos: é porque alguns estão orando, buscando, exercitando a sua fé, e Deus revela a Sua Palavra, em troca. A grande diferença é que alguns levam a sério as coisas de Deus, e outros, não.
 
 
 
A VISÃO APOCALÍPTICA DE JOÃO
 
 
 
No dia de hoje, Deus está falando conosco sobre o capítulo 4 do livro de Apocalipse. Você pode ter lido e não ter entendido nada, e não deve se envergonhar disso. Isso acontece porque você não está com a mente pronta para receber certas verdades, pois elas poderiam ser assustadoras para você. Porém, a partir do momento em que você toma conhecimento dos desvendamentos desses mistérios, você tem a obrigação de mudar o seu comportamento.
 
O texto enfocado nesta mensagem é riquíssimo! Muitos de seus detalhes têm sido revelados: os tronos, os anciãos, os relâmpagos, o mar de vidro, etc. Porém, como o tempo não permitiria, ficaremos hoje restritos aos animais, chamados ali de “seres viventes”.
 
O apóstolo João, como já sabemos, foi arrebatado em espírito até junto do trono de Deus. Ali, ele viu 24 anciãos vestidos de branco, usando coroas e ouro, sendo que cada um estava sentado num trono individual. Do trono de Deus saía relâmpagos, trovões e vozes. Viu também 7 lâmpadas de fogo, diante do trono, e um mar de vidro, parecido com cristal. No meio do trono e ao redor, João se deparou com quatro animais com características próprias, um diferente do outro, animais bastante anormais para o seu conhecimento, pois não se assemelhavam com nada deste mundo que ele tivesse visto. Por isso a dificuldade em descrevê-los. O interessante é que eles tinham, além de certas características, olhos por todos os lados.
 
O primeiro animal assemelhava-se a um leão; o segundo assemelhava-se com um cordeiro (ou novilho, segundo versões bíblicas diferentes); o terceiro tinha rosto de homem, enquanto que o quarto era parecido com uma águia voando. Todos eles possuíam 6 asas e eram cheios de olhos pela frente, por trás, por fora e por dentro. Não paravam de dizer “Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus, o Todo-Poderoso, que era, e que é, e que há de vir.” Louvavam diuturnamente, sem parar!
 
Segundo a narrativa do apóstolo João, esses animais era inusitados, cheios de olhos, sendo que nada neste mundo nos lembra algum tipo de vivente com essa descrição: Leão cheio e olhos e com asas; novilho ou bezerro cheio de olhos e com asas; animal com cara de homem, cheio de olhos e com asas; águia cheia de olhos...  Aquilo não fazia sentido para João que os viu, e muito menos para nós que não os vimos.  Cada animal tinha um rosto diferente: homem, leão, águia e cordeiro. Estavam prostrados diante do trono. Eram estranhos, mas estavam adorando a Deus.  Sem parar!
 
 
 
A CHAVE DO MISTÉRIO
 
 
 
Para que entendamos esse texto, a chave do mistério é o trono. Eles estavam todos diante do trono, apesar de suas diferentes características. Eles estavam ali como um reflexo, como um modelo, como guias das nossas posturas diante de Deus, aqui na Terra.
 
A dimensão deles não era a mesma que a nossa, porém estavam fisicamente diante do olhar de Deus, assim como nós deveríamos estar, espiritualmente, pois Deus está sempre atento a todas as nossas atividades aqui nesta vida. Todos os seres humanos estão diante do Seu olhar.
 
Para que você receba graça, aqui na terra, é necessário que você esteja espiritualmente diante do trono de Deus. Não vai acontecer, por exemplo, de você receber graça e por sua vez agir diferente daquilo que Deus deseja.  Essa incoerência não vai durar muito na sua vida.
 
Precisamos mudar a nossa conduta ou não veremos a revelação divina. Alguns estão avançando nestes tempos do fim; outros estão parados! Precisamos conhecer todas as características desses animais, para podermos adaptar nossas atitudes, nossa postura diante de Deus, refleti-las aqui na terra. Vejamos, então, o que cada um deles representa:
 
 
 
OS 4 ANIMAIS DIANTE DO TRONO
 
 
 
APARÊNCIA DE LEÃO
 
 
Toda pessoa que quiser viver diante do trono, tem que possuir a coragem de um leão. Crente não pode ser covarde. Deve lutar para que todo espírito de covardia seja afastado definitivamente!
 
Ninguém põe um leão para correr, pois é um animal bravo, destemido. Para contemplar Deus no Seu santo templo, precisamos de coragem. Muitos crentes estão parados dentro do templo, não saem das suas quatro paredes. E quando saem, perdem a valentia, a ousadia, o destemor. Só é valente para gritar “Aleluia!” dentro da igreja!
 
Esses crentes não têm Cristo verdadeiramente na sua vida, não colocam Jesus acima de tudo. Eu, particularmente, prefiro os calados na igreja, mas que se transformam em leões lá fora. Aqui dentro é fácil professar Jesus; o problema é lá fora, cercado de escarnecedores e de piadinhas. 
 
