Mormonismo: os delírios de Joseph Smith

 


MORMONISMO:

        OS DELÍRIOS DE JOSEPH SMITH            

               

 

 

 

1. COMO RECONHECER UMA SEITA

 

 

Nossas pesquisas sobre seitas, neste site, baseiam-se nos ensinos de mestres como Augustus Nicodemus, Paulo Romeiro e Antônio Gilberto, verdadeiras autoridades no assunto.  Fazemos questão dessas referências porque esses grupos não gostam de ser chamados de “seita”. Assim, resumindo um excelente artigo de Augustus Nicodemus Lopes, pretendemos deixar bem claro o porquê da classificação do Mormonismo como “seita”.

Vejamos como ele nos ensina a reconhecer uma seita:

 

Jesus advertiu Seus discípulos de que viriam falsos profetas usando o Seu nome e ensinando mentiras, tentando desviar as pessoas da verdade. (Mateus 24:24). O apóstolo Paulo também falou dessas pessoas mentirosas, inspiradas por espíritos enganadores. (1 Timóteo 4:1-2)

Estas são as cinco principais características das seitas conhecidas:

1) Seguem fontes diferentes da Bíblia: Forjam seus próprios livros; garantem ter recebido revelações diretas da parte de Deus ou através de anjos; aceitam palavras de seus líderes como autoridade divina; normalmente colocam o valor da Bíblia abaixo dessas outras “revelações”;

2) Diminuem a importância de Jesus Cristo: Embora falem bem de Jesus, não O consideram como verdadeiro Deus e verdadeiro homem, nem como o único Salvador da humanidade. Normalmente O reduzem a um homem bom, divinizado, um espírito aperfeiçoado através de muitas encarnações, ou a mais uma manifestação diferente de Deus, igual a Buda, Maomé, etc. É normal ver-se seitas colocando outras pessoas no lugar de Cristo;

3) Todas ensinam a salvação pelas obras: Acreditam que a bondade do homem o leve à salvação; algumas consideram a fé como um ato humano meritório, diferindo radicalmente do ensino bíblico da salvação pela graça mediante a fé;

4) Só existe salvação através delas: Enquanto os cristãos reconhecem que a salvação é dada a qualquer um que se arrependa dos seus pecados e creia em Jesus Cristo como Salvador (não importando a denominação religiosa), as seitas ensinam que não há salvação fora de sua crença e de sua comunidade;

5) Consideram-se o único grupo remanescente: Elas ensinam que receberam algum tipo de unção secreta que Deus havia guardado para perto do fim do mundo. A chegada do ano 2000 trouxe consigo muitas seitas desse tipo.

 

Gostaríamos de dizer, porém, que nem todas os seguidores de seitas são pessoas desonestas ou mal intencionadas, pois muitas são pessoas sinceras, vítimas de falsos ensinos, daí a necessidade em estudar essas “novidades” que aparecem por aí. 

 

 

2.  INTRODUÇÃO

 

 

Atualmente, os seguidores dessa Igreja são facilmente identificados publicamente, pois seus missionários espalham-se pelas cidades, caminhando em duplas, cabelo curtinho, camisa branca com mangas curtas e gravada, e uma mochila nas costas. Caso isso não seja suficiente, eles também ostentam um crachá de identificação. As literaturas que costumam carregar são uma Bíblia Protestante e um livro enigmático, que traz o desenho de um anjo na sua capa, entidade essa chamada de “Moroni”.

 

 

3.  HISTÓRICO DA IGREJA

 

 

3.1  Joseph Smith Jr.

 

 

Essa seita tem como fundador Joseph Smith Jr., um norte-americano nascido em 23/12/1805 na cidade de Sharon (estado de Vermont), que se decepcionava com as coisas que não entendia nas igrejas que frequentava. Filho de presbiterianos, foi criado em meio à ignorância, pobreza e superstição, fora dos centros urbanos. 

Como todo bom fundador de seita, Smith declara ter recebido uma série de visões e profecias, que serviram de base para uma nova Igreja, incluindo Deus Pai, Jesus Cristo e um anjo chamado Moroni. A partir de todas essas visões o fundador passou a ter subsídios para formar a doutrina completa para a nova Igreja, ou seja, o “Livro de Mórmons”.

Aos 10 anos, Joseph Smith e família foram morar na cidade de Palmyra (NY), onde começaram a acontecer as visões e profecias na vida dele.

Joseph Smith Jr.

 

a) Primeira Visão

 

A primeira “visão” de Smith aconteceu aos 14 anos, quando ele diz ter visto Deus Pai e Jesus Cristo num bosque próximo à sua casa. Segundo ele, estava orando para saber que Igreja deveria frequentar, quando aconteceu o seguinte:

 

[...] a luz pousou sobre mim, vi dois Personagens cujo esplendor e glória desafiam qualquer descrição, pairando no ar, acima de mim. Um deles falou-me, chamando-me pelo nome, e disse, apontando para o outro: — Este é Meu Filho Amado. Ouve-O!”

