Vida Geométrica

 

 VIDA

GEOMÉTRICA

 

 

 

 

Como os homens começaram a multiplicar-se sobre a terra, e lhes nasceram filhas, viram os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas, e tomaram para si mulheres de todas as que escolheram. Então disse o Senhor: “Não permanecerá o meu Espírito para sempre com o homem, pois este é mortal; os seus dias serão cento e vinte anos.” Havia naqueles dias gigantes na terra, e também depois, quando os filhos de Deus conheceram as filhas dos homens, as quais lhes deram filhos. Estes foram valentes, os homens de renome que houve na Antiguidade.  Viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra, e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era má continuamente.  Então arrependeu-se o Senhor de haver feito o homem sobre a terra, e isso lhe pesou no coração. Disse o Senhor: “Destruirei de sobre a face da terra o homem que criei, tanto o homem como o animal, os répteis e as aves do céu; pois me arrependo de os haver feito.” Noé, porém, achou graça aos olhos do Senhor. São estas as gerações de Noé. Era ele homem justo e íntegro em suas gerações, e andava com Deus.  Gerou Noé a três filhos: Sem, Cão e Jafé. A terra, porém, estava corrompida diante de Deus, e cheia de violência. Viu Deus a terra, e que estava corrompida, pois todas as pessoas haviam corrompido o seu caminho sobre a terra.   (Gênesis 6:1-12)

 
 
 Da mesma forma como os alimentos são o sustento para o nosso organismo, a Palavra de Deus é o alimento para o nosso espírito, vindo no momento certo, no momento em que mais precisamos, alimento este chamado de “Pão dos poderosos”, num dos salmos.
 
Falando em “Pão dos poderosos”, lembramos do profeta Elias, naquela passagem registrada em 1 Reis 19.  Elias chorava decepcionado com o seu povo, pois era tanta a cegueira espiritual, que estavam matando a todos os profetas. Só estava restando ele, e mesmo assim encontrava-se fugitivo, descansando sob uma árvore, cansado, faminto e já sem forças.
 
Era o tempo do reinado do rei Acabe, tempo de prostituição, idolatria, tempos tenebrosos na história de Israel. Jezabel, a mulher do rei Acabe, mandou matar a Elias, que profetizara contra os procedimentos do reino.
 
Pecado, prostituição, idolatria, irreverência...  Servir a Deus é coisa muito séria, irmãos!  Nós não podemos resistir àqueles que estão fazendo a obra de Deus, pois isso fatalmente trará maldição para a nossa própria vida, para a nossa própria casa.  E quando essa irreverência é generalizada, ela traz maldição para a nossa comunidade, ou para a nossa cidade e até para o nosso país! A proporção é a mesma!  Se você anda em pecado, você traz maldição para a sua casa, para o seu emprego...
 
Para se ter idéia, a maldade nos dias de Noé era tanta que Deus chegou a arrepender-se de ter criado o homem. Já pensaram sobre isso, irmãos? Que coisa triste! Como estávamos falando no início, é nas situações mais difíceis que os crentes veem a glória de Deus; é nos piores momentos de nossa vida que Deus se revela a nós.
 
 
 
 
Elias estava clamando a Deus que o levasse desse mundo, pois nada mais tinha a fazer aqui. Todos o desprezavam por não se adaptar à vida de pecado de Israel e combatê-la. Jezabel mandou homens para matá-lo, pois só sobrava ele de profeta.
 
Não é por acaso que Deus, num dos Salmos, diz para não se tocar nos Seus ungidos. Deus lhe manda um anjo consolador, trazendo-lhe uma comida forte, poderosa e revigorante.
 
 
Elias, com aquela comida, se levantou e recebeu encargos de Deus:  teria que ungir pessoas, teria que sofrer muito, mas estaria forte para enfrentar as lutas. Andou mais quarenta dias e quarenta noites, após ter comido aquela comida, chamada “Pão dos poderosos”.
 
 
Deus tem enviado esse pão para os Seus. Quando os tempos são duros, e nos cobrem as trevas, Deus tem mandado luz!  Muitos tem tentado ler a Bíblia com o seu intelecto, mas devem fazê-lo com orações. É ela o “Pão dos poderosos”, é dela que vem alimento, força, coragem, graça, sustento, tudo para a glória de Deus.
 
