A visão da sarça

 

 A VISÃO DA SARÇA

 
 
 
 
 
 
 
Apascentava Moisés o rebanho de Jetro, seu sogro, sacerdote de Midiã, e levou o rebanho para trás do deserto e chegou a Horebe, o monte de Deus. Apareceu-lhe o anjo do Senhor numa chama de fogo do meio duma sarça. Moisés olhou, e viu que a sarça ardia no fogo, mas a sarça não se consumia.
 
Então disse consigo mesmo: “Agora me virarei para lá e verei esta estranha visão, e por que a sarça não se queima.”  Vendo o Senhor que se virava para ver, bradou Deus a ele do meio da sarça: “Moisés! Moisés!”  Respondeu ele: “Eis-me aqui.”  Continuou Deus: “Não te chegues para cá. Tira as sandálias dos pés, pois o lugar em que estás é terra santa.” Disse mais: “Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó.”  Moisés escondeu o rosto, porque temeu olhar para Deus.
 
Então disse o Senhor: “De fato tenho visto a aflição do meu povo, que está no Egito, e tenho ouvido o seu clamor por causa dos seus opressores, e conheço os seus sofrimentos. Por isso desci para livrá-lo das mãos dos egípcios, e para fazê-lo subir daquela terra para uma terra boa e espaçosa, para uma terra que mana leite e mel - o lugar do cananeu, do heteu, do amorreu, do ferezeu, do heveu e do jebuseu. E agora o clamor dos filhos de Israel chegou a mim, e também tenho visto a opressão com que os egípcios os oprimem. Vem, agora, e eu te enviarei a Faraó, para que tires do Egito o meu povo, os filhos de Israel.”
 
Então Moisés disse a Deus: “Quem sou eu, para que vá a Faraó e tire do Egito os filhos de Israel?”  Respondeu-lhe Deus: “Certamente eu serei contigo. E isto te será por sinal de que eu te enviei: Quando houveres tirado do Egito o meu povo, servireis a Deus neste momento.”  (Êxodo 3:-1-12)
 
 
 
 
 
 
 
A CRONOLOGIA DIVINA
 
 
 
Este texto nos fala que as coisas mudam, mas existe algo que permanece: a presença, o propósito e a Palavra de Deus.  Moisés estava ali apascentando suas ovelhas, via a vida passar sem novidades, talvez já houvesse até esquecido das promessas que Deus fez a Abraão. Moisés, aparentemente, estava no fim da sua vida, apagando suas últimas esperanças. E foi nesse quadro, sem muitos atrativos, que Deus deu o sinal para o maior acontecimento na vida do povo de Israel: a arrancada para a libertação do Seu Povo do cativeiro e a viagem em direção à Terra Prometida.
 
Se lermos Atos 7:20 em diante, veremos que a vida de Moisés foi de 120 anos, dividida em três períodos distintos, mas de igual duração: 40 anos vivendo no Egito, 40 anos no deserto fugindo por causa da morte de um egípcio e finalmente mais 40 anos libertando e conduzindo o povo israelita para Canaã, ou seja, cumprindo a promessa feita por Deus a Abraão.
 
No Salmo 90, o próprio Moisés, inspirado pelo Espírito Santo, disse em oração que a vida de um homem vai até aos 70, 80 anos, vindo depois somente desânimos e canseiras. Porém, em Deuteronômio 34:7 vemos Moisés morrendo aos 120 anos de idade, com olhos que nunca haviam se escurecido e nem perdido o vigor. De onde terá vindo esse vigor nos 50 anos vividos a mais, no trabalho de conduzir aquele povo descontente até Canaã?
 
Parece incoerência!  Mas podemos responder, sem medo de errar, de que foi a visão da sarça que ardia e não se consumia que promoveu todo esse vigor que temos falado. Tudo se explica a partir da sarça ardente. 
 
 
 
 
 
 
A VISÃO DE DEUS
 
 
 
E o que Deus está fazendo conosco, hoje?  Você tem visto a sarça ardendo, ou só tem ouvido os outros falarem que viram a sarça arder?  Se você já a viu, então você terá ânimo, terá o poder de Deus, nada irá demover você dos caminhos de Deus. Nada!  Você irá para a frente, guardando a visão de Deus, impulsionado pela visão de Deus. O que Moisés viu naquela sarça foi a vida dele!  Foi uma visão magnífica!  E Moisés tentou esquivar seu olhar dela, temeu a sua visão! Teve um respeito profundo por ela!
 
Era comum uma sarça arder naquelas paragens desérticas, dado o forte calor do sol do oriente. O milagre não estava na sarça arder, mas no fato dela não se consumir, não se apagar!  
 