 

Resumindo, foi respondido a Joseph que ele não deveria unir-se a nenhuma das Igrejas existentes daquele tempo, pois todas elas estavam erradas e seus líderes se aproximavam de Deus apenas com a boca e não com o coração.

 

b) Segunda Visão

 

Essa visão aconteceu em 1823 e foi bem mais completa. Segundo Joseph,  apareceu-lhe o anjo Moroni, filho do profeta chamado Mórmon, que fazia parte de uma civilização antiga vinda de Jerusalém para morar naquela região norte-americana, obedecendo a uma ordem divina.  Mórmon teve o trabalho de gravar a história do seu povo em placas de ouro, as quais foram enterradas junto a um monte, ali perto, 1.400 anos antes.

Nessa visão, o anjo Moroni contou a Joseph Smith onde estavam enterradas as tais placas, ao mesmo tempo em que lhe emprestou umas pedras especiais que funcionariam como uma espécie de lente. Com esses instrumentos, Smith poderia ler e traduzir o que estava grafado nas placas.

Após traduzir para o inglês o conteúdo das placas, Smith devolveu as pedras-lentes para o anjo Moroni, passando a imprimir os textos, que resultaram no “Livro de Mórmon”, até hoje utilizado pelos seguidores da denominação.  A coisa mais estranha nisso tudo é que nem os escritos e nem as pedras foram vistos por outra pessoa, além de Joseph Smith Jr.

Somente três anos depois é que Smith teve autorização do mensageiro Moroni para desenterrar as placas, quando traduziu-as para o inglês, com o auxílio de Urim e Tumim. Como uma homenagem ao profeta-pai do anjo Moroni, o livro veio a se chamar “The book of Mormon” (O livro de Mórmon). Abaixo, a aparição de Moroni e a tradução sigilosa das placas.

 

 

3.2  Fundação da Igreja

 

 

Com apenas 23 anos, Joseph Smith já havia se casado com Emma, transferindo-se depois para a cidade de Harmony (atualmente Oakland) no estado da Pensilvânia, quando tentou se filiar à Igreja Metodista. Segundo o livro “Mormon’s Claims” (Reinvindicações dos Mórmons), ele não foi aceito porque estaria envolvido com “necromancia, adivinhações e fantasmas sangrentos.” (MORMON’S CLAIMS, p.8)

Em 1830 Smith e alguns convertidos da sua comunidade passaram a organizar a “Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”, imediatamente se considerando como a única igreja verdadeira, não existindo salvação para quem estivesse fora dela. O leitor lembra do alerta do Pr. Augustus Nicodemus, no início deste estudo, sobre essa característica comum entre as seitas, que só eles serão salvos?

 

 

3.3  Perseguições

 

 

As heresias proclamadas, acompanhadas de fortes críticas às demais denominações já existentes, resultaram num estado de guerra com toda a sociedade, gerando perseguições bem próprias da época, onde a força costumava substituir a lei vigente. Onde quer que o grupo se instalasse, logo era forçado a mudar-se, pois eram vistos como um perigo, sendo acusados de imoralidades, falsificação, e de dar proteção a criminosos foragidos da justiça, entre outros delitos.

A década de 1830 oportunizou sucessivas mudanças de cidade para os “Santos dos últimos Dias”. A princípio, transferiram-se para o estado de Nova York, depois para Ohio, onde edificaram o primeiro templo, na cidade de Kirtland (1836), indo depois para o Missouri, e depois ainda para Illinois.  

 

 

2.4  Fundação de Nauvoo

 

 

Foi no estado de Illinois que fundaram a comunidade de Nauvoo, que logo se transformou em cidade. Sempre baseado de revelações, Smith implementou leis, como a Lei da Consagração, onde os membros deveriam dispor seus bens ao bispo da Igreja, bens que eram divididos entre os membros de forma igualitária. Esse modo de organização econômica deu a eles muita prosperidade e rapidamente a cidade cresceu e todos tinham uma altíssima qualidade de vida.

Para se ter ideia dos planos presunçosos de Joseph Smith, a comunidade religiosa de Nauvoo passou a buscar uma independência política, ou seja, com leis próprias, exército, nomeação de generais, dando respostas militares e ditatoriais aos opositores dentro da própria comunidade. Foi nessa época de delírios, que Joseph Smith resolveu candidatar-se à Presidência dos Estados Unidos.

Sonhos aumentados, perseguições dobradas!  A oposição que até ali era apenas religiosa passou a ter dimensões políticas enormes. As ilustrações abaixo mostram o reboliço em que vivia a comunidade dos “Santos dos Últimos Dias”, unificando suas propriedades, etc. Também abaixo, um recorte de jornal da cidade de Nauvoo (1844), divulgando a candidatura do “General” Joseph Smith para a Presidência do país.

