Deus dá, Deus tira!

 

DEUS DÁ, DEUS TIRA!

 
 
 
 
Ó rei, o Altíssimo Deus deu a Nabucodonosor, teu pai, o reino, e grandeza, e glória e majestade. Por causa da grandeza que lhe deu, povos, nações e línguas tremiam diante dele.  A quem queria matar, matava; a quem queria deixar com vida, deixava com vida; a quem queria engrandecer, engrandecia; e a quem queria abater, abatia.
 
Mas quando o seu coração se exaltou, e o seu espírito se endureceu em soberba, foi derrubado do seu trono real, e passou dele a sua glória. Foi tirado dentre os filhos dos homens, e o seu coração foi feito semelhante ao dos animais; a sua morada foi com os jumentos selvagens, e fizeram-no comer erva como os bois; e pelo orvalho do céu foi molhado o seu corpo, até que conheceu que Deus, o Altíssimo, tem domínio sobre os reinos dos homens, e a quem quer constitui sobre eles.
 
Mas tu, seu filho Belsazar, não humilhaste o teu coração, ainda que soubeste de tudo isso.  Em vez disso, levantaste-te contra o Senhor do céu, pois foram trazidos os utensílios da casa dele perante ti, e tu, os teus grandes, as tuas mulheres e as tuas concubinas, bebestes vinho neles. Além disso, deste louvores aos deuses de prata, de ouro, de bronze, de ferro, de madeira e de pedra, que não vêem, não ouvem, nem sabem. Mas a Deus, em cuja mão está a tua vida, e todos os teus caminhos, a ele não glorificaste.
Então dele foi enviada aquela parte da mão, e escreveu-se esta escritura. Esta é a escritura que se escreveu: MENE, MENE, TEQUEL e PARSIM.  Esta é a interpretação daquilo: MENE: Contou Deus o teu reino, e o acabou. TEQUEL: Pesado foste na balança, e foste achado em falta. PERES: Dividido foi o teu reino, e dado aos medos e aos persas.
Então mandou Belsazar que vestissem a Daniel de púrpura, e que lhe pusessem uma cadeia de ouro ao pescoço, e proclamassem a respeito dele que havia de ser o terceiro dominador do reino. Naquela mesma noite foi morto Belsazar, rei dos caldeus, e Dario, o medo, ocupou o reino, com a idade de sessenta e dois anos.  (Dn 5:18-34)
 
 
Esta é uma palavra que faz nosso coração temer e tremer. E isso aconteceu porque não estamos diante de um livro de filosofia, de um romance, de um tratado qualquer. Este livro é a Palavra de Deus, uma revelação do Alto, registrada para ensino das gerações posteriores.
 
Este texto mostra o engano das possessões humanas, a ilusão daqueles que não querem enxergar o poderio do Deus Eterno. Estamos diante de uma manifestação de um Deus, a quem pertence o poder, e a glória para sempre.
 
Não podemos ler este texto sem sentir a presença de Deus, o Deus da Bíblia, o mesmo Deus de quem temos falado constantemente. Não podemos lê-lo sem que nos invada a forte necessidade de colocar nossas vidas no altar, no caminho do Senhor, pois elas estão em Suas mãos.  Então, por que não fazê-lo espontaneamente?
 
Eu, pelo menos, não consigo conceber minha vida sem a cada manhã pedir que Deus me tome em Suas mãos. Os nossos caminhos, os reinos, o poder, os homens, as riquezas, tudo neste mundo está controlado pelo Senhor.
 
Diante do quadro atual, muitos dizem que as coisas estão fora do controle de Deus, mas não é verdade. Tudo está sob Seu controle! Tudo acontece para confirmar o que está para se cumprir. Tudo está nas Suas mãos, e Jesus logo voltará para confirmar isso, e levar o Seu Povo.  As coisas que você tem ouvido em rádio e na televisão, sobre os homens de Deus que estão caindo, tudo isso está sob o controle de Deus. Nada acontece sem o Seu consentimento e permissão.
 