Quanto a nós, o milagre de Deus está em também não nos consumirmos — o tempo passando por nós e nós não nos abatendo; as lutas e as perseguições acontecendo, e nós continuando firmes. Quando a sarça é de Deus ela não se consome.
 
 
 
 
 
 
ANTES E DEPOIS DA VISÃO
 
 
 
Moisés, para poder libertar um israelita, quando ainda vivia no Egito, matou a um egípcio. Ele agiu por instinto, por conta própria, agiu pela carne. Tanto foi assim que, para não ser preso, fugiu para o deserto, onde viveu 40 anos, monotonamente. Espiritualizando, quando não se tem uma visão de Deus, a tendência é um comportamento mundano, instintivo, irrefletido, e o preço a pagar é a fuga, o isolamento, o arrependimento.
 
Depois de ver a sarça, Moisés passaria a agir no poder de Deus — Não era mais ele quem decidia o que fazer, mas Deus. Deus passou 40 anos trabalhando na vida de Moisés, para só então lhe permitir ter a visão da sarça e incumbi-lo da grande missão. 
 
Agora, Moisés aparentava covardia, considerava-se incapaz de assumir tal responsabilidade! Que mudança, depois da visão da sarça! Não conseguia se enxergar defendendo ninguém, como houvera feito antes com aquele irmão israelita, e que lhe custara tantos anos de reclusão no deserto.
 
Positivamente, já não era mais aquele Moisés que decidia sobre libertações. Antes, libertava por conta própria, e achava-se o máximo; agora, mesmo tendo Deus a seu lado, ele temia.
 
 
 
 
 
O FOGO DESFAZ O MEDO
 
 
 
Quando um homem diz Não posso! a Deus, está na hora da sarça arder! Só nessa hora! E era chegada a hora de Moisés, estava na hora de Deus fazer a obra na sua vida. 
 
Vendo isso, chegamos à conclusão de que precisamos agüentar as tribulações calados, como Moisés, ao invés de ficar pedindo misericórdia, esperando pelo arder da sarça na nossa vida. Depois que a sarça arde na nossa vida, deixa de ser difícil pregar a Palavra de Deus — tudo acontecerá naturalmente, nada mais nos vai abater e as barreiras cairão por terra. 
 
Os últimos 40 anos de Moisés vieram depois de a sarça arder e transcorreram temperados pelo poder de Deus. A partir daí, ele não libertaria apenas um israelita com uma espada, para depois fugir como se fosse um ladrão. Não, a partir daí ele libertaria todo o povo de Israel e não precisaria temer ninguém, nem fugir. Ele sairia pela porta da frente, protegido pelo poder de Deus. Agora ele não estava mais agindo intempestivamente na carne, na valentia, mas sim no poder de Deus.
 
 
 
É DEUS QUEM VIVE EM MIM
 
 
 
Tudo isso que estamos comentando, irmãos, está querendo dizer que devemos ir aonde Deus nos mandar, independente de nossa vontade ou competência. Quando dissermos Eu não quero!, e Deus disser Eu quero!, estaremos investidos da Sua autoridade, do Seu poder, e nada poderá nos deter.
 
Por que será que Calebe, aos 85 anos de idade, lutava com sua espada (Js 14:10-13) e Moisés com 120 anos liderava o Povo de Deus para Canaã, num deserto escaldante, sem ter qualquer sombra nos olhos?  São vidas que se preservaram, que agradaram ao Senhor.
 
 
 
A SARÇA NÃO SE APAGOU
 
 
 
E aqui estamos nós diante da sarça, diante da visão de Deus, diante do Senhor Forte, Poderoso, que nem todos os demônios juntos podem enfrentar. Seus propósitos sempre prevalecerão, Suas promessas sempre se cumpriram, se cumprem e se cumprirão.
 
E não se esqueça disso: a sarça continuará ardendo! Vamos abrir nossos olhos espirituais para que possamos ter essa visão maravilhosa, e transformarmos as nossas vidas para partir desse momento!
 
 
 
AUTOR
Pr. Bartolomeu Severino de Andrade
 
 
 
Esta pregação aconteceu em 22/03/1992, tendo por local a Igreja ADI, em Tubarão/SC. Os trabalhos de gravação, formatação e edição foram produzidos por Walmir Damiani Corrêa  —  www.elevados.com.br
 

Por: Bartolomeu de Andrade

Publicado em 04/04/2014

Procedência - www.elevados.com.br

Todos os direitos reservados ©elevados.com.br 2013 - 2022