Em março desse ano, ele começou a organizar o “Reinado de Deus”, também chamado de “Conselho dos 50”,  para ser a “a mais alta corte na Terra”. Nesta organização, Joseph permitiu-se ser ordenado “rei dos reinos sobre a casa de Israel para todo o sempre”. 

Nauvoo (1846)

A sociedade da região estava tão enfurecida com eles, que Joseph Smith e seu irmão Hyrum foram presos em Carthage. Ocorreu que uma turba invadiu a cadeia, matando aos dois líderes. Lembramos que essa história toda se desenrolou na primeira parte do século XIX, época da colonização norte-americana, tempo “mocinhos e bandidos”, tão mostradas nos filmes da história norte-americana.

 

 

3.6  A sucessão de Joseph Smith

 

 

Com a morte de Joseph Smith, a Igreja dividiu-se em várias facções, algumas tentando modificar o que era defendido pelo fundador, enquanto que outras procuravam manter as histórias das placas de ouro, transferidas para o “Livro de Mórmon”.  Algumas dessas facções permanecem se digladiando até os dias de hoje.

Para não nos aprofundarmos demais no assunto, mencionaremos apenas as principais facções que apareceram com a morte do fundador Joseph Smith Jr., também chamado de primeiro presidente. Para efeito de sucessão natural, é bom registrarmos que o candidato natural seria Hyrum Smith, o irmão do fundador, mas ele também foi assassinado na prisão.

 

   a)  Brigham Young

 

Esse homem havia sido um fiel discípulo de Joseph Smith, vindo a lutar pela manutenção dos ensinos iniciais, estabelecendo-se no Estado de Utah, em 1847, no local onde hoje existe a famosa cidade de Salt Lake City. Com certeza, essa é considerada a verdadeira continuação da Igreja de Joseph Smith, que começou a alcançar o mundo pelos apóstolos do Mormonismo.

 

   b)  Bloomington, a Palestina americana

 

Uma segunda facção é aquela que passaria a se chamar de  “Igreja de Cristo do Lote do Templo”, com sede inicial na cidade de Bloomington, no estado de Illinois.  Esse grupo passou a considerar sua cidade como o lugar onde Cristo haveria de voltar, e não mais na Palestina, como era ensinado anteriormente por Smith. O templo de Cristo seria edificado num lote (terreno) onde se encontrava a sede de Igreja.

Essa Igreja permanece até os dias de hoje, possuindo milhões de membros, comais de 40 mil missionários espalhados pelo mundo e uma renda mensal aproximada de milhões de dólares por dia.

 

   c) James Strang

 

Paralelamente aos acontecimentos do Missouri, Utah e Illinois, principalmente na localidade de Nauvoo, outra liderança começava a despontar nos estados de Michigan, Indiana, Wiscousin e também Illinois, embora o líder fosse um recém-convertido (poucos meses). O início dos trabalhos dessa nova Igreja aconteceu dois meses após a morte de Smith.

James Strang apresentava uma Carta de Compromisso, onde Smith o estaria designando como seu sucessor na direção da Igreja. Também apresentou uma declaração escrita pela mãe e pelas três irmãs de Smith, onde se lia que "a família Smith acredita na nomeação de JJ Strang”.  Além disso, ele contava com um apoio superior a 12.000 pessoas, incluindo membros importantes da denominação, que o consideravam como “profeta, vidente, revelador e um tradutor” da Igreja.

James Strang escreveu um livro chamado “O livro da Lei do Senhor”, onde registrou as revelações que ele teria recebido entre 1844 e 1849, como a tal carta onde Smith o apoiaria como sucessor, e também suas declarações de que anjos o teriam ordenado presidente no momento em que Smith estava sendo morto. Está tudo ali no livro.

Strang atraiu muitos seguidores, pois seu estilo de liderança (profecias contínuas) combinava com o estilo do fundador. Recebeu forte oposição de Brigham Young, que defendia a ideia de que não haveria mais profetas entre os “Santos dos Últimos Dias”, quando dizia: "Vocês não tem mais um profeta, mas vocês tem apóstolos". A briga entre os dois postulantes foi tão grande, que cada um deles se deu o direito de “excomungar” ao outro.

A facção de Strang não sobreviveu ao golpe da morte do seu líder, baleado por dissidentes em 1856, doze anos após a organização. Os remanescentes foram expulsos de Michigan por uma multidão, contentando-se em juntaram-se à facção recentemente criada por Joseph Smith III, que ostentava o nome de “Comunidade de Cristo”.

