Vitória, uma questão de opção

 

VITÓRIA

UMA QUESTÃO DE OPÇÃO

 

 

Portanto, irmãos, tendo ousadia para entrar no Santo dos Santos, pelo sangue de Jesus, pelo novo e vivo caminho que Ele nos consagrou pelo véu, isto é, pela Sua carne, e tendo grande sacerdote sobre a casa de Deus, cheguemo-nos com verdadeiro coração, em plena certeza, tendo o coração purificado de má consciência, e o corpo lavado com água limpa.

Guardemos firme a confissão da nossa esperança, pois é fiel Aquele que fez a promessa Consideremo-nos uns aos outros, para nos estimularmos ao amor e às obras. Não deixando de congregar-nos, como é costume de alguns, mas admoestemo-nos uns aos outros, e tanto mais quanto vedes que se vai aproximando aquele dia.
 
Se voluntariamente continuarmos no pecado, depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados, mas certa expectação horrível de juízo e ardor de fogo que há de devorar os adversários.  Todo aquele que quebrava a lei de Moisés, morria sem misericórdia, só pela palavra de duas ou três testemunhas. De quanto maior castigo cuidais vós será julgado merecedor aquele que pisar o Filho de Deus, e tiver por profano o sangue da aliança, com o qual foi santificado, e ultrajar o Espírito da graça?  Pois conhecemos Aquele que disse: Minha é a vingança, eu retribuirei. E outra vez: O Senhor julgará o Seu povo.
 
Horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo.  Lembrai-vos, porém, dos dias passados, em que, depois de serdes iluminados, suportastes grande combate de aflições. Às vezes fostes expostos como em espetáculo, tanto de opróbrios quanto de tribulações; às vezes vos tornastes co-participantes com os que desse modo foram tratados. Não somente vos compadecestes dos que estavam nas prisões, mas também com gozo aceitastes o espólio dos vossos bens, sabendo que tendes possessão superior e permanente.
 
Portanto, não lanceis fora a vossa confiança, que tem uma grande recompensa. Necessitais de perseverança, para que, depois de haverdes feito a vontade de Deus, alcanceis a promessa. Pois ainda em pouco tempo Aquele que há de vir virá, e não tardará. Mas o meu justo viverá da fé.  E se ele recuar, a minha alma não tem prazer nele.  Nós, porém, não somos daqueles que retrocedem para a perdição, mas daqueles que crêem para a conservação da alma.  (Hebreus 10:19-39)
 
 
O escritor da Carta aos Hebreus está falando palavras que fazem sentido, palavras que dizem respeito às Igrejas daquela época e também às Igrejas da atualidade.  A crise da qual ele está falando, impede os crentes de prosseguirem em direção ao alvo traçado por Deus.
 
Esse tipo de crise ocorre com muitos de nós, ocorreu com outros há algum tempo e poderá acontecer com outros ainda no futuro. São situações provisórias, temporárias.  O objetivo do escritor da Carta é despertar o povo hebreu, advertindo-lhe que a crise era uma coisa permitida por Deus para que eles crescessem espiritualmente; advertir-lhe que Deus não os havia abandonado, que estava por trás de tudo aquilo. Também tentava lhes ensinar que Deus, ao permitir-lhes a aflição, os estava medindo, controlando cada acontecimento e cada reação a esses acontecimentos.
 
 
Muitos irmãos, nessas horas de tribulação, entram num estágio de torpor, de nostalgia, de letargia, mornidão. O crente passa a viver do passado, rememorando os primeiros tempos de convivência total com Jesus, começando a achar que nunca mais voltará a sentir aquilo. E passa a achar que Jesus o abandonou, que está completamente sozinho.
 
O Espírito Santo fala, através do autor da Carta, afirmando que Deus é também o Senhor das circunstâncias e não somente Senhor das nossas vidas, que é o Senhor dos céus e da terra. Precisamos aprender de Deus nessas situações de sofrimento. A situação não pode tirar aquilo de bom que Deus plantou dentro de nós.
 