Mas, é necessária uma postura correta para que se consiga o “Pão dos poderosos”. Precisamos ter alguns cuidados no nosso dia-a-dia, no nosso relacionamento com Deus e com os nossos semelhantes.
 
A vida, dessa maneira, pode ser vista geometricamente: há uma linha vertical, uma horizontal e outra perpendicular. Do bom traçado das duas primeiras, depende o traçado subsequente da terceira.
 
Noé teve essa vida geométrica, seguindo essas linhas espiritualmente.  Ele achou graça aos olhos do Senhor, vivendo em meio a níveis absurdos de perversidade e de corrupção.  Enquanto mantinha um bom relacionamento com seus semelhantes (linha horizontal) e com Deus (linha vertical), Noé estava conseguindo traçar a linha perpendicular na sua vida, ou seja, resultado do equilíbrio, da autoridade de vida.
 
Noé era justo e reto em suas gerações, diz o nosso texto. Eis aí a sua linha horizontal: tinha os mesmos problemas que nós temos, mas agia de forma diferente. Tinha um jeito de santo, um olhar diferente. Noé vivia uma horizontalidade.
 
O verso 9 diz que ele andava com Deus, que tinha comunhão com Deus. Agora vemos a sua verticalidade, a sua vida de acordo com a vontade de Deus: sua linha reta na direção terra-céu.
Procure observar que uma cruz possui uma linha horizontal e outra vertical. Não deve ter sido mera coincidência Deus ter escolhido a cruz como instrumento de morte para o Seu Filho. Deus quer essa postura de vida!  Cristianismo não é só linha vertical, mas horizontalmente, também. A retidão dessas linhas traz perpendicularidades! Essas duas ações conjuntas trazem como resultado aquilo que podemos chamar de “vida justa” diante de Deus.
 
Como está o teu relacionamento com o teu irmão?  Aquele que só pensa em Deus e não se preocupa com o seu semelhante, viverá um misticismo!  O contrário disso também não é bom: é o que se chama de humanismo.
 
Os homens gostam muito dos extremos, porém a vida cristã é resultado de equilíbrio: vida com Deus e vida com os irmãos.  Só assim a linha perpendicular terá ponto.
 
Quem tem ressentimentos, não receberá bênçãos de Deus.  João diz que quem ama a Deus e não ama a seus irmãos, está mentindo, pois aquele que realmente tem Deus no coração, não tem barreiras. Você pode hoje levantar e olhar todos os seus irmãos e dizer: “Eu te amo”?
 
E a linha vertical? Você tem jejuado, orado de madrugada, procurando contato com o Senhor? Se tem, você está pronto para achar graça diante de Deus. Noé cuidava de Deus, mas não se descuidava com os seus semelhantes.  A linha perpendicular se delineava na sua vida!
 
Outra visão geométrica na vida espiritual, é que as linhas vertical e horizontal, têm que ser retas, pois se não forem, também não proporcionarão a perpendicularidade.  Noé era justo e reto. Na convivência com as coisas de Deus, não pode haver hipocrisia, falsidade!  Sim, sim; não, não!
 
É difícil!  Não é fácil, não!  Tem que haver um equilíbrio!  Se não consigo ser correto com meu irmão, não chegarei retamente até Deus!  Não acontecerá a perpendicularidade!  Sem retidão, não herdaremos a Cidade Santa, que na Bíblia é chamada de “Cidade Reta” .
 
Vamos pensar mais nisso!  Vamos abrir nossos corações!  Como está o teu relacionamento com Deus e com os teus semelhantes?  Como estão as tuas linhas vertical e horizontal? Estão conseguindo produzir uma linha perpendicular?  Se você tem linha oblíqua, sinuosa, você não atingirá a perpendicularidade. Por conseguinte, não achará graça diante do Senhor!
 
 
 
AUTOR
 
Pr. Bartolomeu Severino de Andrade
 
 
 
Esta pregação aconteceu em 27/09/1992, tendo por local a Igreja ADI, em Tubarão/SC. Os trabalhos de gravação, formatação e edição foram produzidos por Walmir Damiani Corrêa  —  www.elevados.com.br.
 

 

Por: Bartolomeu de Andrade

Publicado em 07/04/2014

Procedência - www.elevados.com.br

Todos os direitos reservados ©elevados.com.br 2013 - 2022