 

d)  Joseph Smith III

 

O filho mais velho de Joseph Smith Jr. era apenas um garoto quando seu pai foi assassinado. Assistiu à divisão acontecida na Igreja, como as lutas entre Young e Strang, só se dispondo a assumir a liderança deixada pelo seu pai quando chegava aos 28 anos.

Na verdade, ele não concordava com as ideias do seu pai, como o racismo em relação aos descendentes africanos, passando a ordenar seguidores de todas as raças e, mais tarde a ordenação de mulheres. 

Sintetizando a “briga” histórica entre os postulantes à presidência da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, entendemos que a Igreja atual tem suas bases nos esforços de duas facções: Brigham Young e James Strang.

 

 

3.6  Organização  atual

 

 

Atualmente, a Igreja é dirigida por um profeta vivo e mais 12 apóstolos, imaginando estar imitando as bases da Igreja Primitiva de Cristo. Eles aceitam a Bíblia como escritura sagrada, mas têm um livro próprio de interpretação, o Livro de Mórmon, que reúne relatos de apóstolos do continente norte-americano.

Procurando ser “politicamente corretos”, e evitar críticas, os mórmons afirmam reconhecer a Bíblia como um livro sagrado, apesar de continuar usando o “Livro de Mórmon” como seu instrumento próprio de interpretação.

Segundo Fernando Altemeyer, teólogo da PUC, quanto à evangelização os mórmons sabem fazê-lo como poucos, pois são muito bem treinados, ao contrário do que ocorreu com os católicos, por exemplo, que foram se acomodando, abandonando a missão nas mãos dos padres.  Desde criança eles aprendem a colocar em prática os princípios cristãos, participando semanalmente das Escolas Dominicais. Um dos exemplos mais impressionantes são as detalhadas orientações sobre como viver a harmonia familiar.

 

 

4. LITERATURA MÓRMON

 

 

Procuraremos relacionar os livros criados pela Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, literatura que sustentam boa parte de sua doutrina.

 

 

4.1  Livro de Mórmon

 

 

Para que possamos entender o que será escrito daqui para a frente, lembramos que este livro seria o resultado da tradução das placas de ouro desenterradas em Palmyra.

Escrito em 1829, a primeira tradução do “Livro de Mórmon” para o português só apareceu em 1938, composto de 15 livretos, os quais eram divididos em 239 capítulos e 6.553 versículos. Apesar de considerar a Bíblia um livro mutilado por erros, e que Satanás a usou para escravizar os homens, o “Livro de Mórmons” reproduziu vários capítulos inteiros da própria Bíblia, como Isaías e Jeremias, por exemplo. Quem consultar o seu Livro de Nefi, capítulos 13:28,29 e 29:3,6 testemunha os ataques desse livro às Escrituras Sagradas.

No começo, a linguagem desse livro era paupérrima, vindo a sofrer várias correções posteriores. Entretanto, o que causa estranheza é que os trechos copiados da Bíblia possuíam uma linguagem erudita. Além dessas cópias, ali também podem ser vistas transcrições de tratados inteiros das Igrejas Anglicana e Metodista. Que credibilidade pode ter esse livro, como guia de fé?

Neste momento, passaremos a mostrar alguns fatos e registros que provam como esse livro é fruto da imaginação humana e nunca uma obra inspirada pelo Espírito Santo de Deus.

 

a) Grande parte do conteúdo deste livro foi copiada de um romance escrito por Salomão Spaulding, um pastor presbiteriano aposentado, que passou sua vida tentando relatar uma história fictícia dos habitantes primitivos do continente americano;

b) Descobertas arqueológicas desmentem as afirmações a respeito dos nome, costumes, caráter e língua desses homens primitivos;

c) Neste livro aparecem aproximadamente 10 mil transcrições da Bíblia Sagrada, versão inglesa “King James”, criada em 1611. Pergunta-se como essas citações poderiam constar nas placas de ouro, que foram enterradas por volta do ano 423 d.C.?  Basta fazermos um simples cálculo da data da civilização de Mórmon (pai do anjo Moroni), história contada por Joseph Smith sobre sua segunda visão.

d) O livro apresenta personagens desconhecidos que teriam vivido séculos antes de Jesus, atribuindo-lhes afirmações famosas de Jesus nos Evangelhos. Por outro lado, mostram Jesus falando coisas que nunca poderiam ter saído de Sua boca, mas de pessoas incultas;

e) Apenas três testemunhas viram as tais placas de ouro desenterradas: Oliver Cowdery,  David  Whitmer e Martins Harris, pessoas consideradas como “testemunhas” por Joseph Smith. Mais tarde, porém, o próprio Smith chamou essas três pessoas de “ladrões e mentirosos”, como pode ser pesquisado na página 461 do volume IV do seu livro “História da Igreja”;

f) Outra dúvida interessante é como o conteúdo de um livro poderia ter cabido em algumas placas gravadas.