Deus criou coisas boas dentro de nós, mas o diabo quer destruir essas riquezas interiores. Nós podemos nos renovar a todo momento, o Espírito de Deus nos mostra novidades para nossas vidas todo o tempo. O diabo, porém, não consegue se renovar, age sempre igual, sempre usando as mesmas estratégias. Nós não podemos nos defender, dizendo que desconhecemos os ardis de Satanás, pois ele não se renova! Seus passos são previsíveis! Basta lermos a Bíblia e constataremos como ele age: sempre igual.
 
O diabo quer roubar, matar e destruir a primeira coisa que recebemos de Deus: a fé inicial da conversão, aquela que é chamada de “primeiro amor”.  Ele se aproveita dessa crise, onde Deus quer trabalhar nas nossas vidas, para destruir o que foi criado divinamente dentro de nós.  Ele se aproveita da nossa momentânea falta de estabilidade.
 
Quantos de nós não têm o mesmo andar do começo da fé, não nos sensibilizamos mais diante da Palavra de Deus!  Nós precisamos nos chegar a Ele com o coração inteiro, considerando-nos uns aos outros, mesmo que existam problemas entre nós.  Leia nosso texto de novo! Veja a mensagem de Deus através das palavras claras desta Carta!  Parece que o problema é só dos hebreus, mas não é!  É atual!  A situação se assemelha! O diabo está agindo hoje da mesma forma como o fazia há quase dois mil anos atrás!  Veja se essas coisas não estão acontecendo hoje também: solidão espiritual, ideia de que Deus está se afastando, vontade de largar tudo e voltar à vida antiga...
 
Deus quer que mantenhamos nossa confiança n’Ele, pois Ele é fiel àquilo que prometeu. Veja que Ele não nos prometeu que estaríamos livres de problemas.  Jesus mesmo afirmou, certa vez:  “No mundo tereis tribulações...”    Está escrito em João 16:33!  Então, por que essa idéia de que Ele está se afastando? Ele avisou que teríamos tribulações! Então por que estranhamos e perdemos a paz? O Espírito Santo fala através do escritor da carta.  Ele quer reverter o quadro, quer tirar de nossas mentes esses pensamentos contraditórios, esses sentimentos de desencorajamento, por causa dos problemas que passamos. O Espírito nos induz a levantar o nosso irmão espiritualmente, e não nos colocarmos mutuamente mais para baixo do que já estamos.
 
Que Deus modifique o nosso linguajar, a nossa conversa negativista! Estamos morrendo devagarzinho e queremos arrastar conosco aqueles que estão ao nosso lado.  Devemos repetir aquela frase do Antigo Testamento: “Eu sou forte, tu és forte, nós somos fortes!”   O que haverá de vir, virá! Diga isso ao seu irmão que está desanimado! Ajude-o a levantar-se!  Quanta gente tropeçando nas bênçãos recebidas de Deus!  Dobre o seu joelho! Clame!  É normal reagir assim!  Não agir assim é sinal de obstrução espiritual!  Peça a Deus que quebre essas cadeias!
 
 
A minha esperança é que você aceite que essa mensagem é para você, que você esteja disposto a mudar. Chega desse espírito derrotista! Temos que tirar de nós os problemas permanentes!  Chega disso!  Estimulemo-nos uns aos outros com palavras de vitória, e só assim Deus poderá ser glorificado nas nossas vidas. O verso 26 nos dá uma advertência enfática: se pecarmos voluntariamente, não haverá sangue que nos lave. Diz ali que aquele que pisar no Filho de Deus, no período de graça que atravessamos, merecerá o maior castigo.  São palavras solenes de advertência! Também será castigado aquele que fizer agravo ao Espírito da graça, diz mesmo texto.
 
É da vontade de Deus que coisas desagradáveis nos aconteçam, pois Ele sempre tem um propósito com essas horas. Se não soubermos lidar equilibradamente com essas situações, acabaremos vítimas das investidas de Satanás.  Precisamos nos adequar a essas situações criadas, pois Satanás se aproveita desses momentos de fraqueza, a que Deus nos submete, para reverter o quadro a favor dele, tentando nos levar para o pecado voluntário.  E, se isso acontecer, repetimos, o sacrifício divino não terá mais poder sobre nós.
 
