As visões de Daniel

 

 AS VISÕES DE DANIEL

 

Jardins suspensos da Babilônia

 

No terceiro ano de Ciro, rei da Pérsia, foi revelada uma palavra a Daniel, cujo nome se chama Beltessazar.  A palavra era verdadeira, e tratava de uma guerra prolongada. Ele entendeu a palavra, e teve entendimento da visão.
 
Naqueles dias eu, Daniel, estive triste por três semanas completas. Manjar desejável não comi, nem carne nem vinho entraram na minha boca, nem me ungi com unguento, até que se cumpriram as três semanas. No 24º dia do primeiro mês eu estava às margens do grande rio Tigre. Levantei os olhos, olhei, e vi um homem vestido de linho, e os seus lombos cingidos com ouro fino de Ufaz. O seu corpo era como berilo, o seu rosto parecia um relâmpago, os seus olhos eram como tochas de fogo, os seus braços e os seus pés como o brilho de bronze polido, e a voz das suas palavras como a voz de uma multidão.
 
Só eu, Daniel, tive aquela visão, os homens que estavam comigo nada viram, mas caiu sobre eles um grande temor, e fugiram para se esconder. Fiquei, pois, eu só, e tive esta grande visão, e não restou força em mim; desfigurou-se a feição do meu rosto, e ao retive força alguma. Contudo, ouvi a voz de suas palavras e, ouvindo a voz das suas palavras, eu caí com o rosto em terra, profundamente adormecido. Certa mão me tocou, e fez com que me levantasse, tremendo, sobre os meus joelhos e sobre as palmas das minhas mãos.
 
Ele disse: “Daniel, homem muito amado, atende às palavras que te vou dizer, e levanta-te sobre os teus pés, porque te fui enviado.” Ao falar comigo esta palavra, pus-me em pé, tremendo. Então me disse: “Não temais, Daniel, porque desde o primeiro dia em que aplicaste o teu coração a compreender e a humilhar-te perante o teu Deus, são ouvidas as tuas palavras, e eu vim por causa das tuas palavras. Mas o príncipe do reino da Pérsia me resistiu por 21 dias. Então Miguel, um dos primeiros príncipes, veio para ajudar-me, e eu fiquei ali com os reis da Pérsia. Agora vim, para fazer-te entender o que há de acontecer ao teu povo nos derradeiros dias, porque a visão ainda é para muitos dias.”Falando ele comigo estas palavras, abaixei o rosto para a terra, e emudeci.  (Daniel 10:1-15)
 
 
Daniel estava vivendo tempos de dificuldade, numa terra estranha. Ele fazia parte do grande grupo de judeus de alto nível intelectual que foram levados cativos para a Babilônia, após a tomada e destruição de Israel.
 
É bom que se diga que Daniel, a exemplo das outras pessoas do seu grupo, era muito bem tratado pela Corte, uma vez que a servia com sua sabedoria e inteligência, e não com trabalhos braçais, como outros escravos. Entretanto, mantinha acesa a esperança de livramento, segundo a promessa de Deus ao Seu Povo, no Egito, mas que agora se encontrava novamente cativo em terra estranha.
 
 
 
AMADURECIMENTO ESPIRITUAL
 
 
 
Qualquer que seja a situação que estejamos passando, devemos sempre ter esperança. O texto que estamos vendo hoje tem muito a ver com a maioria das pessoas do nosso tempo.  Aquilo que é impossível para o homem realizar, torna-se fácil para Deus. Espelhe-se no exemplo de Daniel: um jovem na idade, mas um ancião espiritual. 
 
Observe que Daniel estava distante de toda a sua cultura, do seu país semi-destruído. Seu corpo estava preso, mas sua alma tinha liberdade para sonhar, tinha liberdade para adorar a Deus em silêncio. Ele e alguns companheiros, ao chegarem ali, fizeram um pacto de amor a Deus, colocando como propósito principal em sua vida naquela terra, não se afastar da presença do Deus de Israel. Se fôssemos nós, naquela situação, estaríamos desesperados e, normalmente estaríamos nos virando contra Deus.
 