 

 

4.2   Outros escritos

 

 

Como seria muito difícil estudarmos cada publicação mórmon desde o início da sua história, apenas relacionaremos literaturas citadas na nossa pesquisa, porém destacando as três primeiras como fundamentais.

 

•  Doutrinas e Pactos 

•  A pérola de grande preço 

•  Jornal dos Discursos

•  Regras de Fé

•  História da Igreja

•  Meditação e Expiação

•  Quem são os Mórmons

•  Doutrinas Mórmon (Joseph Smith)

•  Tratado sobre Livre Arbítrio e Declaração de Fé

•  Reinvindicações dos Mórmons

 

 

 

4.3  Características de Seita

 

 

A exemplo de outras seitas, o Mormonismo também possui doutrinas exóticas e antibíblicas, como se pode constatar não livro “Regras de Fé”, normas aceitas até hoje. Vejamos algumas “verdades” ensinadas pelos mórmons:

 

4.4.1  Heresias

 

• A Bíblia possui muitos erros de tradução, e só ficou completa com o acréscimo dos livros “Livro de Mórmon”, a “Doutrina e Pactos” e “A Pérola de Grande Preço”;

• Deus chamava Jesus de primogênito porque Ele era o irmão mais velho da humanidade;

• Quando Deus chegou ao Éden, trouxe Eva com Ele, uma de Suas esposas. (Jornal dos Discursos, Vol.1, págs. 50/51);

• A Igreja [de um modo geral] foi expulsa deste mundo nos dez séculos após Jesus Cristo e só foi restabelecida pelo profeta Joseph Smith no século XIX. (Meditação e Expiação, pág. 170, 171-178);

• Jesus Cristo não foi gerado pelo Espírito Santo (Jornal dos Discursos 1-50).

• Os homens serão punidos pelos próprios erros e não pela transgressão de Adão;

• O matrimônio é um contrato sagrado, divino, sendo que seu elo persiste na eternidade (“Quem são os Mórmons”, p.13).

• Os humanos já viviam antes do seu nascimento. Enquanto estiverem na vida terrestre, têm de provar que são dignos de voltar a viver no paraíso. Assim, vão esperando a segunda vinda de Jesus;

• Jesus era filho natural de ADÂO com MARIA [virgem Maria], transformando-se no primeiro bebê da raça humana (Brigham Young, no Jornal dos Discursos, p.50,51)

• Jesus era polígamo, sendo que três esposas a serem citadas são as irmãs Marta e Maria (irmãs de Lázaro) e Maria Madalena.  Por sinal, a festa de Caná da Galileia festejava um dos Seus casamentos. (Jornal dos Discursos, vol2, p.80);

• O castigo de Deus é eterno, podendo durar uma hora, um dia, um ano ou uma era. (Plano de Salvação, p.35). Outro erro, desmentido por 1 João 2:17 e Mateus 25:46. 

• A humanidade pode ser salva através do sacrifício de Cristo, desde que obedeça às leis e regras do Evangelho;

• As operações do Espírito Santo, é diferente daquelas ensinadas pelo Novo Testamento;

• Uma pessoa só pode ser chamada por Deus através de profecia e imposição de mãos de quem já possua autoridade para isso;

• O governo milenial acontecerá nos Estados Unidos, pois a Nova Jerusalém será construída naquele país, (Apocalipse 21:22), no estado do Missouri, onde Cristo reinará pessoalmente sobre a Terra, que será renovada e receberá a Sua glória paradisíaca;  (Doutrinas e Pactos 84:1-5)

• Joseph profetizara que a Casa de Nauvoo pertenceria sempre à família dele mas foi abandonada por todos após a sua morte; (Doutrinas e Pactos, 124:56-60),

• Smith profetizou que seus inimigos seriam confundidos ao procurar destruí-lo. No entanto, ele foi morto à bala, numa prisão, em 1844; (2 Nefi 3:14)

• Jesus esteve nos Estados Unidos na época da Sua ressurreição, procurando falar com os apóstolos, como Mórmon, aquele que deu nome aos seguidores da Igreja, pai do anjo Moroni;

• Enquanto a Bíblia profetizava que Jesus nasceria em Belém (Miquéias 5:2 e Mateus 2:1), os mórmons dizem que Jesus deveria ter nascido em Jerusalém, que é a “terra dos antepassados dos mórmons” (Alma 7:10);

• Hebreus 6:1,2 quer dizer que os que ainda estão na carne fazem trabalho vicário para os seus mortos, tornando-se salvadores do Monte Sião.  (Planos de Salvação, p.32)

• No volume 2 do livro “História da Igreja” (pág.182), Joseph Smith profetizou e em 1835 que a vinda do Senhor aconteceria em 1891;

• Os princípios do Evangelho são: fé no Senhor Jesus, arrependimento, batismo por imersão para remissão dos pecados e imposição de mãos para que se receba os dons do Espírito Santo;

• Existe uma cerimônia mórmon chamada “Batismo Vicário”, quando os membros sentem saudades de seus antepassados mortos. Como eles creem que os mortos continuam a progredir espiritualmente, e eles não tiveram oportunidade de se batizarem enquanto estavam vivos, a Igreja promove essa cerimônia, bati\ando esses “defuntos”, pensando em melhorar sua situação de crescimento espiritual. Esse tipo de cerimônia não pode ser assistida por visitantes ou pessoas não iniciadas na fé dos mórmons.