Observe que um leão não retrocede; ele vai em direção da presa. O apóstolo Paulo era um que não se assustava diante de nada, pois sempre ia até às últimas conseqüências! Certa vez, foi alertado para não ir a Jerusalém porque seria preso, mas consolou a seus irmãos, dizendo que estava disposto a dar sua vida por Jesus, que o salvara. Coragem de leão! Levava suas atitudes até às últimas consequências, como um leão!
 
 
 
 
APARÊNCIA DE CORDEIRO
 
 
 
Se temos que ter a coragem de um leão, também precisamos ter o coração de um cordeiro. Jesus foi a ovelha muda, que foi para o matadouro sem abrir a Sua boca, submetendo-se ao ato sacrificial. Valentia de leão, ternura de cordeiro. Você precisa ter o quebrantamento, a ternura, a simplicidade. Você precisa ter emoções nobres por dentro, enquanto é valente por fora! É com esse equilíbrio que se vive diante do trono de Deus.
 
 
 
 
 
APARÊNCIA DE ROSTO DE HOMEM
 
 
 
Apesar da coragem de leão, da ternura de cordeiro, você não pode abandonar a sua humanidade, procurando viver cada uma das suas circunstâncias como ser humano. Jesus foi um exemplo disso. A santidade não pode ser conseguida através de um afastamento radical das coisas deste mundo. Santidade não é sinônimo de isolamento: Jesus tinha a coragem de um leão, a simplicidade de um cordeiro, mas era homem.
 
Paulo foi outro exemplo nesse sentido, sendo as três coisas ao mesmo tempo. Na sua última carta a Timóteo, mostrava a sua natureza humana carente: estava com saudades do amigo querido. Não negava a sua humanidade, e estavas sentindo falta de companhia humana. O mesmo homem que evangelizou quase todo o mundo da sua época, mostrava a simplicidade de ser humano, como qualquer pessoa.
 
Santificação, então, voltamos a dizer, não é se meter numa caverna. Você tem que se misturar. Quanto mais santo você for, mais acessível terá que ser para seus semelhantes. Procure não esquecer que você tem rosto de homem, apesar da coragem de leão e da simplicidade de cordeiro. Precisamos viver nossa vida espiritual com os pés no chão.
 
Procure não esquecer que você é uma pessoa, tem documentos, responsabilidades sociais, contas para pagar, conta corrente no banco, que você faz tudo o que os incrédulos fazem, só que de maneira diferente. Tudo neste mundo é lícito, mas você tem o comportamento diferente. Você compra diferente, negocia diferente, paga diferente...!
 
 
 
 
 
APARÊNCIA DE ÁGUIA VOANDO
 
 
 
Veja bem que a aparência é de uma águia viva, voando, e não de uma águia morta. A imagem nos fala de uma vida altaneira, superior, acima de tudo o mais que está por aí. Temos falado sobre imitarmos a Jesus, que é Santo, então precisamos ser diferentes dos incrédulos.
 
A maior figura de santidade é a águia voando numa altura onde nenhuma outra ave pode chegar. Estamos falando de conversa superior, de conduta superior e de comportamento superior. Comporte-se como uma águia do Senhor! Seja a águia de Deus neste mundo de urubus.
 
Explicando melhor, não se concebe você, sendo crente, falando palavrões, participando de rodinhas de piada no seu ambiente de trabalho. Se você quer ser galardoado, precisa mudar, pôr freios nas suas atitudes, ou a graça de Deus não se manifestará na sua vida.
 
Águia nos fala de santificação e objetividade, fala de um alvo pré-estabelecido. Você está servindo a Jesus para quê? Sua vida tem objetividade, tem ponto de chegada?  Veja que a águia tem um objetivo: ela mira a sua presa, lá de cima, e a ataca! Águia fala de esforço concentrado, de objetividade para atingir um alvo pré-estabelecido.
 
 
 
 
 
VOCÊ TEM A APARÊNCIA DESSES ANIMAIS?
 
 
 
Já falamos dos quatro animais estranhos que se destacam no quadro descrito pelo apóstolo João. Agora, somos impelidos a fazer uma série de perguntas clássicas e inevitáveis: Você tem tido a coragem de um leão? Você tem tido a doçura de um cordeiro? Você, pelo lado de fora, tem posto o mundo de pernas para o ar, e por dentro tem chorado? Você tem sido gente, luz no meio dos pecadores? Tem alcançado alturas inatingíveis para ser observado e servir de exemplo para os outros?
 
Busque a coragem de um leão, a interioridade de um cordeiro e viva como a águia de Deus, neste mundo. Peça essas atitudes a Jesus, que Ele repartirá contigo todas as características que sempre marcaram a Sua passagem por este mundo.
 
 
 
A SIGNIFICAÇÃO DOS OLHOS
 
 
 
Cada um desses animais encarnava uma característica nossa diante de Deus. Apesar de cada um possuir uma característica diferente, numa coisa eles eram semelhantes: nos olhos. Observe que eles tinham olhos pela frente, por trás, por dentro e por fora! Que coisa incrível!
 