 
 
O PREÇO DO PECADO
 
 
 
É bom registrar que essa geração de israelitas estava pagando por um erro de seus pais. Mais uma vez Deus estava abandonando temporariamente Seu Povo à própria sorte, retirando dele o Seu braço protetor.
 
Toda uma comunidade pode pagar pelo pecado de alguns e, às vezes, pelo pecado de uma só pessoa, como aconteceu naquele roubo de Aça, após a tomada de Jericó. Tinham ordens para não tocar em nada, mas esse soldado ao resistiu e levou coisas consigo. Como resultado, Deus retirou sua proteção do povo que estava em batalha, permitiu que sofressem uma derrota vergonhosa, até que fosse descoberta a falta. Após descoberto e castigado o infrator, Deus recolocou Suas bênçãos a serviço do comandante Josué, e o espírito de vitória voltou ao meio de Israel.
 
 
 
SANTIFICAÇÃO TRAZ BÊNÇÃOS
 
 
 
Precisamos nos acostumar a colocar nossa vida no altar, entendendo que não podemos fazer tudo que vier à nossa cabeça. Em nossos tempos, a coisa está muito extremada: ou não pode nada, ou então pode tudo!  Não!  O crente tem que ter freio!  Você não tem o direito de trazer prejuízo para a sua comunidade; não pode retardar o crescimento espiritual da sua Igreja!  Não tente ser o Aça da sua Igreja, pois você poderá ter o mesmo destino que ele: ser afastado do convívio de seus irmãos.
 
É sabido que sem santificação ninguém verá a Deus. Não use da liberdade que Deus lhe deu para se aproveitar de todas as ignomínias que o mundo lhe oferece. Que haja equilíbrio em sua vida! Paulo reportou-se muito bem a respeito disso: “Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas me convém. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas.”  (1 Coríntios 6:12)
 
Não remova os marcos antigos! Não tente atravessar os marcos da fronteira com o inimigo! Dê equilíbrio às suas atitudes!
 
 
 
SONHE COM A SANTIFICAÇÃO
 
 
 
Você pode até não se considerar uma pessoa santificada, mas continue sonhando com isso! Continue acalentando esses sentimentos positivos de aperfeiçoamento espiritual! Ninguém lhe proíbe de sonhar com uma Igreja purificada, liberta das ações demoníacas!  Sonhe!  Isso é bom, é salutar!
 
Há quem diga por aí que a pessoa fala daquilo que o seu coração está cheio. Então, se isso é verdade, encha-se com esses bons propósitos, com esses pensamentos, com esses sonhos! 
 
Eu mesmo, quando deixei o Uruguai para me mudar para esta Igreja, vim para cá cheio de sonhos, enxergando Tubarão com outra realidade, enxergava Tubarão nas mãos do Senhor. E quero sair daqui deixando para trás nossos jovens transformados em ministros da Palavra de Deus. E isso vai acontecer! Afirmo isso em nome de Jesus! Foi uma promessa de Deus!  Está na hora de acertarmos as coisas com Deus. Vamos repor os marcos que foram removidos, e voltar para as nossas fronteiras seguras.
 
 
 
JEJUM E ORAÇÃO
 
 
 
Não há nada que o nosso Deus não possa fazer, pois Ele tem instrumentos poderosos para operar milagres nas nossas vidas. Temos, por exemplo, um potencial muito grande de dons nesta Igreja. Se nos deixarmos usar por Deus, Seu nome será glorificado de maneira retumbante. E o caminho para isso é um só: jejum e oração. Daniel, no nosso texto, jejuou durante três semanas inteiras.
 
 
Você teria um monte de razões para se revoltar contra Deus, naquele cativeiro, se estivesse no lugar de Daniel. Mas, pecando, você poderá trazer problemas para a sua família ou para a Igreja onde congrega. Porém, não importa se estamos sofrendo por causa de um erro de outro irmão. Daniel agüentou-se bem! Ele e seus amigos se propuseram a não de deixar contaminar pelas iguarias desse reino pagão.
 