• A vocação sacerdotal só é legítima quando desempenhada por um mórmon.

• "A fé, o arrependimento, o batismo, o recebimento do Espírito Santo pela imposição das mãos, a moralidade, a lealdade, o dízimo, a palavra da sabedoria, o dever, o casamento celestial (por toda a eternidade)," é a base do Evangelho? (Tratado sobre Livre Arbítrio e Declaração de Fé, artigo 4)

• Bruce McConkie (p.163,164) Garante que “Lúcifer, o filho da alva, é nosso irmão mais velho, e irmão de Jesus Cristo.”

• Para encerrar: Sem imaginar que um dia homens chegariam à lua, Smith fez a seguinte profecia: “Os habitantes da lua têm tamanho mais uniforme que os habitantes da Terra, com cerca de 1,83m de altura. Vestem-se muito à moda dos quackers e seu estilo é muito geral, com quase um tipo só de moda. Têm vida longa, chegando a quase 1.000 anos.”

 

REFUTAÇÃO BÍBLICA

 

Assim como a maioria das seitas, os mórmons dizem acreditar na maioria das doutrinas bíblicas, porém há uma grande distância entre o que eles dizem crer e o que eles põem em prática. Vamos, agora, com a Bíblia na mão, refutar as heresias mencionadas acima:

 

• Sobre corpo de Deus ser igual ao nosso (carne e osso), convidamos a ler João 4:24  e Lucas 24:39.

• Lúcifer foi criado por Deus (Ezequiel 28:15).

• Casamento não é sacramento e acaba com a vida terrestre (Mateus 22:30).

• Quanto a Jesus ter sido casado, polígamo, e ainda por cima filho de Maria com Adão, basta que citemos João 1:1,14. Quanto a não ter sido gerado pelo Espírito Santo, leiamos Lucas 1:34,35 onde o anjo respondeu a Maria que desceria sobre ela o Espírito Santo.

• Sobre a afirmação de que a Igreja de Cristo foi restaurada por Joseph Smith, leia o que diz Mateus 16:18:  “Porque ninguém pode pôr outro fundamento, além do que está posto, o qual é Jesus Cristo." Vamos repetir o que está escrito: Nenhum outro fundamento!!!  Só Jesus é a Pedra de Esquina, o fundamento para a Igreja (Efésios 2:20)

Veja também que em Gálatas 1:9 o apóstolo Paulo adverte veementemente: “Se alguém vos anunciar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema".  E nós repetimos a advertência de Paulo para os que tentarem nos convencer com um NOVO EVANGELHO: Seja anátema!!!  Sabe o que quer dizer isso?  Seja maldito!!!  Seja expulso!!!  Seja excomungado!!!  “Afastado da comunidade” 

• A respeito da afirmação de que Joseph Smith recebeu o Sacerdócio Araônico de João Batista e o Sacerdócio de Melquizedeque em 1829, veja o que diz Deuteronômio 18:20,22 e depois leia acima o que aconteceu com esse “profeta” mórmon, na cadeia.

 

“[...] Mas o profeta que presumir de falar em meu nome alguma palavra que eu não lhe tenho mandado falar, ou que falar em nome de outros deuses, o tal profeta será morto. [...] Quando tal profeta falar em nome do Senhor, e o que disse não acontecer e nem se realizar, essa palavra não procede do Senhor. Com soberba a falou tal profeta. Não tenhas temor dele.

 

Teríamos que nos preparar para escrever um livro, caso pretendêssemos refutar tudo o que já lemos ou ouvimos dos “Santos dos Últimos Dias”.  Fiquemos por aqui. Nossos leitores poderão se aprofundar pesquisando em livros e na internet.

 

 

4.4.2  A prática da Poligamia

 

 

Além do que Augustus Nicodemos já nos deixou ensinado, no início deste estudo, devemos acrescentar o seguinte: sempre que se deseje conhecer o caráter de qualquer movimento ou religião, precisamos conhecer o caráter do seu fundador ou idealizador, pois as duas coisas andam de mãos dadas.

Quanto ao nosso caso deste momento, podemos afirmar que Joseph Smith Jr. era polígamo, tendo possuído 33 esposas e 44 filhos, costume abandonado por eles em 1890. Existem outros grupos que defendem a poligamia, mas isso não tem nenhuma associação com a atual Igreja dos Mórmons.