Apesar de envolvidos em problemas, ainda estamos vivos, ainda não estamos maquinando, premeditando o pecado, procurando ter prazer nele.  O pecado que não traz arrependimento, não é pecado de percalço, de fraqueza, mas um pecado consciente. Cuidado com o diabo! Ele nos desviará e finalmente nos levará para o pecado voluntário! Veja o exemplo de Jacó e Esaú:  Esaú não conseguiu voltar atrás!  Não pôde se arrepender!
 
Do versículo 32 ao 37 o autor refresca a memória dos hebreus que haviam pagado um preço, mostrando heroísmo e galhardia.  O Espírito Santo reforça as lembranças do passado vitorioso. Não seria lógico que eles se despojassem da confiança de que logo chegaria o Dia do Senhor, avançando para a conservação da alma e não perdendo sua alma? Seria bom que se lembrassem das bênçãos passadas! Será que não valeram a pena? O Espírito Santo está dizendo que continua presente até hoje, que não nos abandonou, que está participando ativamente de todo acontecimento nas nossas vidas.  É preciso que tenhamos paciência!
 
 
 
O diabo faz de tudo para que você não se lembre dessas boas coisas. Ele quer que você esqueça que Deus está sempre junto de você. É hora de uma tomada de posição!  Diga assim: Eu vou vencer de novo! Deus é fiel, está sempre perto de mim!  Não se esqueça de que a crise é o instrumento d’Ele para que você aprenda coisas que de outra maneira não aprenderia.  Assim, se você hoje se ajoelha e não sente a presença de Deus, não se sinta derrotado!
 
Fé não é uma espécie de sentimento natural. Nós não andamos por vistas, mas por fé!  Não ande por sentimentos! Se orar e não sentir a presença de Deus, tenha paciência!  É coisa passageira!  Deus está sempre presente, embora você não esteja sentindo Sua presença.  Procure a solução em você!
 
Nesses momentos em que sua alma está agoniada e não sente a presença de Deus, olhe para o exemplo daqueles homens de Emaús! Eles não reconheceram Jesus no homem que vinha caminhando e conversando com eles. Só quando O viram partir o pão daquela forma tão característica é que aconteceu o reconhecimento.  Eles não deixaram de ver Jesus por Ele não estar ali; eles é que não O conseguiam ver! Jesus estava ali e eles não viam!
 
 
Haverá o momento em que Deus acabará de vez com essas trevas!  Espere com paciência, pois fiel é o Deus que prometeu!  Espere!  Se você retroceder, se voltar atrás, Deus não terá prazer em você! Não deixe o diabo roubar o que Deus criou com tanto amor na tua vida!  
 
Muitos não conseguem mais nem chorar, na presença de Deus!  Isso é obra do diabo. Saia dessa! Você pode sentir a presença de Deus ainda hoje!  Levanta a tua cabeça, arruma o teu semblante! Aprenda a dizer “Amém” à Palavra de Deus e estimule o teu irmão a fazer isso também!  Profetize vitória!  Deixe de ser amargo!
 
Comece hoje a reaprender a arte de amar, perdoar, de falar palavras amáveis. Exercite isso em nome do Senhor Jesus Cristo!  É tudo uma questão de decisão: ou você quer ou você não quer.
 
 
 
AUTOR
Pr. Bartolomeu Severino de Andrade
 
 
Esta pregação aconteceu em 09/07/1992, tendo por local a Igreja ADI, em Tubarão/SC. Os trabalhos de gravação, formatação e edição foram produzidos por Walmir Damiani Corrêa  —  www.elevados.com.br.
 
 

Por: Bartolomeu de Andrade

Publicado em 06/04/2014

Procedência - www.elevados.com.br

Todos os direitos reservados ©elevados.com.br 2013 - 2022