A mesma atitude deve haver conosco hoje, pois ela é o segredo para se conseguir a paz. Fuja dos oferecimentos do mundo! Tenha equilíbrio! Procure resistir às iguarias deste mundo, sendo fiel ao Deus que te deu tudo! Você precisa ter um mínimo de gratidão a Ele! Isso pode ser o começo da bênção para a tua vida. Não foi difícil para Daniel cumprir seu propósito, pois Deus estava cuidando dele! Deus removerá os espinhos que impedem o teu caminhar! Mas Deus quer sentimentos puros!
 
 
 
 
 
A VISÃO DE DANIEL
 
 
 
Vamos nos prender, agora, à visão magistral que Daniel teve, semelhante àquela de João na ilha de Patnos.
 
Quando o ser celestial desce do céu, diz a Daniel que ele é considerado um ser muito amado, pois apesar de estar vivendo num ambiente pagão, conseguiu manter-se com o coração aprimorado e com bons sentimentos, não sofrendo nenhum tipo de contaminação.
 
O verso 12 nos mostra que todos os questionamentos de Daniel, durante os 21 dias de jejum, foram ouvidos por Deus e seriam respondidos. Daniel se entregara, se consagrara, e o ser celestial veio dar significado às coisas que Daniel não conseguia entender.
 
E você? Qual tem sido o seu sentimento com relação a Deus, esse Deus que o tem guardado, tem-lhe dado vida até aqui? Se Daniel não tivesse jejuado e se consagrado, possivelmente Deus não teria dado essas visões e discernimentos a ele. Esse é o mecanismo da coisa!
 
Você tem que se consagrar, meu irmão! Você precisa atender às convocações feitas pela Direção espiritual da Igreja para reuniões de consagração e jejum! Não fique achando que só as pessoas separadas eclesiasticamente é que devem jejuar e orar. A ordem é para todos aqueles que creem!  Deus quer um equilíbrio na nossa vida de crente, quer que cantemos quando tem sol, mas que você sorria quando tem chuva. Deus quer que você O glorifique também nos ventos e trovoadas.
 
 
 
 
CONSAGRAÇÃO
 
 
 
Só depois de três semanas de consagração é que Daniel teve o privilégio de ter como companhia um ser celestial; só depois de três semanas sem comida e sem vinho é que Daniel teve o privilégio daquela visão fantástica, nunca vista antes por ele.
 
Se você não se consagra, se você não jejua, como pode querer ter visões? Agindo assim você nunca terá a oportunidade de ver o cálice transbordante!  Observe que o ser celestial disse que a partir do momento em que Daniel se consagrou, caiu por terra toda espécie de orgulho, soberba; o Daniel desapareceu.  A humildade invadiu Daniel a partir desse ato penoso de submissão a Deus, e suas palavras passaram a ser ouvidas, passaram a ter poder e autoridade, um sentimento interior a Deus.
 
 
 

O MOVER DE DEUS APÓS A CONSAGRAÇÃO
 
 
 
O texto nos conta que durante as três semanas de consagração de Daniel, o ser celestial encarregou-se de lutar espiritualmente contra o príncipe da Pérsia, um demônio infiltrado no meio daquele reino, príncipe esse que bloqueava o contato entre Daniel e Deus.  Por isso a necessidade de Daniel perseverar em oração durante um período tão longo.
 
A luta espiritual é muito grande, muito penosa! Se Daniel tivesse parado antes de ver respondidas suas perguntas, ele não teria recebido uma bênção tão grande e tão distintiva. Precisamos perseverar, aqui em Tubarão também!  Pagaremos o preço em oração até que a porta se abra, até que os obstáculos saiam do caminho. Que aprendamos a nos consagrar a Deus! Que tenhamos sentimentos agradáveis a Ele!
 
Saiba que os demônios se posicionam acima de nós, abaixo de nós, e no meio de nós. São demônios de opressão, de inveja, de ciúme, de competição, de ganância financeira, de pequenos roubos, de corrupção, de perversão sexual, de fofoca...  Esses demônios estão aqui, mas já estão vencidos, em nome de Jesus! É a promessa de Deus para aqueles que orarem e jejuarem. Não se deixe contaminar e vencer por esses demônios!
 