Há uma pesquisa feita pelo historiador Todd Compton, que garante a existência de 33 esposas durante a vida de Joseph Smith Jr., havendo uma quantidade maior de adolescentes, atração sexual que pode explicar sua tendência para a poligamia.

Logicamente, os mórmons explicam essa tendência como uma forma de imitar os velhos patriarcas hebreus do Antigo Testamento. Eles chamavam de “Selagem” à iniciativa de um homem casado se juntar a outras mulheres, mas defendem que o ato sexual não era praticado com elas. Também justificam que o fato de receberem mais esposas virgens (a partir de 14 anos) era para “suscitar posteridade”, ou seja, para “povoar a Terra”.

É muito vasto o registro das mulheres que se prestaram ao concubinato, na vida de Joseph Smith, inclusive de nascimento de filhos com tais mulheres. Segundo informações, 44 crianças têm comprovação.  Quem tiver interesse em conhecer a relação dessas “esposas”, inclusive com a história de cada um desses relacionamentos, basta consultar as informações do site http://averdadesud.blogspot.com.br/2010/11/lista-de-esposas-de-joseph-smith.html

Filhas mais novas de Brighan Young

 

 

4.4.3   A prática do Racismo

 

 

A história mostra registros impressionantes sobre as ideias preconceituosas de racismo, desde a fundação da Igreja dos Mórmons, que precisaram ser revistas à luz da Constituição Brasileira, em 1978. Se alguém pretende desmentir esses fatos, basta que se recorra às páginas 110 e 111 do livro “The way to Perfection” (O caminho para a perfeição).

Conforme pesquisa do Ministério Cristão Apologético, esta doutrina não começou apenas com Brigham Young, como muitos pensam, pois já era defendida pelo fundador Joseph Smith.

Vejamos algumas declarações e registros sobre essa tendência mórmon, registradas no livro “Argumentando com os mórmons”:

 

“Você vê alguns grupos da família humana que são negros, desajeitados, feios, desagradáveis e baixos em seus costumes, selvagens e aparentemente sem a benção da inteligência [...] o Senhor pôs uma marca nele, que é o nariz chato e a pele negra”.  (BRIGHAN YOUNG, Jornal dos Discursos, vol. 7, p. 290,291)

“Se eu tivesse algo a ver com negros, eu os manteria limitados à sua própria espécie por lei rigorosa...”. (JOSEPH SMITH – História da Igreja, vol. 5, p. 218,219)

“[...] a marca colocada nele devido à sua revolta contra Deus e o assassinato de Abel é a pele negra [...]” (BRUCE McCONKIE)

“[...] A posteridade de Caim (e mais tarde de Cão) foi amaldiçoada com aquilo que chamamos características raciais negróides”. (DOUTRINA MÓRMON, p. 606)

“[...] Caim foi amaldiçoado com uma pele escura; ele se tornou Pai dos negros...” 

(DOUTRINA MÓRMON, p.109.)

“[...] a posteridade de Caim é negra porque ele [Caim] cometeu assassinato.” 

(O CAMINHO PARA A PERFEIÇÃO, p.105,106)

“Milhões de almas tem vindo a este mundo amaldiçoadas com uma pele negra, e tem lhes sido negados o privilégio do Sacerdócio e a plenitude das bênçãos do Evangelho”. 

(O CAMINHO PARA A PERFEIÇÃO, p.43)

“[...] era necessário que o Diabo tivesse um representante na terra assim como Deus” 

[Tal descendente aqui seria a raça negra]. (JOHN TAYLOR – Jornal dos Discursos, vol. 22, pg. 304.)  

 

Indubitavelmente, nenhuma dessas declarações estão escritas nas Escrituras Sagradas. Todas foram ditas por líderes fundadores dessa seita.  Contrariando tudo isso, Pedro afirma em Atos 10:34,35 que Deus não faz acepção de pessoas, sendo importante apenas que tenham temor do Senhor e façam o que é justo.

Para encerrar, muitos comentaristas cristãos estranham que os mórmons, apesar de não praticarem mais essas barbaridades, também nunca tenham reconhecido oficialmente o seu erro, e reconhecendo que tais afirmações não vieram de Deus. Seus líderes nunca pediram perdão a ninguém por essas barbaridades.

