Um rei envolto em panos

 

UM REI ENVOLTO EM PANOS

 

 

Imagine um homem de terno e gravata visitando uma favela!  Agora, imagine um soldado armado até os dentes visitando um abrigo de idosos! E um mendigo, coberto de trapo, visitando um palácio!

A partir disso fica fácil entender a beleza do contraste que existe entre as passagens bíblicas que falam da natureza divina e da natureza humana de Jesus. De acordo com o livro de Salmos, “de majestade vestiu-se o Senhor e armou-se de poder” (Salmo 93:1), e segundo o apóstolo Paulo, o mesmo Senhor “esvaziou-se a si mesmo, tornando-se semelhante aos homens” (Filipenses 2:7).

Antes da encarnação e depois da ascensão, Jesus vestiu-se de majestade. No curto período em que esteve conosco, Ele tirou as vestes solenes e foi encontrado pelos pastores de Belém “envolto em panos e deitado numa manjedoura” (Lucas 2:12).  Depois vestiu uma túnica qualquer e andou a pé pelas estradas poeirentas da Palestina, misturando-se com o povo e fazendo amizade com as escórias social, moral e religiosa de Seu tempo.

Uma vez feito carne, uma vez esvaziado voluntariamente, uma vez tornado servo por decisão própria, uma vez feito Filho do homem, Jesus, sem deixar de ser Filho de Deus em momento algum, experimentou tudo o que os seres humanos têm em comum: fome, sede, cansaço, pobreza, tentação, dor, sofrimento, oposição e morte.

“Depois de ter realizado a purificação dos pecados” (Hebreus 1:3), Jesus ressuscitou, ascendeu aos céus e novamente “de majestade vestiu-se e armou-se de poder” (Salmos 93:1). É assim que Ele virá na segunda vez, em poder e com muita glória!

 

 

AUTOR DESCONHECIDO

Revista Ultimato, 2003

Por: AUTOR DESCONHECIDO

Publicado em 10/04/2015

Procedência - Revista Ultimato

Todos os direitos reservados ©elevados.com.br 2013 - 2021