Enfocando esse ponto em comum, conseguimos caracterizar quatro tipos de visões:
 
 
OLHOS PELA FRENTE
 
 
 
É o olhar para o futuro, quando Jesus será entronizado diante de todas as nações deste mundo, quando todos os joelhos se dobrarão diante d’Ele. Olhar pela frente é ver a esperança naquilo que há de acontecer, pois Deus passará a prumo os Seus filhos e a Sua Igreja. As muralhas serão derrubadas e as pessoas vão mudar. 
 
Aqueles que se preocuparem só com as coisas de hoje, vão ficar doentes.  É para ver o futuro que existem os olhos pela parte da frente. Está escrito: Todos os animais tinham olhos para adiante. Você deve orar e crer, pois nosso Redentor vive.
 
 
 
OLHOS POR DETRÁS
 
 
 
São as experiências com os seus erros passados, suas provas, o fato de você não se  submeter  diante daquilo que Deus lhe tem permitido passar. Tudo o que se passa na tua vida é Deus te provando, te avaliando, pois tudo obedece a um critério divino.
 
Deus nos acompanha a todo momento, em tudo o que nos acontece, e nós vamos perdendo valores porque não entendemos que Deus está por trás das coisas para nos ensinar.
 
Posso afirmar para vocês que 95% das coisas que nos acontecem estão sob a permissão de Deus. É ali que você vai entender, aprender a ter essa visão por detrás. Quando vier uma luta, você aprenderá que deve glorificar a Deus por ela, aprender que não deve ter orgulho, que deve espiritualizar mais, etc.
 
Essa fome de enriquecer, de comprar cada vez mais, etc., não é bom para corações comprados pelo sangue de Jesus. Em meio a essa rotina vem uma provação de falta de dinheiro, e nós aprenderemos que devemos entesourar coisas no céu e não aqui na terra. Aprendam, irmãos, que perdas materiais são a voz de Deus nos ensinando. As pessoas perdem e não se dão conta.
 
 
 
OLHOS AO REDOR
 
 
 
Esses olhos servem de vigilância para aqueles que amam a Jesus, os olhos que guardam a alma, as sentinelas do espírito. São olhos móveis, dinâmicos, inteligentes, cuidadosos e perspicazes, que precisam estar sempre vigilantes. 
 
A carta de 1 Pedro 5 diz que Satanás brama ao derredor para nos tragar, e nós temos estado cegos, diante desse perigo.  Precisamos ter olhos ao redor, pois há um inimigo que procura insistentemente uma brecha para nos desviar, para enredar a nossa alma. 
 
Felizmente, porém, existe por outro lado o sangue de Jesus, o Leão da tribo de Judá, que está sempre a nos proteger. O problema é que o diabo tem a sinuosidade de uma serpente e não as formas descomunais de um elefante. Se você não tiver olhos ao redor, não conseguirá vigiar o suficiente essas tentações que estão por aí.
 
 
 
OLHOS POR DENTRO
 
 
 
São olhos bem diferentes dos outros que já falamos, pois sua ação de reconhecimento se dirige para dentro de nós mesmos. Esta é a primeira visão que Deus deve dar em nós. Precisamos nos conhecer melhor, reconhecer nossas faltas. Enganar aos outros é feio, mas enganar a si mesmo é terrível! 
 
Tem gente dizendo que está certa, quando está fazendo tudo errado. O destino da nossa vida espiritual está ligado a essa visão interior. Não se engane mais, meu irmão! Não seja ignorante! Olhe seus defeitos, seu testemunho!  Você não está conseguindo enxergar?
 
 
 
CONSIDERAÇÕES FINAIS
 
 
 
Esperamos que esta mensagem seja um marco na sua vida, que você consiga, a partir de agora, reconhecer suas fraquezas, e passar a programar de novo a sua vida, os seus negócios, etc. 
 
Esperamos que a partir desta mensagem você consiga ver aquela mancha que todos enxergam em você, e só você não vê. O que passou, passou! Comecemos de novo, sem amarguras, sem rancores, sentimentos que não nos deixam ver nossos defeitos.
 
Que tenhamos essa visão interna!  Preciso mudar nisso, preciso mudar naquilo... Que tenhamos essa vida abundante, cheia de graça e de revelação! Liberte-se dos ressentimentos e das amarguras, e não fique culpando pessoas pelo fato de você não estar bem na Igreja!  O culpado é você mesmo!  Peça libertação! 
 
 

AUTOR
 
Pr. Bartolomeu Severino de Andrade
 
 
 
Esta pregação aconteceu em 03/10/1992, tendo por local a Igreja ADI, em Tubarão/SC. Os trabalhos de gravação, formatação e edição foram produzidos por Walmir Damiani Corrêa  —  www.elevados.com.br.
 

Por: Bartolomeu de Andrade

Publicado em 04/04/2014

Procedência - www.elevados.com.br

Todos os direitos reservados ©elevados.com.br 2013 - 2022