 
 
O DIABO PROCURA TERRAS FÉRTEIS
 
 
 
Parece incrível, mas quando eu trabalhava na fronteira, era flagrante uma maior força do diabo na parte do Uruguai, do que na parte do Brasil. Ao atravessava-se uma avenida, já estávamos no Uruguai, e ali ficava mais difícil até para entregar um folheto! Do lado do Brasil, do lado de cá da avenida, tudo parecia mais solto, mais receptivo!
 
A verdade, minha gente, é que no Uruguai ninguém jejua, ninguém ora... As Igrejas só abrem no domingo!  Já no Brasil, uma população de 20 milhões de evangélicos oram pela libertação das almas. O Uruguai é um país de cultura muito parecida com a da Europa, com uma população fria, auto-suficiente.
 
Porém, depois de sete meses promovendo jejuns em Santana do Livramento, no lado de cá da fronteira, conseguimos abrir uma Igreja na vizinha cidade uruguaia de Rivera. Buscamos a Deus, nos consagramos, e deixamos de ser influenciados por aqueles demônios do Uruguai.
 
Muitas vezes a pessoa não é muda, nem surda! São apenas demônios da surdez e da cegueira que estão operando ali. Expulsa-se esses demônios e a doença some!
 
 
 
AÇÃO DOS DEMÔNIOS NAS PROFISSÕES
 
 
 
Nenhum crente deve se aventurar pelos caminhos da política sem antes cumprir um bom período de consagração, pois nesse meio encontra-se reinando o demônio da corrupção. Já vimos muitos crentes se enveredarem pela política e serem tragados pela vida mundana paralela a essa atividade. Os deputados crentes deveriam se reunir semanalmente para orar e jejuar, mas, ao contrário, a cada dia aumentam seus compromissos sociais, as festas regadas a bebidas, piadas, cigarros, promiscuidades. Mas eles consideram que essas coisas são necessárias para o bom andamento dos seus trabalhos.
 
 
Já os demônios da transsexualidade estão mudando as pessoas, incutindo nelas desejos abomináveis e insaciáveis. No meio artístico, principalmente, é vista claramente a ação nefasta desse demônio: homens e mulheres do vídeo e do palco mudam suas atitudes, vítimas do demônio da perversão sexual.
 
Vemos na televisão, principalmente, mulheres masculinizadas, homens afeminados, pessoas que assumem publicamente seu envolvimento nessa perversão, tentando passar para o público que essas atitudes são coisas normais. Outros ousam defender o casamento entre pessoas do mesmo sexo, e vai por aí. É a vitória do demônio sobre boa parte da classe artística.
 
 
 
 
AÇÃO DOS DEMÔNIOS NAS IGREJAS
 
 
 
E na Igreja? Será que eles atuam aqui, também? É claro que atuam! O principal deles é o demônio da fofoca, e costuma tirar muitas vantagens. Certos encontros de irmãos para jantinhas, churrasquinhos, invariavelmente acabam em fofocas, em maledicências sobre líderes da Igreja, sobre irmãos, comportamentos gerais...  Precisamos impedir esses acontecimentos!  Quando uma pessoa começar a falar mal de outro irmão, corte sutilmente o assunto!  Não empreste seus ouvidos para ouvir coisas que não edificam nem a quem está falando, e muito menos a quem está ouvindo! Recuse-se a ser envolvido por esses demônios!  Isso não glorifica a Deus!
 
 
 
AUTOR
Pr. Bartolomeu Severino de Andrade
 
 
 
Esta pregação aconteceu em 07/06/1992, tendo por local a Igreja ADI, em Tubarão/SC. Os trabalhos de gravação, formatação e edição foram produzidos por Walmir Damiani Corrêa  —  www.elevados.com.br.
 

 

Por: Bartolomeu de Andrade

Publicado em 07/04/2014

Procedência - www.elevados.com.br

Todos os direitos reservados ©elevados.com.br 2013 - 2022