 

 

4.4.4  Outras características

 

A história do mormonismo é muito grande, tornando-se difícil abreviarmos a quantidade existente de informações a respeito deles. Apenas relacionaremos mais algumas características interessantes:

a) Perdão pelos pecados:  A redenção é conquistada por etapas, como reconhecimento do erro, pedido de perdão a Deus e à pessoa prejudicada, se houver. Trata-se de um período que pode durar dias ou anos;

b)  Quem será salvo: Apesar de ser veiculado frequentemente o fato dos mórmons afirmarem que só eles serão salvos, hoje em dia eles tentam camuflar essa ideia antiga, dizendo que o inferno está reservado apenas para os que são muito malévolos, e que os retos que honestamente procuram a Deus, de nenhuma maneira serão condenados.

c)  Vícios:  Os mórmons não fumam, não usam bebidas alcoólicas, não bebem café e chá preto;

d) Acesso ao templo: Só as pessoas reconhecidamente dignas podem frequentar o templo onde se realizam casamentos, batizados, etc., ou seja, os iniciados;

e) Roupas íntimas: Os mórmons costumam usar roupas íntimas especiais, chamadas pelos membros da Igreja de “garments”, cujo uso significa uma espécie de adoração a Deus.  Eles seguem uma orientação divina aos hebreus, registrada em Números 15:38-40.

f) Interesse pela Política: Atualmente podem ser vistos muitos mórmons participando da política nacional norte-americana, podendo-se destacar o governador Mitt Rommey, de Massachussetts, que já concorreu à presidência da república.

g)  Casamento entre pessoas do mesmo sexo:  Não concordam com qualquer tentativa de legalização, mas prontificam-se a participar de campanhas ou apelos a autoridades, no sentido de não permitirem que essas modernidades deturpem a santidade do casamento;

h) Aborto: Também não concordam com a prática do aborto, considerando-o uma espécie de assassinato. Porém, não condenam as possibilidades previstas de aborto na lei brasileira, como as resultantes de incesto, estupro, riscos à saúde da mãe, má formação irreversível do feto, etc.

i) Educação Sexual: Acham que os pais são os principais responsáveis pela orientação sexual a seus filhos, devendo estar atentos aos ensinos escolares a esse respeito, para conferir se estão de acordo com os bons valores morais e éticos;

j)  Vírus HIV e AIDS:  Aceitam pessoas infectadas com esses vírus, devendo ser tratadas de acordo com as normas vigentes no país, e recebidas com amor, desde que expressem fé em Deus, se arrependem, peçam para ser batizadas e estejam vivendo o Evangelho de Jesus Cristo (Regras de Fé 1:1 e 1:4).

k)  Ajuda Solidária: Uma proposta muito importante dentro da Igreja SUD é o socorro às vítimas de catástrofes por todo o mundo. Seus membros são ensinados a doar regularmente os materiais para essas contingências, tudo é armazenado em Salt Lake City, onde são imediatamente mandados para distribuição, sempre que necessário. Um exemplo significativo a ser mencionado é a tsunami na Ásia em 2004.

 

 

FONTES DE PESQUISA

 

 

SPATAFORA, Marcelo. Conheça os Mórmons. Postado em Conhecaosmormons.blogspot.com.br . Pesquisado em 13/06/2014.

PROPINHAKI, Antônio Carlos. Investigações sobre a Igreja SUD.Postado em

http://investigacoes-sud.no.comunidades.net/index.php?pagina=1948548100.  Pesquisado em 16/06/2014.

PROPINHAKI, Antônio Carlos. Investigações sobre a Igreja SUD: Joseph Smith e suas 33 esposas. Pesquisado em 16/06/2014.

PROPINHAKI, Antônio Carlos. Investigações sobre a Igreja SUD: Profetas mórmons afirmam que a Lua é habitada.

PRIMEIRA IGREJA BATISTA DP JARDIM DAS OLIVEIRAS.  10 razões porque não posso ser mórmon.   Postado em  www.palavraprudente.com.br .  Pesquisado em 16/06/2014.

McDOWELL, Josh e STEWART, Don. Entendendo as religiões seculares. São Paulo: Editora Candeias, 1989

OLIVEIRA, Raimundo F.de. Heresiologia discernindo entre a verdade e o erro. Campinas: EETAD, 214p.

DA SILVA, Ezequias Soares. Seitas e Heresias. Lições Bíblicas, 2º Trim.1987. Rio de Janeiro: CPAD-Casa

MINISTÉRIO CRISTÃO APOLOGÉTICO (MCA).  Mormonismo e Racisco: um passado esquecido e não desculpado.  Postado por Luciano Sena em 15/07/2010. Pesquisado em 17/06/2014.

AVERDADESUD.blogspot.com.br A verdade SUD: Lista da esposas de Joseph Smith. Postado em 27/11/2010.http://averdadesud.blogspot.com.br/2010/11/lista-de-esposas-de-joseph-smith.htm

RHODES, Ron; BODINE, Marian. Argumentando com os Mórmons a partir das Escrituras: como defender a fé cristã diante de heresias. Campinas: Editora CPAD, 424p.

 

 

AUTOR

Walmir Damiani Corrêa

Por: Walmir Damiani Corrêa

Publicado em 17/08/2014

Todos os direitos reservados ©elevados.com.br 2013 - 2021