Nosso texto mostra o rei Belsazar, filho de Nabucodonosor, um homem acuado, contra a parede. Foi um homem que recebeu poder, força e glória de Deus. Porém, não devia ter esquecido que tudo vem de cima, tudo aponta para essa direção. Belsazar fazia e desfazia, salvava e condenava. Seu pai, o rei Nabucodonosor, foi um homem glorioso, recebera tanto poder de Deus, que se ensoberbeceu, e virou-se contra Deus.  E Deus transformou-o em nada. Tudo e todos que lhe davam segurança, lhe foi tirado. O mesmo Deus que dá, tira!
 
 
Nabucodonosor, então, aprendeu a lição dada por Deus, arrependeu-se, e tudo lhe foi restituído, passando para Belsazar, seu filho, um reino poderosíssimo. Os erros de Nabucodonosor foram contra pessoas, foram erros passíveis de perdão, foram pecados perdoáveis. 
 
Belsazar, como já dissemos, herdou um reino opulento. Apesar de ser muito parecido com seu pai, mas, lamentavelmente, não conseguiu repetir os feitos brilhantes de seu pai. Belsazar mexeu com as coisas de Deus, não se limitou a fazer maldades com seus semelhantes.  Organizou uma festa barulhenta no palácio, para a qual convidou todas as pessoas importantes, participando, inclusive, um considerável número de prostitutas, pois essas festas, invariavelmente, acabavam em verdadeiros bacanais.  Essa festa irreverente era o que Deus esperava que ele não fizesse! Ele enveredou contra Deus!
 
O capítulo 5 do livro de Daniel conta que o rei Belsazar mandou recolher dos depósitos do palácio, os valiosos vasos e taças que foram trazidos por seu pai do templo de Jerusalém, na época da invasão.  Eram despojos de guerra que Nabucodonosor houvera respeitado até então como instrumentos usados no trato às coisas de Deus. Nabucodonosor não desafiava Deus, mexendo com Suas coisas sagradas.
 
Belsazar, porém, distribuiu-os a todos os seus convidados e prostitutas, que encheram-nos de bebidas fortes. Todos beberam, comeram, e se prostituíram. Como vemos, esses bacanais são coisas antigas. O diabo não tem sido criativo durante todo esse tempo, pois ele se repete, não tem usado de coisas novas. Estão aí, por exemplo, os grandes bailes de carnaval, as pessoas se prostituindo em praça pública, etc.
 
De repente, naquele lugar, surgiu uma parte de mão escrevendo na parede umas inscrições ininteligíveis para todos os presentes: MENE, MENE, TEQUEL-UFAR-SIM.  Não precisa dizer que suas pernas tremeram!
 
 
A mão de Deus caiu sobre aquele bacanal!  Deus parou aquelas coisas! Quando fazemos mau juízo com as coisas de Deus, Sua paciência pode cessar. Enquanto nos prejudicarmos a nós mesmos e a outras pessoas que não tem esperança de vida eterna, tudo bem; Deus pode ir perdoando.  Mas quando nos enveredarmos contra as coisas sagradas de Deus, só Ele sabe o que pode acontecer.  O que Deus dá, Deus tira!  De nada adiantará nossas seguranças materiais e terrenas.
 
Belsazar fez pior que seu pai. Nabucodonosor errou com seus semelhantes, foi castigado, arrependeu-se e voltou-se a uma boa convivência com Deus. Seu filho, entretanto, extrapolou os limites dados ao homem.  Era maldade demais!  Nabucodonosor foi perdoado; Belsazar, não seria!
 
Nervoso com aquele acontecimento que interrompeu sua festa, o rei manda chamar os maiores sábios, feiticeiros, astrólogos, para que interpretassem aquela frase escrita na parede dos fundos do seu salão de festas.   Porém, ninguém conseguia fazê-lo. Era algo diferente de tudo o que já existisse.
 
Hoje em dia acredita-se mais em Astrologia do que em Deus. Como previu o apóstolo Paulo, chegaria uma época de inversão tal de valores, em que seria dada mais importância às coisas criadas que ao Criador (Romanos l:25). Está se cumprindo isso!  Tem gente que não Sai de casa sem consultar os astros; não abre um jornal sem ir primeiro à página do horóscopo! E Belsazar já fazia isso, a seu modo, no seu tempo.
 
Só depois da impotência dos seus “sábios”, é que o rei mandou chamar ao profeta Daniel, servo de Deus, pessoa sábia, cativo de guerra que vivia naquele reino.  Sendo homem de Deus, Daniel tinha os olhos abertos para entender essas coisas que os feiticeiros não podem.
 
É na hora da dificuldade que se revela o servo de Deus, é só nessa hora que se dá o devido valor a eles. Olhe em sua volta!   Não é assim no seu trabalho?  Quando alguém passa por um problema que ninguém consegue resolver, todos olham para você, que é crente!!!
 
Belsazar quer saber significado. É a hora do juízo, é a hora do Espírito de Deus começar a operar, colocando em evidência aqueles que temem ao Senhor. Foi assim com Daniel!  O rei ofereceu-lhe dinheiro e riquezas em troca da interpretação. Daniel, logicamente, não aceita, pois seria o mesmo que vender as bênçãos de Deus, negociá-las, tirar proveito dela.
 
Por falar nisso... Como tem gente se aproveitando dos seus cargos eclesiásticos para tirar vantagens econômicas, sociais, políticas! Pessoas que se apropriam do dinheiro da Igreja para vantagens próprias! Que Deus tenha misericórdia!  Esse dinheiro foi dado para Deus!  Pertence a Ele! Como pode haver pessoas com coragem de se apropriar desse dinheiro???
 
Mas Daniel não aceitou dinheiro, nem presentes, mas deu a interpretação da frase: MENE queria dizer que Deus havia contado os dias do reino de Belsazar, e que o mesmo acabara; TEQUEL queria dizer que Belsazar havia sido pesado na balança de Deus e havia sido achado com faltas; PERES significava que o seu reino se dividiria e seria dado parte aos medos e a outra parte aos persas.
 
 
Diante dessas declarações de Daniel, pernas tremendo, o rei manda que vistam nobremente a Daniel e que lhe ponham uma corrente de ouro ao pescoço, transformando-o na terceira pessoa mais forte do reino. Porém, naquela mesma noite em que Deus acabara com o bacanal, e que tinha posto medo naquele rei, a Babilônia foi invadida por Dario, rei dos medos, matando a Belsazar, passando por cima daquela fortaleza que parecia intransponível.
 
Deus dá, Deus tira!  E ficam aí três lições para nossa reflexão, vindas dessa passagem chocante das Sagradas Escrituras: 
 
 
NÃO SE ORGULHE 
 
 
Que o seu dinheiro, seus dons, seus talentos, sua cultura não lhe tragam orgulho!  O homem não pode ter nada que não venha de cima!  Um pacote político pode acabar com impérios, após uma simples assinatura! De repente, sem nenhuma causa aparente!
 
Uma Irmã, em Presidente Prudente, estado de São Paulo, cantava maravilhosamente e se orgulhava disso.  Houve uma doença e essa Irmã perdeu a voz. Hoje ela só sussurra e balbucia alguns sons!  Não pode haver orgulho!  Deus dá, Deus tira!  Não seja leviano com as coisas divinas!
 
 
 
AUTOR
Pr. Bartolomeu Severino de Andrade
 
 
 
Esta pregação aconteceu em 31/05/1992, tendo por local a Igreja ADI, em Tubarão/SC. Os trabalhos de gravação, formatação e edição foram produzidos por Walmir Damiani Corrêa  —  www.elevados.com.br.
 

Por: Bartolomeu de Andrade

Publicado em 05/04/2014

Procedência - www.elevados.com.br

Todos os direitos reservados ©elevados.com.br 2013 - 2022